Crónica de Jorge C Ferreira | O início e o fim

O início e o fimpor Jorge C Ferreira   Poeira. Luz. Uma planta a despontar. Uma letra, uma palavra, um verso, um poema. Este início de tudo. Estas palavras inventadas. Um homem e uma mulher e a vida inteira por viver. Uma cabana e a vontade de nascer. Um mar e uma onda que nasceu muito longe. A areia e o aprender a desenhar com uma cana ou a folha de uma palmeira que se debruça sobre o mar. Os sonhos que encantaram o homem e a mulher quando aprenderam…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Que semana

Que semanapor Jorge C Ferreira   É o covid. É um vento que se levanta. É um frio que nos congela. São lágrimas que choramos sem saber porquê. Há uma mulher de setenta anos que sai do coma induzido em que estava há mais de mês e meio. É uma luta que jurou continuar e vencer. Ouve bravos, incentivos e algumas palmas. Vê lágrimas nos olhos de quem ajudou a salvá-la. E dos que julgavam tê-la perdido. Não sabe onde esteve este tempo todo. Nos olhos dela uma vontade infinita.…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Os Reis

Os Reispor Jorge C Ferreira   Uma das vezes que estive em Omã decidi-me a trazer mirra. A Isabel, para não ficar atrás, comprou incenso. Faltava o ouro. Como ainda íamos ao Dubai pensámos, se tiver de ser, será ali. Sim, havia, e há, muito ouro no Dubai mas, digo-vos eu, está muito caro. Chegámos a Lisboa feitos Reis Magos coxos. Só incenso e mirra. Do ouro nem o cheiro. Não conhecemos tais reis. Afinal podiam nem ser reis. Dizem que eram astrónomos-astrólogos que seguiram uma estrela. Uma história bonita…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Feliz 2021

Feliz 2021por Jorge C Ferreira   Quando estou a escrever este texto ainda o calendário não enterrou este ano malvado. Um ano em que carregámos o mundo às costas. Lembrei-me de outros flagelos por os quais os meus Avós passaram. Nunca contaram muito sobre isso. A comunicação era outra. O meu Avô tinha 18 anos e a minha Avó 16, quando tudo começou. A mim tocou acontecer-me aos 71 anos e à Isabel aos 68. Este risco de ser grupo de risco. Este tempo tão fora do tempo. Quando era…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Carta a Jesus

Carta a Jesuspor Jorge C Ferreira   Caro Jesus, Tem calma, não te vou pedir nada. Eu sei que já não tenho idade para essas coisas. E tu já não deves ter capacidade para me satisfazer qualquer pedido. Talvez ganhe umas peúgas, vamos ver. Desculpa, estava a mentir, já me deram um livro antes da data. Um livro do Barack Obama, chama-se: “Uma Terra Prometida”. Uma oferta de um afilhado. Profético este título, não achas? Talvez receba mais umas coisas, vamos ver. Pois é Jesus, eles agora já ligam pouco…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Desaguo numa imensa sombra

Desaguo numa imensa sombrapor Jorge C Ferreira   Escrever um livro, foi coisa que adiei sempre. Mais de dezasseis anos. (Tenho testemunhas). Achava que só valia a pena escrever se acrescentasse alguma coisa. Esta premissa, que é correcta, tem, no entanto, um erro de base. Só quem lê o livro pode ajuizar de tal facto. Um livro depois de pronto e depois de entregue aos leitores nessa sessão a que se chama lançamento e eu teimo em chamar entrega, é deles. Cada leitor faz a sua leitura e toma conta…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Morrer aos 27

Morrer aos 27por Jorge C Ferreira   Os vícios. Os desvios e os desvarios. A porta fechada. A cabeça à roda. Um périplo por todas as experiências. O gostar de tudo ou o não gostar de nada. A fada madrinha a dar maus conselhos. Os olhos a ficarem desorbitados. Um flash e uma sensação de estar num estado sublime. Pensar que é sempre assim e depois cair num caldeirão incendiado de um vermelho vivo. Uma guitarra e um solo único. Os dentes a morderem o aço das cordas. Uma vontade…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Pensar

Pensarpor Jorge C Ferreira   É fascinante, mas não é fácil, a opção de quem faz do Pensar vida. Por cada coisa que se acha, muitas outras aparecem prontas a serem namoradas. É uma outra dimensão de estar no mundo, de o ver. Uma busca constante. Um cansaço que nunca chega. Ter a mente ocupada é uma terapia única para se sentir vivo. Tentar encaixar as peças do imenso puzzle que somos. Arriscar, escrever e fazer frente ao pensamento dominante. Fazer do discurso conversa, lição. Saber ouvir. Eduardo Lourenço partiu,…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | O Apagão

O Apagãopor Jorge C Ferreira   Certa será a noite em que todas as estrelas se irão apagar. Em que alguém irá desligar um botão desconhecido que encerrará a electricidade. O dia em que a escuridão será total. Uma noite inteira e sem sentido e eu sem fósforos para acender uma vela. O apagão nunca visto. Todos os “gadgets” sem utilidade. Escrever às escuras. Molhar o bico do lápis com a língua e escrever molhado num caderno de capa dura. Esperar por tudo e não saber de nada. Um velho…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Este enfado

Este enfadopor Jorge C Ferreira   Andam os ponteiros parados do meu relógio muito antigo. Dois castiçais seguram velas cansadas de não arder. A “Soror Mariana” do Gil Teixeira Lopes, tem o mecanismo cerebral em pausa. Um penico de loiça muito antiga faz-me lembrar outro tempo. Um tempo em que, a mim, parecia parado. Tanto era o tempo que tinha para inventar coisas e fazer as chamadas travessuras. Vêm-me à memória as miúdas bonitas que passavam à minha porta e as vampes, sedutoras criaturas que deviam usar Lux. Deixavam um…

Ler mais