Crónica de Alice Vieira | O Anjo

Crónica de Alice Vieira    O Anjo Alice Vieira Vivi grande parte da minha vida junto ao mar. Agora na Ericeira, e em jovem na Costa Nova. Ambas praias de pescadores—mas muito diferentes. Naquele tempo os homens da Costa Nova saíam cedo de casa e demoravam muito a regressar. Iam todos para a pesca do bacalhau, lá nos confins do Mar do Norte, e as mulheres ficavam com todo o peso da vida às costas—a casa, os filhos, os parentes velhos, e ainda a pequena horta de que era preciso…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Sonhar dá muito trabalho

Há uns bons anos (mas não muitos, apesar de tudo…) uma escola de Timor recebeu uma prenda: um quadro preto. Um quadro preto, banalíssimo, daqueles para os quais, nesta era da tecnologia acelerada, os alunos olham quase com desdém. E muitos haverá que nem sequer sabem para que é que aquilo serve. Uma prenda que certamente ninguém se lembraria de oferecer hoje a nenhuma escola do nosso país. Se o fizesse, cairia o carmo e a trindade, seria decerto motivo de primeira página dos jornais, abriria telejornais, os pais protestariam…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Quando o Amândio bateu no Simão

Crónica de Alice Vieira    QUANDO O AMÂNDIO BATEU NO SIMÃO Alice Vieira   Ainda mal eu tinha fechado a porta e já a ouvia, agarrada ao volante e a olhar para o espelho retrovisor, “vamos para onde? explique-me lá isso direitinho que hoje a minha cabeça não anda boa e baralho as ruas todas, e então com esta barafunda de trânsito…Olhe para aquele javardo a ultrapassar pela esquerda…Jasus….” Se fosse eu que tivesse apanhado o táxi, se calhar arranjava uma desculpa, saía e apanhava outro—mas tinha sido um táxi…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | E chegou o Natal…

Crónica de Alice Vieira    E CHEGOU O NATAL…     Que me desculpem algumas pessoas, mas Natal não é “quando um homem quiser”. Natal é em Dezembro, nos dias 24 e 25.Ou poderemos começar a pensar nele a partir do Advento, pronto.(É nessa altura que aproveito para armar todos os meus presépios…) Com esse slogan, já ligeiramente estafado, diga-se (vem dos anos 70, de uma peça infantil chamada “Os Operários de Natal”, com todo o sabor do PREC) acabamos por desvirtuar a data, e começar a celebrá-la ainda mal…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | O dia da Mãe

Crónica de Alice Vieira    O DIA DA MÃE Alice Vieira   Há um romance inglês muito conhecido, chamado “O Mensageiro”, que começa por uma frase que, se calhar, ainda é mais conhecida (e citada!) do que ele: “O passado é um país estrangeiro: lá, as coisas fazem-se de outra maneira” Apetece-me parafrasear, dizendo: “A Europa é um país estrangeiro: lá as coisas fazem-se de outra maneira” E isto a propósito de mudanças que nos são impostas, vá-se lá saber porquê. O Dia da Mãe, por exemplo. O Dia da…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | A Universidade dos quadradinhos

Crónica de Alice Vieira    A UNIVERSIDADE DOS QUADRADINHOS Alice Vieira   Existe neste nosso mundo uma universidade popular e livre que, à margem dos ensinos oficiais e programados, enche de uma especial sabedoria as mais diversas camadas da população. Não dá diploma, não assegura emprego nem reforma—mas dá ao rosto de quem a possui um halo de beatitude que geralmente só transpira do coração dos iluminados. Para além de, como afirma a minha psicóloga, dar uma grande serenidade a quem está à procura dela. Refiro-me à sabedoria das palavas…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Falando de avós

[sg_popup id=”24045″ event=”onLoad”][/sg_popup] Crónica de Alice Vieira | Falando de avós   FALANDO DE AVÓS Alice Vieira   O Prof. João dos Santos, que morreu em 1987 aos 75 anos, foi dos grandes psicólogos e psiquiatras deste país, um dos fundadores da Sociedade Portuguesa de Psicanálise, —sendo mesmo considerado o criador da Saúde Mental Infantil em Portugal. Com ele e a partir dele, houve uma completa viragem na psiquiatria, houve um novo olhar para os problemas infantis, e as relações com as crianças passaram a ser encaradas de outra forma.…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Palavras de Inverno

[sg_popup id=”24045″ event=”onLoad”][/sg_popup] Crónica de Alice Vieira | Palavras de Inverno   PALAVRAS DE INVERNO Alice Vieira   Quem me conhece sabe que sem cafés não vivo. Sobretudo em dias de chuva. Nos dias de chuva a vida complica-se, os transportes chegam atrasados e a abarrotar, as pessoas tornam-se (mais) impacientes e zangadas,  e há sempre um automobilista que passa rente ao passeio e nos encharca da cabeça aos pés. Então a mesa de um café é um oásis de paz, que nos ajuda a acreditar que vai haver sol…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Ainda as pessoas estranhas

[sg_popup id=”24045″ event=”onLoad”][/sg_popup] Crónica de Alice Vieira | Ainda as pessoas estranhas   AINDA AS PESSOAS ESTRANHAS Alice Vieira     Há umas semanas falei aqui, como sendo uma pessoa estranha, do jornalista Felix Correia, nazi assumido e das melhores pessoas que conheci. Hoje é uma história um pouco ao contrário dessa. Estava eu a tomar o pequeno almoço no “meu” café, quando se chega uma jovem, aí pelos seus trinta anos, que me disse: –Não se lembra de mim, claro, chamo-me Leonor, e tinha para aí quatro ou cinco…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Agora não

[sg_popup id=”24045″ event=”onLoad”][/sg_popup] Crónica de Alice Vieira | Agora não   AGORA NÃO ALICE VIEIRA   Nestas vésperas de eleições (acalmem-se que eu sei que a esta hora já não se pode fazer propaganda) lembrei-me de uma antiga canção dos “Deolinda”, que bem podia ter sido utilizada por qualquer dos candidatos. Passo a explicar. Vivemos no país do logo-se-vê. Do pode-ser-que. Do em-princípio. A dificuldade que temos em tomar decisões já quase se tornou numa característica nacional. É qualquer coisa que deve estar nos genes. Diante de qualquer problema dizer…

Ler mais