Crónica de Jorge C Ferreira | A Revolução

  A Revolução por Jorge C Ferreira   O processo revolucionário em curso percorria o seu sinuoso caminho. As reuniões eram intensas. Discussões intermináveis entre baforadas de fumo. Os cigarros sem fim. Barbas e cabelos grandes. As cabeças a explodirem de ideias. Uma ebulição de novidades. A liberdade a ganhar o seu espaço. Os direitos dos trabalhadores a aparecerem. Alguma dignidade. As colagens de cartazes. A propaganda. As palavras de ordem na boca dos poetas e nas paredes de Lisboa. O fim da guerra. As Mães de luto que continuariam…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Que tempos!

  Que tempos! por Jorge C Ferreira   Quando ela apareceu de boina verde foi um estoiro. Todos tínhamos visto o “Bonnie and Clyde”, todos estávamos apaixonados por aquele par de novos bandoleiros. Tínhamos sido seduzidos pelos bandidos. Ela soube iniciar a moda. Romper com o marasmo que pairava no bairro. Abanar as mentes. Tornou-se a mais desejada. O atrevimento. Romper as normas. Aquela roupa que lhe definia um corpo que chamava a atenção. Ela sabia que todos a olhavam e desejavam. Continuava a fazer por isso. Eu nunca tive…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | As esquinas da minha cidade

  As esquinas da minha cidade por Jorge C Ferreira   Ancestrais são as esquinas da minha cidade. As esquinas onde tanta coisa se passou. As esquinas das conversas da minha vida. Horas e horas de estórias por escrever. Só homens e cigarros. Vozes que ecoavam no silêncio que a noite escrevia. Por vezes a lua. Por vezes até frio. Um fumo branco a soltar-se das falas. Tudo começava quando a noite já ia alta e já tinha fechado o restaurante onde tínhamos ceado.  Primeiro as luzes fechavam e abriam…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | As festas

  As festas por Jorge C Ferreira   Tanta festa. Tanta data marcada. Tantos eventos para acelerar o consumismo. Já não posso ouvir falar das vacinas e condicionar isso ao Natal. Se falamos de eleições e calendários eleitorais lá vem o Natal. Este Natal já é pagão. Já se esqueceu o presépio e o menino jesus. É mais uma festarola. Foram muitos anos com o Natal em minha casa. Gente que vinha. Gente que entrava e saía. Duas famílias que se juntavam. Os mais velhos já foram todos. Os mais…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | A minha Cidade

  A minha Cidade por Jorge C Ferreira   Errar pelas ruas da minha cidade. A minha cidade grande. A cidade onde nasci. Parido de parto natural numa rua da freguesia de S. Jorge de Arroios. O primeiro choro dado num quarto de um quinto andar de um prédio inesquecível. As dores da minha Mãe. A habilidade da parteira. As lágrimas da minha Avó. Errar pelas ruas da minha vida. Uma romagem que parece um passeio de despedida. Os sapatos a entortarem-se nos passeios. A calçada portuguesa. Os passeios e…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Artistas

  Artistas por Jorge C Ferreira   Ter vontade de fazer algo de novo. Ser criativo. Ser artista. Pintor, escultor, artesão, poeta, escritor, actor, bailarino, cantor, músico, malabarista, funambulista, trapezista, palhaço, contador de histórias e demais ofícios que nos fazem sonhar. Não esquecendo todos os que, mesmo na sombra, fazem as coisas acontecer. Gente anónima. Gente que ouve nos bastidores os aplausos a que têm direito. Todos são operários dos seus ofícios. Todos se debatem com as suas dúvidas e angústias. Todos vivem dramas e crises de ansiedade. Todos amam…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Ser pai

  Ser pai por Jorge C Ferreira   Vinte sete anos e alguma inocência. Apesar de trabalhar desde os quinze anos. Um primeiro casamento. Uma experiência de vida. Uma casa só nossa. Uma casa de bonecas viria a chamá-la o meu filho. Uma terra na linha do Estoril. Os comboios a passarem e a vida a crescer. A guarda da passagem de nível, a sua casa e a sua bandeirinha. O mar e o seu ruído. Descer a rua e ir vê-lo. Um filho esse júbilo coberto de medo. O…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Nunca estive em Belize

  Nunca estive em Belize por Jorge C Ferreira   Corria o ano de 1992. O mês seria fevereiro ou março. Saímos da Parede. Morávamos num pequeno apartamento perto da estação. Apanhar o comboio era rápido. Fomos nós e as malas. A verdadeira partida para a grande viagem estava prevista para a meia-noite no Cais do Sodré. Estava tudo assim combinado e assim se cumpriu. Chegámos e pouco depois o Alfa Romeo do J.J. apareceu. Com ele outro J.J.. Arrumámos a tralha levávamos roupa de inverno e verão. O Alfa…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Um banqueiro fugiu

  Um banqueiro fugiu por Jorge C Ferreira   Meu abraço acabado. Minha dor sem sentido. Minha fuga sem razão. Um vulcão que se zanga. Uma ilha que sucumbe. Cones cospem fogo. Há uma nuvem que viaja pelo mundo. Uma lava que me namora. Uma terra que arde. As casas que desaparecem. As ilhas que eu amo e as outras. As ilhas dos milhões. Os milhões de pobres. Os ricos que nunca morrem enfartados. Uma foca assassinada à paulada por caçadores furtivos. Um banqueiro fugiu. O cume da montanha. Uma…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Peralvilhos

  Peralvilhos por Jorge C Ferreira   Estou farto dessa gente nova que nasce velha. Estou farto dos que disso fazem alarde para se promoverem. São os falsos velhos. Os que tentam, através de uma aparência bem pensada e uma estratégia estudada, fazer os outros pensar que têm vida e sapiência de um velho que percorreu a vida e o mundo. Apresentam-se de ar circunspecto como se tivessem todo o conhecimento em si. Apelidam-se de muitas coisas e omitem os fracassos. (Aliás, já os esqueceram…) Não me lembro…não me lembro…não…

Ler mais