Folhetim por Licínia Quitério | “Dona Clotilde” – (7º. Episódio)

Licínia Quitério

Folhetim por Licínia Quitério  “Dona Clotilde”  – 7º. Episódio Só mais um impulso, bem controlado, e a carapaça voltaria a erguer-se sobre as patitas retorcidas, cambaleantes, a princípio, mas capazes de a tirar debaixo daquele tapete que ameaçava sufocá-la, antes que a curiosidade de algum gato a descobrisse e, num gesto ágil, lhe desfechasse o golpe final. Deles, nem sinal. Até ao dia em que o telefone retiniu pelas concavidades da casa, de súbito desperta. Atendeu, toda a tremer. A voz dele, num sussurro: “Quero ver-te. Precisamos falar. Eu explico…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Esta Geração

Crónica de Jorge C Ferreira   Esta Geração Somos netos dos que se salvaram da pneumónica e da primeira guerra mundial. As trincheiras e a vida de ratos. A doença ingrata e fatal. A vida difícil. As revoltas da primeira república e Sidónio a quem chamaram de presidente rei. Os colchões de palha. Os divãs. Somos filhos de outros tantos martírios. Trouxemos nos genes a guerra maior. As atrocidades. A destruição. Os racionamentos. As bichas para a fome. Dizem que somos filhos do baby-boom. Estou a falar da rapaziada da…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Sejam criativos…

E agora sim, agora estamos obrigatoriamente de quarentena…E lá começam a surgir as anedotas, porque nunca vi como os portugueses para fazerem anedotas de tudo. (“As igrejas estão fechadas, só o Pôncio Pilatos é que pode sair, porque está sempre a lavar as mãos…..”  Aí vai uma para amostra.) Claro que eu até gosto de estar em casa. Na minha infância complicada habituei-me muito a estar sozinha e a arranjar maneira de me entreter. Eu nunca me aborreço, é verdade. Mas, como dizia a Melina Mercouri, gosto muito de estar…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – O fim do mundo ou apenas um até já?

Estamos em combate pela alteridade, essa ideia que consagra como a existência do “eu-individual” só é permitida mediante um contato com o outro. Coisas que julgávamos perdidas, como a leitura, vêm provar a frase que diz que “ler conduz-nos à alteridade, seja à nossa própria ou à dos nossos amigos, presentes ou futuros”. E lemos, por medo. Lemos tudo. Frases feitas e batidas, artigos de opinião, o e-mail da tia e a literatura farmacêutica da avó. Agora é o tempo de ler. É tempo da alteridade. De percebermos que precisamos…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Confinados

Crónica de Jorge C Ferreira   Confinados Aqui estamos confinados. Uma casa antiga, um quarto refúgio. Catorze degraus e um pátio. Três ânforas velhas. Uma fonte que não deita água, mas que, pela noite, se ilumina com candeeiros de carregamento solar. Três cactos que crescem de forma desarvorada num pequeno canteiro. Cadeiras, uma mesa e um churrasco que nunca utilizei. Os gatos passeiam pelos muros numa liberdade que me inveja. Descansam em equilíbrio instável. E fintam o arame farpado de forma ágil. Depois vão-se embora nunca sei para onde. O…

Ler mais

Alexandre Honrado | Aprender a caminhar depois de Bérgamo

Em Junho de 2007, o escritor José Vegar ofereceu-me um livro seu, intitulado Cerco a um Duro, ficção de qualidade em dose tripla, digo tripla por conter três textos apetecíveis. Tenho lido apenas ensaios nos últimos anos, com raras exceções, o que não me exercita como possa parecer, nem me acrescenta em sabedoria, pois exerço o meu direito de leitor em liberdade de arquitetar as mais complexas ideias, criticando pontos de vista, como se andasse à procura do vaso sagrado, do graal das minhas convicções. Cerco a um Duro não…

Ler mais

Folhetim por Licínia Quitério | “Dona Clotilde” – (6º. Episódio)

Licínia Quitério

Folhetim por Licínia Quitério  “Dona Clotilde”  – 6º. Episódio Se tivesse um buraco tinha-se metido por ele abaixo. Mas calou, a fazer de conta que não era nada com ela, as mãos a tremer, ainda por cima na altura crítica de lacrar um envelope. Continuava firme nos seus princípios sobre as regras de bem viver: “Ca-da ma-ca-co no seu ga-lho!”. Silabava o aforismo, espaçadamente. Uma frase inteira sem “erres” era para ela um raro prazer de oratória que não podia dar-se ao luxo de desperdiçar. Cumpria o seu dever o…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Estado de Emergência

Crónica de Jorge C Ferreira Estado de Emergência Estou a escrever-vos do rés do chão de um prédio em Parede-Cascais. Estou perto de uma janela grande de madeira que dá para um pequeno pátio. Estou eu e a minha companheira de muitos anos. Vamos bebendo o café de cafeteira de que gostamos, vamos falando e tentando manter-nos informados. Já não vemos o neto há alguns dias. Matamos saudades pelas ferramentas que ainda temos disponíveis para nos vermos e falar. Um filho no Alentejo e a filha que nos deixa as…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | De quarentena

Crónica de Alice Vieira    DE QUARENTENA Alice Vieira   Meus amigos e directores do “Jornal de Mafra”: Estou-vos imensamente grata porque esta minha crónica é a única coisa que eu tenho para fazer nesta quarentena. Ninguém me mandou estar de quarentena, é verdade, mas eu sou uma pessoa muito cumpridora (e, além disso, pertenço a um grupo de risco) e faço aquilo que é preciso, antes que me mandem. Quando todas as mensagens dizem “Fique em casa”, quando olho para o écran da minha televisão e vejo lá em…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – COVID-19? Deixei de ter tempo livre

Deixei de ter tempo livre desde que estou confinado a um espaço – com computador e ainda alguma comida. É um exílio dourado, na província, a muitos quilómetros da capital, com o céu por companhia e a natureza pouco espezinhada a tocar-me de leve, que isto agora é tudo um toque leve, nada de apertos de mão ou beijos prolongados. Não vejo muita gente, não só porque os outros se isolaram mas em especial porque aqui o ser humano não lhe apetece estar, dá muito trabalho estar num sítio destes.…

Ler mais