Crónica de Alice Vieira | De quarentena

Crónica de Alice Vieira    DE QUARENTENA Alice Vieira   Meus amigos e directores do “Jornal de Mafra”: Estou-vos imensamente grata porque esta minha crónica é a única coisa que eu tenho para fazer nesta quarentena. Ninguém me mandou estar de quarentena, é verdade, mas eu sou uma pessoa muito cumpridora (e, além disso, pertenço a um grupo de risco) e faço aquilo que é preciso, antes que me mandem. Quando todas as mensagens dizem “Fique em casa”, quando olho para o écran da minha televisão e vejo lá em…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | O cavalo de guerra

Crónica de Alice Vieira    O CAVALO DE GUERRA Alice Vieira Há muitos anos, por esta altura, eu estava em Ypres. Ypres é uma cidade flamenga, martirizada durante as duas guerras mundiais. Na primeira, foi palco de cinco grandes batalhas, entre britânicos e alemães (em que estes, como vingança, lançaram um gás de cloro que, em 10 minutos, matou cinco mil pessoas) Na segunda, foi totalmente destruída. Ypres é um soco no estômago de quem lá vai Porque toda a paisagem de Ypres é feita de cemitérios. Só se avistam…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Que fazemos dos nossos velhos?

Crónica de Alice Vieira    QUE FAZEMOS DOS NOSSOS VELHOS? Alice Vieira Participei na semana passada num congresso da Fundação Francisco Manuel dos Santos sobre envelhecimento. “Nascer para não Morrer” era o tema—e, para além da velhice, também se discutia a baixa natalidade do país. Cada vez há menos crianças, cada vez os velhos vivem mais, cada vez há mais tios do que sobrinhos, cada vez mais as mesas de Natal são preenchidas por pessoas mais velhas. Mas se a baixa natalidade é um problema –onde estará a mão de…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | O Anjo

Crónica de Alice Vieira    O Anjo Alice Vieira Vivi grande parte da minha vida junto ao mar. Agora na Ericeira, e em jovem na Costa Nova. Ambas praias de pescadores—mas muito diferentes. Naquele tempo os homens da Costa Nova saíam cedo de casa e demoravam muito a regressar. Iam todos para a pesca do bacalhau, lá nos confins do Mar do Norte, e as mulheres ficavam com todo o peso da vida às costas—a casa, os filhos, os parentes velhos, e ainda a pequena horta de que era preciso…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Sonhar dá muito trabalho

Há uns bons anos (mas não muitos, apesar de tudo…) uma escola de Timor recebeu uma prenda: um quadro preto. Um quadro preto, banalíssimo, daqueles para os quais, nesta era da tecnologia acelerada, os alunos olham quase com desdém. E muitos haverá que nem sequer sabem para que é que aquilo serve. Uma prenda que certamente ninguém se lembraria de oferecer hoje a nenhuma escola do nosso país. Se o fizesse, cairia o carmo e a trindade, seria decerto motivo de primeira página dos jornais, abriria telejornais, os pais protestariam…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Quando o Amândio bateu no Simão

Crónica de Alice Vieira    QUANDO O AMÂNDIO BATEU NO SIMÃO Alice Vieira   Ainda mal eu tinha fechado a porta e já a ouvia, agarrada ao volante e a olhar para o espelho retrovisor, “vamos para onde? explique-me lá isso direitinho que hoje a minha cabeça não anda boa e baralho as ruas todas, e então com esta barafunda de trânsito…Olhe para aquele javardo a ultrapassar pela esquerda…Jasus….” Se fosse eu que tivesse apanhado o táxi, se calhar arranjava uma desculpa, saía e apanhava outro—mas tinha sido um táxi…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | E chegou o Natal…

Crónica de Alice Vieira    E CHEGOU O NATAL…     Que me desculpem algumas pessoas, mas Natal não é “quando um homem quiser”. Natal é em Dezembro, nos dias 24 e 25.Ou poderemos começar a pensar nele a partir do Advento, pronto.(É nessa altura que aproveito para armar todos os meus presépios…) Com esse slogan, já ligeiramente estafado, diga-se (vem dos anos 70, de uma peça infantil chamada “Os Operários de Natal”, com todo o sabor do PREC) acabamos por desvirtuar a data, e começar a celebrá-la ainda mal…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | O dia da Mãe

Crónica de Alice Vieira    O DIA DA MÃE Alice Vieira   Há um romance inglês muito conhecido, chamado “O Mensageiro”, que começa por uma frase que, se calhar, ainda é mais conhecida (e citada!) do que ele: “O passado é um país estrangeiro: lá, as coisas fazem-se de outra maneira” Apetece-me parafrasear, dizendo: “A Europa é um país estrangeiro: lá as coisas fazem-se de outra maneira” E isto a propósito de mudanças que nos são impostas, vá-se lá saber porquê. O Dia da Mãe, por exemplo. O Dia da…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | A Universidade dos quadradinhos

Crónica de Alice Vieira    A UNIVERSIDADE DOS QUADRADINHOS Alice Vieira   Existe neste nosso mundo uma universidade popular e livre que, à margem dos ensinos oficiais e programados, enche de uma especial sabedoria as mais diversas camadas da população. Não dá diploma, não assegura emprego nem reforma—mas dá ao rosto de quem a possui um halo de beatitude que geralmente só transpira do coração dos iluminados. Para além de, como afirma a minha psicóloga, dar uma grande serenidade a quem está à procura dela. Refiro-me à sabedoria das palavas…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Falando de avós

[sg_popup id=”24045″ event=”onLoad”][/sg_popup] Crónica de Alice Vieira | Falando de avós   FALANDO DE AVÓS Alice Vieira   O Prof. João dos Santos, que morreu em 1987 aos 75 anos, foi dos grandes psicólogos e psiquiatras deste país, um dos fundadores da Sociedade Portuguesa de Psicanálise, —sendo mesmo considerado o criador da Saúde Mental Infantil em Portugal. Com ele e a partir dele, houve uma completa viragem na psiquiatria, houve um novo olhar para os problemas infantis, e as relações com as crianças passaram a ser encaradas de outra forma.…

Ler mais