Crónica de Jorge C Ferreira | Natal

  Natal por Jorge C Ferreira   Estou a escrever este texto e ainda não sei como vai ser o Natal. Não sei sequer se ele vai acontecer. Esta minha triste sina de nunca saber nada sobre o futuro. Por isso não vos vou perguntar como foi o vosso Natal. Seria um contrassenso. Isto de escrever quase uma semana antes de publicar tem destas coisas. Correm-se riscos. Gosto de viver assim. Tive uma amiga que se dizia vidente encartada. Na rua era uma rapariga normal. Não voava. Nem deitava estrelas…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | O que vemos

  O que vemos por Jorge C Ferreira   Sobram-me noites nestes dias inquietos. Um dormir agitado e apressado. Assim andamos quase todos entre notícias que gritam crimes, violências, pandemias e banqueiros presos e por prender. Entretanto a festança dos nababos continua. Um foragido foi preso longe do país e lá apareceu o homem com um pijama de uma companhia aérea. Uma oferta para quem viaja no luxo de uma boa transportadora aérea. O homem também não deixa nada para trás. Ou será que tudo se agarra a ele? Não…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Os Muros

  Os Muros por Jorge C Ferreira   Tinha caído o muro de Berlim no dia anterior. Recebo em casa um telefonema de um grande Amigo: «querem ir passar uma semana a Berlim? Só pagam o voo.» A resposta foi imediata: claro que sim! Dois dias depois estávamos a voar para Berlim. Nos passaportes ainda vistos para a entrada na antiga RDA. Aterrámos em Berlim Oriental num voo da TAROM. Estarmos onde a história estava a acontecer levava-nos a correr todos os riscos. Foi uma semana de loucura. Os amigos…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | A Revolução

  A Revolução por Jorge C Ferreira   O processo revolucionário em curso percorria o seu sinuoso caminho. As reuniões eram intensas. Discussões intermináveis entre baforadas de fumo. Os cigarros sem fim. Barbas e cabelos grandes. As cabeças a explodirem de ideias. Uma ebulição de novidades. A liberdade a ganhar o seu espaço. Os direitos dos trabalhadores a aparecerem. Alguma dignidade. As colagens de cartazes. A propaganda. As palavras de ordem na boca dos poetas e nas paredes de Lisboa. O fim da guerra. As Mães de luto que continuariam…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Que tempos!

  Que tempos! por Jorge C Ferreira   Quando ela apareceu de boina verde foi um estoiro. Todos tínhamos visto o “Bonnie and Clyde”, todos estávamos apaixonados por aquele par de novos bandoleiros. Tínhamos sido seduzidos pelos bandidos. Ela soube iniciar a moda. Romper com o marasmo que pairava no bairro. Abanar as mentes. Tornou-se a mais desejada. O atrevimento. Romper as normas. Aquela roupa que lhe definia um corpo que chamava a atenção. Ela sabia que todos a olhavam e desejavam. Continuava a fazer por isso. Eu nunca tive…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | As esquinas da minha cidade

  As esquinas da minha cidade por Jorge C Ferreira   Ancestrais são as esquinas da minha cidade. As esquinas onde tanta coisa se passou. As esquinas das conversas da minha vida. Horas e horas de estórias por escrever. Só homens e cigarros. Vozes que ecoavam no silêncio que a noite escrevia. Por vezes a lua. Por vezes até frio. Um fumo branco a soltar-se das falas. Tudo começava quando a noite já ia alta e já tinha fechado o restaurante onde tínhamos ceado.  Primeiro as luzes fechavam e abriam…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | As festas

  As festas por Jorge C Ferreira   Tanta festa. Tanta data marcada. Tantos eventos para acelerar o consumismo. Já não posso ouvir falar das vacinas e condicionar isso ao Natal. Se falamos de eleições e calendários eleitorais lá vem o Natal. Este Natal já é pagão. Já se esqueceu o presépio e o menino jesus. É mais uma festarola. Foram muitos anos com o Natal em minha casa. Gente que vinha. Gente que entrava e saía. Duas famílias que se juntavam. Os mais velhos já foram todos. Os mais…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | A minha Cidade

  A minha Cidade por Jorge C Ferreira   Errar pelas ruas da minha cidade. A minha cidade grande. A cidade onde nasci. Parido de parto natural numa rua da freguesia de S. Jorge de Arroios. O primeiro choro dado num quarto de um quinto andar de um prédio inesquecível. As dores da minha Mãe. A habilidade da parteira. As lágrimas da minha Avó. Errar pelas ruas da minha vida. Uma romagem que parece um passeio de despedida. Os sapatos a entortarem-se nos passeios. A calçada portuguesa. Os passeios e…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Artistas

  Artistas por Jorge C Ferreira   Ter vontade de fazer algo de novo. Ser criativo. Ser artista. Pintor, escultor, artesão, poeta, escritor, actor, bailarino, cantor, músico, malabarista, funambulista, trapezista, palhaço, contador de histórias e demais ofícios que nos fazem sonhar. Não esquecendo todos os que, mesmo na sombra, fazem as coisas acontecer. Gente anónima. Gente que ouve nos bastidores os aplausos a que têm direito. Todos são operários dos seus ofícios. Todos se debatem com as suas dúvidas e angústias. Todos vivem dramas e crises de ansiedade. Todos amam…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Ser pai

  Ser pai por Jorge C Ferreira   Vinte sete anos e alguma inocência. Apesar de trabalhar desde os quinze anos. Um primeiro casamento. Uma experiência de vida. Uma casa só nossa. Uma casa de bonecas viria a chamá-la o meu filho. Uma terra na linha do Estoril. Os comboios a passarem e a vida a crescer. A guarda da passagem de nível, a sua casa e a sua bandeirinha. O mar e o seu ruído. Descer a rua e ir vê-lo. Um filho esse júbilo coberto de medo. O…

Ler mais