Folhetim por Licínia Quitério | Casa de Hóspedes (22º. Episódio)

FOLHETIM | Uma rubrica de Licínia Quitério   Casa de Hóspedes (22º. Episódio) Nova hóspede chegou, Lucrécia, de seu nome, jovem morenita de olhos castanhos, ligeiramente amendoados, recomendada pelo Senhor João da farmácia, filha de uma sua segunda prima, com o quinto ano dos liceus prontinho. Dezoito anos feitos, vinha empregar-se na Caixa de Previdência, lugar conseguido por boa vontade do senhor coronel Tiago Dores, pessoa muito influente lá na cidade, baixote, sempre fardado e de botas altas, havia quem o temesse, quem mesmo o odiasse, mas a verdade é que…

Ler mais

Folhetim por Licínia Quitério | Casa de Hóspedes (21º. Episódio)

FOLHETIM | Uma rubrica de Licínia Quitério   Casa de Hóspedes (21º. Episódio) Já se notam os dias mais pequenos, temos o Outono à porta, é o cair da folha, não gosto desta época, vem-me uma tristeza que não sei bem explicar, eu não, até gosto, se não fosse a minha alergia, as férias passam depressa, o que é bom dura pouco, não tarda temos o Natal, se quiserem mais roupa na cama, a minha coluna já começa a dar sinal, pois, cuidado, segure-se bem nas escadas que são traiçoeiras, se…

Ler mais

Folhetim por Licínia Quitério | “Casa de Hóspedes” (20º. Episódio)

FOLHETIM | Uma rubrica de Licínia Quitério   Casa de Hóspedes (20º. Episódio) Entristeceu a Adelaide na ausência do Gil, os dias pareceram-lhe meses, anos, lá no fundo temendo que, de regresso, ele não fosse já o mesmo, que menos entusiasmado lhe pareceu nos últimos encontros na Pensão Águia Branca, o ninho que ele tinha descoberto, modesto mas asseadinho, num alto da cidade, longe das vistas do mundo, intramuros, só conhecido de fre­quentadores furtivos, de clandestinos do amor. Na recepção, ele declarava o nome de José Silva e o dela, Maria…

Ler mais

Folhetim por Licínia Quitério | “Casa de Hóspedes” (19º. Episódio)

FOLHETIM | Uma rubrica de Licínia Quitério   Casa de Hóspedes – 19º. Episódio Chegou o dia de Dona Júlia arranjar cora­gem para, a propósito de nada, perguntar ao Sr. Mário, o senhor desculpe, eu não tenho nada a ver com a vida dos meus hóspedes, desde que respeitem a minha casa o resto é lá com eles, mas anda a fazer-me impressão saber que o senhor está fora da sua casinha, da sua família, nunca lhe perguntei, mas tem filhos, não fique assim, Sr. Mário, foi só uma curiosi­dade, não…

Ler mais

Folhetim | por Licínia Quitério – “Casa de Hóspedes” (18º. Episódio)

FOHETIM Casa de Hóspedes (18º. Episódio) O se­nhor doutor era um exemplo para outros profes­sores mais novos, mais fraquitos, alguns com ideias de liberdades e independências e porras dessas que só lhes baralham as ideias e até já ouvi um dizer que bater nos putos não, que tal, que o respeito não é assim que se consegue, que palavras muito bonitas e tal de compreensão e afecto, merdas, que depois nas aulas é que se vê quem os mantém na linha, pianinho antes que dê para o torto. Um homem…

Ler mais

Folhetim | Casa de Hóspedes (17º. Episódio)

FOLHETIM | Uma rubrica de Licínia Quitério   Casa de Hóspedes (17º. Episódio) O Zeferino, com o arzinho manhoso, metendo an, an, pelo meio, então pá, a Nandinha, explicações, não me digas, burra sai à mãe, burra mas ainda muito aproveitável, não achas, ó aproveitador, bocas eu, não sejas sonso, a mim é que não me calhou nenhuma, cala-te pá, se eu tivesse uma miúda como a tua não me queixava, ela não é para aqui chamada, pronto, andas esquisito, uma porra, isto é uma grande porra, os cabrões não caem,…

Ler mais

Folhetim | Casa de Hóspedes (16º. Episódio)

FOLHETIM | Uma rubrica de Licínia Quitério   Casa de Hóspedes (16º. Episódio) Nesse Domingo, a D. Laura disse para a D. Balbina, ao ouvido, a vizinha já reparou que a Adelaide diz o Gil para cá, o Gil para lá, sem se­nhor nem doutor, uma confiança nunca vista, isto é a gente a falar, que Deus me livre de maus pensamentos, quem fizer boa cama nela se deita, abanou a cabeça, fran­zindo os cantos da boca, e disse em surdina, ai coitadinho de quem morre, é o que lhe digo,…

Ler mais

Folhetim | Casa de Hóspedes (15º. Episódio)

FOLHETIM | Uma rubrica de Licínia Quitério   Casa de Hóspedes (15º. Episódio) O Verão estava a chegar e a luz, agora mais brilhante, a penetrar pelos vidros da clarabóia, evidenciava o mofo nas paredes das escadas do prédio. Na mercearia do Albertino, começavam a aparecer as nêsperas gorduchas e um bocadinho descoradas, a falta de Sol, já se vê, da árvore do quintal da D. Balbina, mais precisamente das pernadas pendentes para o pátio do maroto que as vendia fazendo crer que as tinha comprado. A D. Laura é que…

Ler mais

Folhetim | Casa de Hóspedes (14º. Episódio)

FOLHETIM | Uma rubrica de Licínia Quitério   Casa de Hóspedes (14º. Episódio) Não pode, não diga, senhora, acudiu a Dona Júlia, sem perceber muito bem o que se tinha passado, mas se lhe fizer bem dizer, olhe que eu sou um poço, a minha boca não se abre, e fechava-a de canto a canto, correndo sobre ela dois dedos unidos. A outra não a ouvia e repetia-se, deu um murro na mesa, parecia louco, parecia mesmo louco. E então o que aconteceu depois, interrogou a outra, já intrigada. Ai, Dona…

Ler mais

Folhetim | Casa de Hóspedes (13º. Episódio)

FOLHETIM | Uma rubrica de Licínia Quitério   Casa de Hóspedes (13º. Episódio) No recanto da casa de jantar, uma pequena mesa para as revistas e dois sofás desirmanados, a que Dona Júlia chamava pomposamente a salinha, a cena desenrolou-se. Sem intróitos, a outra falou, é o pulha do meu marido, a senhora desculpe a palavra, mas ele não merece outro nome, um homem que é homem não deixa assim o lar, sem mais nem menos, uma casa muito boa, a senhora havia de ver, com todo o conforto, tudo a…

Ler mais