Folhetim por Licínia Quitério | Dona Clotilde (1º. Episódio)

Licínia Quitério

Folhetim por Licínia Quitério  “Dona Clotilde” (1º. Episódio) Dona Clotilde era madurona. O cabelo pintado de negro, avolumado por muita laca, com transparências indiscretas. Peladas, não senhor, coisas dos nervos que apanhara. Os lábios, pintados de escarlate, ganhavam a forma de coração em caixa de bombons. Passada que fora a beleza consentida pela frescura dos anos, ficara-lhe o ar de boneca de papelão abandonada em sótão, um pouco amachucada, mas ainda colorida e risonha. Mamalhuda, de perninha fina, sempre encavalitada em saltos altos, inclinava-se para a frente ao andar, lembrando…

Ler mais

Folhetim por Licínia Quitério | Casa de Hóspedes (26º. e último episódio)

Licínia Quitério

Folhetim por Licínia Quitério  Casa de Hóspedes (26º. e último episódio) Adelaide acordou tarde. Desde que rompeu com o Gil, e porque tinha dificuldade em dormir, o médico receitou-lhe uns comprimidos para tomar à noite e passou a ter longos sonos, longos demais, dizia ela, que se levantava tarde para tanta lida, só para tratar da sogra, agora totalmente dependente, eram horas de esforço e paciência. Nem ligou o rádio, pegou na alcofa das compras e quando ia a descer a escada encontrou a D. Laura e a D. Balbina…

Ler mais

Folhetim por Licínia Quitério | Casa de Hóspedes (25º. Episódio)

Licínia Quitério

Folhetim por Licínia Quitério  Casa de Hóspedes (25º. Episódio) A campainha da porta tocou uma vez, duas vezes. Dona Júlia acordou, levantou-se, em susto, olhou o relógio na mesinha, viu seis horas, corredor fora, quem será, quem será a umas horas destas, espreitou pelo ralo da porta, um polícia, credo, boa não é, abriu, reparou que estava em camisa de noite, que importância tem isso para um polícia a estas horas, devo ser parva, faça favor de dizer, é aqui que mora o guarda fulano, não senhor, aqui não mora…

Ler mais

Folhetim por Licínia Quitério | Casa de Hóspedes (24º. Episódio)

Folhetim por Licínia Quitério  Casa de Hóspedes (24º. Episódio) No outro dia, Dona Júlia encontrou Lucrécia na rua e, sorrateira, olá, Menina, bons olhos a vejam, sentimos a sua falta ontem ao jantar, ah comi qualquer coisa em frente ao Coliseu, em pé, ao balcão, que não podia perder tempo, tinha de conseguir um lugar, posso saber o que houve lá por esses lados, pode, claro, como é que hei-de explicar, houve o maior e mais emocionante espectáculo musical que eu vi até hoje, Dona Júlia, cantores, poetas, músicos, sim,…

Ler mais

Folhetim por Licínia Quitério | Casa de Hóspedes (23º. Episódio)

[sg_popup id=”24045″ event=”onLoad”][/sg_popup] Folhetim por Licínia Quitério | Casa de Hóspedes (23º. Episódio) Casa de Hóspedes (23º. Episódio) Foi-lhe fácil o relacionamento com colegas de trabalho, raparigas e rapazes que, como ela, chegavam de todo o país, numa onda migratória que ajudava a despovoar o interior. Nessa Lisboa pardacenta, fechada à novidade, vigiada, Lucrécia foi descobrindo uma outra cidade, inconformada, de músicos e poetas e cantores, de palavra passada de casa em casa, de rua em rua, de bairro em bairro. De Paris chegavam discos e livros, embrulhados na roupa…

Ler mais

Folhetim por Licínia Quitério | Casa de Hóspedes (22º. Episódio)

[sg_popup id=”24045″ event=”onLoad”][/sg_popup] FOLHETIM | Uma rubrica de Licínia Quitério   Casa de Hóspedes (22º. Episódio) Nova hóspede chegou, Lucrécia, de seu nome, jovem morenita de olhos castanhos, ligeiramente amendoados, recomendada pelo Senhor João da farmácia, filha de uma sua segunda prima, com o quinto ano dos liceus prontinho. Dezoito anos feitos, vinha empregar-se na Caixa de Previdência, lugar conseguido por boa vontade do senhor coronel Tiago Dores, pessoa muito influente lá na cidade, baixote, sempre fardado e de botas altas, havia quem o temesse, quem mesmo o odiasse, mas a…

Ler mais

Folhetim por Licínia Quitério | Casa de Hóspedes (21º. Episódio)

[sg_popup id=”24045″ event=”onLoad”][/sg_popup] FOLHETIM | Uma rubrica de Licínia Quitério   Casa de Hóspedes (21º. Episódio) Já se notam os dias mais pequenos, temos o Outono à porta, é o cair da folha, não gosto desta época, vem-me uma tristeza que não sei bem explicar, eu não, até gosto, se não fosse a minha alergia, as férias passam depressa, o que é bom dura pouco, não tarda temos o Natal, se quiserem mais roupa na cama, a minha coluna já começa a dar sinal, pois, cuidado, segure-se bem nas escadas que…

Ler mais

Folhetim por Licínia Quitério | “Casa de Hóspedes” (20º. Episódio)

[sg_popup id=”24045″ event=”onLoad”][/sg_popup] FOLHETIM | Uma rubrica de Licínia Quitério   Casa de Hóspedes (20º. Episódio) Entristeceu a Adelaide na ausência do Gil, os dias pareceram-lhe meses, anos, lá no fundo temendo que, de regresso, ele não fosse já o mesmo, que menos entusiasmado lhe pareceu nos últimos encontros na Pensão Águia Branca, o ninho que ele tinha descoberto, modesto mas asseadinho, num alto da cidade, longe das vistas do mundo, intramuros, só conhecido de fre­quentadores furtivos, de clandestinos do amor. Na recepção, ele declarava o nome de José Silva e…

Ler mais

Folhetim por Licínia Quitério | “Casa de Hóspedes” (19º. Episódio)

[sg_popup id=”24045″ event=”onLoad”][/sg_popup] FOLHETIM | Uma rubrica de Licínia Quitério   Casa de Hóspedes – 19º. Episódio Chegou o dia de Dona Júlia arranjar cora­gem para, a propósito de nada, perguntar ao Sr. Mário, o senhor desculpe, eu não tenho nada a ver com a vida dos meus hóspedes, desde que respeitem a minha casa o resto é lá com eles, mas anda a fazer-me impressão saber que o senhor está fora da sua casinha, da sua família, nunca lhe perguntei, mas tem filhos, não fique assim, Sr. Mário, foi só…

Ler mais

Folhetim | por Licínia Quitério – “Casa de Hóspedes” (18º. Episódio)

[sg_popup id=”24045″ event=”onLoad”][/sg_popup] FOHETIM Casa de Hóspedes (18º. Episódio) O se­nhor doutor era um exemplo para outros profes­sores mais novos, mais fraquitos, alguns com ideias de liberdades e independências e porras dessas que só lhes baralham as ideias e até já ouvi um dizer que bater nos putos não, que tal, que o respeito não é assim que se consegue, que palavras muito bonitas e tal de compreensão e afecto, merdas, que depois nas aulas é que se vê quem os mantém na linha, pianinho antes que dê para o…

Ler mais