Crónica de Jorge C Ferreira | Vidas em comum

Vidas em comum por Jorge C Ferreira   Quando as tuas veias invadiram o meu corpo. Quando os nossos corpos se tornaram dependentes. Uma estranha situação. A simbiose perfeita. Um saboroso bem-estar. Corpos separados e tão juntos. Os corações a baterem em uníssono. Percebemos, então, que somos dependentes um do outro. A vida a não ter sentido sozinha. Fica como se fosse um livro sem páginas. Um livro de não ler. Pressentimos e vivemos tudo em conjunto. Sabemos o que o outro sofre e dividimos o sofrimento. Há quem diga…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Deolinda e o Lobo Azul

Deolinda e o Lobo Azul por Jorge C Ferreira   Lembram-se do lobo inundado de azul que nasceu na última crónica? Para quem não leu vou relembrar: “Consta que no cimo da montanha nasceu um lobo inundado de azul. Terá nascido com novas aptidões? Que nasceu numa noite especial ninguém duvida. Que isso o acompanhará durante a vida também não. Como será o seu primeiro uivo à lua que impulsionou o seu nascimento? Que sentirá naquela sua iniciação? Espero que seja um uivo de agradecimento e de um azul muito…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Noites especiais

Noites especiais por Jorge C Ferreira   Especiais são as noites em que a lua se impõe no céu como astro dominante. Trepidantes são os pensamentos. Crescentes os desejos. Límpidos os olhos. O coração aberto a tudo. Lunares se tornam os beijos. Muitas bocas ficam coladas para sempre. Ficamos muito pequenos. Somos chamados a ouvir sons inesperados. Há sempre algo que não atingimos. O magnetismo é tremendo. Quando o nosso satélite se passeia imponente e nos atrai como se fôssemos seus escravos. Quando os lobos se põem a uivar, todos…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | No reino

No reino por Jorge C Ferreira   Foram abraços e beijos através das máscaras e ultrapassando receios. Uma outra vida numa outra terra. Os abraços de corpos apertados. As frases entrecortadas. Uma conversa sempre inacabada. Os olhos húmidos de alegria. O mar a gastar-se na areia. Bênçãos enviadas por santas afogadas em alto mar. Santas proas de barcos. Santas pintadas em madeira antiga. A rua, a minha outra rua, já não tem os vasos de verde berrante com as árvores redondas e pequenas. Agora erguem-se no seu lugar palmeiras que…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | A Peste

A Peste por Jorge C Ferreira   As horas mortas. As horas da morte. Os últimos suspiros. O fim que não cansa. Tanta gente a pensar nisto. Tanta gente que já não pensa, espera. Esperar pelo inesperado, pelo sem sentido. Esperar que o sofrimento não seja muito. Uma etiqueta colocada com um cordel no dedo grande do pé direito. A doença sem fim. A passagem de corpo para corpo. Os corpos unidos. As mãos esfregadas com álcool até ao osso. Os ossos sem pele. A pele sem osso. A peste.…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | E viva Portugal

E viva Portugal por Jorge C Ferreira   Não sei que vos diga sobre o futuro, o nosso futuro. Estamos aqui especados nos anos mais antigos. Ouvimos conversas sem sentido. Vemos os tipos que se vão vendendo. Parece que estamos num beco sem saída. Estamos num vai e vem pandémico e com as vacinas à porta de casa. Há um Almirante que manda nestas coisas, de picar e inocular. Cá em casa já tomámos as duas doses da vacina mais discutida. Sobrevivemos até hoje. Amanhã logo se vê. Entretanto vão…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | O acto criativo

O acto criativo por Jorge C Ferreira   Trastes, trapos, papéis rasgados, papéis perdidos e uma vontade imensa de ser inteiro. Uma secretária voltada do avesso, o avesso da saia de uma santa e a pia de água benta vazia. O menino vai a baptizar. O padre, antes de ele entrar na igreja, pergunta em voz alta três vezes: Renegas a Satanás? Renegas a Satanás? Renegas a Satanás? Só depois a entrada no templo é permitida. Mesmo assim, recanto onde está a pia baptismal.  Seguem-se as orações e os rituais.…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | A extrema-direita

A extrema-direita por Jorge C Ferreira   “Sou velha e a extrema-direita não gosta de velhos, sou artista e eles não querem cultura, e não sou branca, sou latino-americana”. Tudo isto foi dito por Betty Faria e vinha no Jornal Público (Revista ípsilon) de 11 de Junho de 2021, com uma entrevista à senhora que foi a nossa Tieta, nos fez sonhar, que foi e continua a ser nossa diva, e que agora faz oitenta gloriosos anos. Tudo isto e uma fotografia belíssima a preto e branco, onde está patente…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Os Ingleses

Os Ingleses por Jorge C Ferreira   A treta da mais antiga aliança. Estou habituado a ouvir isto desde as primeiras horas da madrugada que me lembro de ser. Sua majestade de mala no braço. Era muito miúdo e ela já rainha. Fui vê-la num desfile que metia coches na Avenida da Liberdade, liberdade que nessa altura não existia, corria o ano de 1957 e eu tinha 8 anos. Fui com o meu primo e, nesse dia, conheci a namorada dele. Fui o primeiro lá de casa a conhecê-la. Acho…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Um Rio

Um Rio por Jorge C Ferreira   Não saber de nada. Estar a pescar à beira-rio. Um peixe que morde o isco, a excitação. A preparação para não perder a presa. Um azar faz com que o peixe se solte e fique com o anzol. O carreto a não querer funcionar. “Uma desgraça nunca vem só.” Grita um palavrão e atira o boné ao solo. A pescaria tinha terminado por hoje. Nem um peixe. Só sobrou o isco que não serviu para nada. Volta para casa cabisbaixo. Um balde vazio.…

Ler mais