Crónica de Alexandre Honrado – Movimento ecologia e diversidade

MOVIMENTO ECOLOGIA E DIVERSIDADE   Um grupo de pessoas e eu abeirei-me a elas. Um grupo de pessoas que resolveu conjugar vozes em torno de uma ideia. E como as ideias não devem ser estáticas, para não correrem o risco de se tornarem voláteis como ideias líquidas ao sol, passaram a chamar-se movimento. Estamos, todavia, rodeados de movimentos. Muitos não agem, nem mexem, mas o nome exibe-se. O que distingue então este Movimento, para lá da vontade de movimentar-se? O ser um movimento com o nome e o conteúdo urgente…

Ler mais

Folhetim | por Licínia Quitério – “Casa de Hóspedes” (18º. Episódio)

FOHETIM Casa de Hóspedes (18º. Episódio) O se­nhor doutor era um exemplo para outros profes­sores mais novos, mais fraquitos, alguns com ideias de liberdades e independências e porras dessas que só lhes baralham as ideias e até já ouvi um dizer que bater nos putos não, que tal, que o respeito não é assim que se consegue, que palavras muito bonitas e tal de compreensão e afecto, merdas, que depois nas aulas é que se vê quem os mantém na linha, pianinho antes que dê para o torto. Um homem…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Peregrinação

Peregrinação Conhecer as rotas dos desejos. Esquecer os caminhos dos sacrifícios. Viajar num pensamento por descobrir. Abraçar os outros. Os que escolhem os mesmos caminhos. Os irmãos de desejos. Os que caminham com os pés descalços e o coração nas mãos. Os que buscam o amor. Os que têm amor para dar. Uma destinação. Cantam homens e mulheres o caminho vai ganhando alegria. As mantas coloridas. Os cestos cheios de sonhos. Os bastões. Os lenços pequenos e grandes. As flores roubadas nos campos. Silvestres euforias. A pureza do ar. A…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Mafra em festa

MAFRA EM FESTA Alice Vieira   Deslumbrado com o ouro que vinha do Brasil (se o Bolsonaro existisse, nada tinha sido assim…), D. João V desatou a gastar que nem um doido (se a União Europeia existisse também nada tinha sido assim…), e fez a Basílica da Estrela, e fez a Igreja de S. Roque e, como promessa para a rainha lhe dar descendência, fez o Convento de Mafra. Há ouro ?  Claro que havia.  Toneladas dele. Em certos anos—diz-se—mais de vinte toneladas. E diamantes também. Então que se faz…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – A morte de um cavalo

Crónica de Alexandre Honrado – A morte de um cavalo     Morreu um cavalo. É claro que nos títulos da imprensa mais atenta, o cavalo não tem o lugar mais destacado. Outro tipo de apelos sobrepõe-se à vida perdida do pobre animal, arrastado para o sítio errado em hora errada. Noite de terror, momentos dramáticos, mais sangue na arena do que estava previsto e é da tradição. Dois cavaleiros tauromáquicos a receberem assistência, mais um novilheiro, que “sofreu uma aparatosa voltareta”, outros, até espetadores no recinto que querendo emoção…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | De Volta

De Volta Estou de volta. Regresso a este espaço com alegria. Tinha saudades vossas. Somos poços de saudades. Somos a verdade deste Sul. Somos um vai e vem. Somos seres em permanente movimento. Já não ando em loucas correrias. É com uma demorada calma que me desloco. Passo a passo lá vou. Os olhos bem abertos para tentar abarcar tudo o que nos rodeia. Levo, quase sempre, muitas saudades de chegar e outras tantas de partir. Parti com calma e com calma cheguei. Novelos levei, novelos trouxe. Baraços de emoções.…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Eu (Envenenado)

Crónica de Alexandre Honrado – Envenenado   Há uma diferença enorme, com um lugar vazio de premeio, entre a emoção e o sentimento. Há também na relação de escalas uma diminuição registada entre a capacidade que temos de gerir, interpretar, comunicar emoção e o sentimento, que nutrimos, que sentimos que partilhamos, ou não, porque se paga caro a indiferença e o desgaste da habituação. Não sentimos o que sentíamos, há uma dúzia de anos atrás, porque nos desabituámos do sentir e assim a dor, o amor, a morte, o altruísmo,…

Ler mais

Folhetim | Casa de Hóspedes (17º. Episódio)

FOLHETIM | Uma rubrica de Licínia Quitério   Casa de Hóspedes (17º. Episódio) O Zeferino, com o arzinho manhoso, metendo an, an, pelo meio, então pá, a Nandinha, explicações, não me digas, burra sai à mãe, burra mas ainda muito aproveitável, não achas, ó aproveitador, bocas eu, não sejas sonso, a mim é que não me calhou nenhuma, cala-te pá, se eu tivesse uma miúda como a tua não me queixava, ela não é para aqui chamada, pronto, andas esquisito, uma porra, isto é uma grande porra, os cabrões não caem,…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Para atrair a simpatia

PARA ATRAIR A SIMPATIA Alice Vieira   Li há muito pouco tempo um texto em que se apontavam os vinte hábitos que podem atrair a simpatia das outras pessoas. Li, reli, e-mailei para uma data de amigos (não que eles precisem mas certamente, como eu, hão-de conhecer muito cara de pau que anda neste mundo com o ar de quem está a fazer um enorme favor aos outros), guardei uma cópia—e achei que o verão era a altura  ideal para o partilhar com os leitores. Porque estamos mais tranquilos, temos…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Estamos desarmados

Recordo muitas vezes a frase de Gilles Deleuze: “não é caso para temer ou esperar, mas sim procurar novas armas”. Recordo-a aceitando que essas armas, aludidas em contexto certo, não são as do foguetório dos Trump e dos Bolsonaro, aceitando todavia que os povos não devem andar armados – embora devam pegar em armas em nome da insurreição pela justiça que merecem-, nem são também as armas do Irão e dos enriquecimentos (do urânio e da conta bancária), nem dos fundamentalistas que prolongam na fraqueza e no derramamento de sangue…

Ler mais