Crónica de Jorge C Ferreira | Uma oliveira na Azinhaga

  Uma oliveira na Azinhaga por Jorge C Ferreira   Uma oliveira na Azinhaga. Uma árvore ou um sinal? Uma casa térrea. O analfabetismo num país sem rumo. Os velhos sempre sábios. As letras a aparecerem da terra e das pedras. O campo e o seu duro trabalhar. Aprender a ver a vida desde pequeno. A injustiça sentida em cada acto da força bruta. Saramago, planta herbácea, planta que dá flor. Coisa de crescer e se fazer ver. Saramago nome que foi dado a alguém que não sabia qual ia…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | O Meu Nome É Gal

  O Meu Nome É Gal por Jorge C Ferreira   “O Meu Nome É Gal”. Foste Índia. Foste a voz da canção para Gabriela. Gabriela a que Sónia Braga deu corpo e lascívia. Sónia mulher desejo e que, neste país, foi idolatrada. Foste essa “Força Estranha” que nos inebriou. Foste uma das vozes dessa maravilhosa turma da Bahia. Com Caetano, Bethânia e Gil ajudaste a modificar a música que nos fez sonhar. O Tropicalismo. Esse movimento que nos entusiasmou. Movimento que englobou a música, as artes plásticas, o cinema…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Os ensinamentos dos mais velhos

  Os ensinamentos dos mais velhos por Jorge C Ferreira   O que vemos acontecer. A vida difícil de quem trabalha. Saber e lembrar factos muito antigos. Os ensinamentos dos mais velhos. Aprender a ouvir, a saber ouvir. Ir armazenando experiência. A vida que começa antes do tempo. O tempo que não se compadece com as dificuldades das pessoas. Os livros escondidos no chão do sótão. Um livro importante no meio de tão poucos livros. O colega do meu Avô que foi preso porque recebia dinheiro dos camaradas de trabalho…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Os acomodados

  Os acomodados por Jorge C Ferreira   Há quem se acomode. Quem arranje um lugarzinho. Quem se vá calando, falando. E, no entanto, tanta coisa para falar a sério. Tanta coisa para reclamar. E tanta gente calada. Fico arrepiado ao lembrar-me de quem, antigamente, dizia: a minha política é o trabalho. Gente que sabia que a polícia levava presos os seus vizinhos. Está um Major General a falar neste momento na televisão e já disse pertinente um ror de vezes. Fala-se de mísseis e contra mísseis. Da guerra e…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Esperar

  Esperar por Jorge C Ferreira   São tantas as vezes que desembrulhamos a vida e um sem fim de medos nos vem com pele agarrada. O pânico tão difícil de controlar. O pensar que não somos capazes de ultrapassar o próximo desafio. As rotações da mente em ritmo acelerado. O corpo cada vez mais inerte. Um sofá-cama que cheira a desastre. Uma vida que sabe ao fim de tudo. A ajuda que tanto necessitamos. A mão que queremos ver estendida. Respirar fundo. Ir ao mais profundo de nós. Ganhar…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | A sombra dos lugares

  A sombra dos lugares por Jorge C Ferreira   Nas voltas da vida encontramos sítios que ficam a viver em nós para sempre. São imagens, sombras, rostos, lábios, corpos inteiros que teimam a estar connosco. Uma rua, um rio, um mar, uma ilha, uns seios de mulher e uma criança com fome. Caminhar. Um caminho entre tremendas arribas. Rochedos que parecem querer falar. De repente um tesouro. O nunca esperado. Há quem fique espantado. Há quem ache que é pouco para tão grande caminho. Há montes que se mostram…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Sobre o silêncio

  Sobre o silêncio por Jorge C Ferreira   Entrar no espaço do teu silêncio. Tua vida. Teu voto. Teu encantamento. Teu modo de ser e viver. Tua euforia calada. Uma rajada de vento e um mar que se mergulha em si mesmo. Silêncio que não cansa. Silêncio que liberta. Uma festa de paz. Apenas a música que a natureza nos oferece. Uma oferenda onde nasce e cresce um modo diferente de felicidade. A alegre entrega. O mistério que cresce. Passei a viver nesse espaço. Os pinheiros e um animal…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Coisas da vida

  Coisas da vida por Jorge C Ferreira   Há memórias que são manhãs iluminadas. Vertigens numa escarpa de vencer os medos. Lençóis brancos de um toque único. Estranhos quartos sempre fechados à chave. Pouco sabemos porque nos aparecem estes iluminados flashes. Essas manhãs em que, extasiados, nos oferecemos para o mais belo sacrifício. Somos a oferenda que não se quer agradecida. Naquela Ara deixamos parte da nossa vida. Assim nos damos a outra maneira de viver. Somos sempre a vontade de renascer ao início de cada dia. Creio que…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Joaquim Pessoa o Poeta dos amores

  Joaquim Pessoa o Poeta dos amores por Jorge C Ferreira   Este é uma memória guardada há muito tempo e que decidi agora partilhar. Não a podia guardar mais. Uma tarde bonita que quero partilhar convosco. A Poesia é um mistério, muitas letras escondidas numa arca antiga que se vão juntando. A Poesia tem templos onde o belo se celebra. Templos guardados por deusas, feiticeiras, alquimistas e gente que se diz que levita. As palavras dos poemas vestem sonhos e enigmas. São tintas de todas as cores. Falar com…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | O que não fiz

  O que não fiz por Jorge C Ferreira   Já vos contei tanto da minha vida que já devem estar cansados de mim. Já era tempo de vos contar o que nunca fiz. As coisas com que sonhei e nunca vieram a acontecer. Aquelas falhas em que a engrenagem da vida é fértil. Muitas vezes somos atropelados pelo que nos dizem que é correcto. Outras falta-nos a coragem para mudar de vida. Sempre pensei, quando era novo, em ir viver para fora deste país amordaçado. Mas a família… Diziam:…

Ler mais