Crónica de Alexandre Honrado – O tempo depois da verdade

O tempo depois da verdadePor Alexandre Honrado   Já estudamos, com mais ou menos afinco, a comunicação da era da pós-verdade, numa espécie de submissão, de conformismo face à carga muito pesada dos projéteis que nos derrubam no formato das notícias falsas que pululam quotidianamente. A falta de qualidade e de isenção dos serviços noticiosos e a capacidade de aspergir boatos sobre os crédulos em que  as redes sociais se tornaram, traz essa marca à ribalta da Academia que aos poucos se organiza para ver como pode – ou não…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – O mundo que os economistas antecipam

O mundo que os economistas antecipamPor Alexandre Honrado   Mandam-me como coisa certa e confirmada um longo texto, em 20 pontos, que terá sido publicado no “The Economist”. São 20 ponto que sistematizam uma análise abrangente sobre este duro e massacrado ano de 2021, que ainda agora nem dois meses cumpriu, e que procura sobreviver por entre muita desorientação, medo e morte. Terão sido mais de 50 especialistas, surpreendentemente motivados por visões futuristas do que está por vir neste pobre 2021. Quem é especialista em alguma coisa devia temer a…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Ainda não estou vacinado

Ainda não estou vacinado Por Alexandre Honrado   A chuva não para. As ondas são maiores do que a memória. Somos objetos moles e incapazes. Lama. Muita lama. Não nos preocupamos com a sintaxe, porque não é a ordem das palavras na desordem dos dias o que mais nos preocupa, mas uma insana luta contra o envelhecimento, que leva tantos a correr para as prateleiras dos cosméticos e para as mãos do cirurgião estético, esquecidos do tempo da conjugação do verbo existir, esse verbo que só faz sentido na coabitação,…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Faz tanto frio pelo mundo fora

Faz tanto frio pelo mundo fora Por Alexandre Honrado   A História espera sempre que alguém a escreva. E convém escrevê-la. Reparem como todos as grandes civilizações sem escrita acabaram por desaparecer. A História esconde-se nos seus recantos, labirintos e esquecimentos, fica a pairar por séculos e séculos até que algum golpe de sorte lhe dê a luz do dia. Ou da lanterna. Ou da vela. Ou do degelo como parece ser agora o caso, triste caso que coincide com aquilo que o “grande sábio” Donald Trump – e outros…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Os perdedores

Os perdedores Por Alexandre Honrado   Há em democracia, apenas em democracia, a saudável liberdade de falar, de interpretar, de sentir, agir e pensar livremente e sobretudo de aceitar. É talvez esta última característica, a da aceitação, que empurra a democracia para  as ribas, para a ponta dos penhascos mais perigosos, por estabelecer princípios da tolerância, por perseguir ideais de equidade, por acreditar na justiça (do estado de direito à justiça social), tentando não ser igual aos regimes que a ela se opõem, as ditaduras, chamem-se como chamarem, venham deste…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Perigo!

Perigo! Por Alexandre Honrado   Corremos muitos perigos. Que o fascismo volte, que volte aquele primeiro-ministro que punha na linha das decisões e da conduta as pessoas em último lugar… Corremos o risco de a esquerda fazer os erros do costume e da direita, que é o erro do costume, fazer o que já fez no passado, atirando-nos a todos para a sarjeta. Sabe-se que a direita retém e a esquerda reparte, mas também se sabe que há, dos dois lados, uma cáfila de pulhas. Não se é isento só…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Ainda voto Sampaio da Nóvoa

Ainda voto Sampaio da Nóvoa Por Alexandre Honrado   Há figuras insultuosas. Há pessoas que provocam o asco. Não consigo dizer melhor. É o que me ocorre quando estudo os ditadores, as ditaduras e as suas pequenas réplicas de pacotilha, dessas que proliferam neste pobre e desorientado século XXI. Há candidatos a Presidente da República portuguesa neste momento que simplesmente deviam ser impugnados. Porque desdenham da República, da coisa pública, da alteridade, do coletivo, da solidariedade, da capacidade de ser crítico e de consolidar um sistema que obviamente não sendo…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Quando a democracia conta os seus mortos

Quando a democracia conta os seus mortos Por Alexandre Honrado   Quando a democracia conta os seus mortos é invariavelmente porque cedeu à força bruta das ditaduras, que são, como se sabe, o seu oposto, o seu maior inimigo, o desdém que fica à espreita da oportunidade de as dissolver e substituir. Passa-se o mesmo com os ditadores depostos e com aqueles que foram os seus escolhidos, a sua elite, ou simplesmente os seus benificiários: aguardam na sombra dos seus recalques o tempo de saírem da toca procurando dominar os…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Não sei se me apetece escrever daqui por diante

Não sei se me apetece escrever daqui por diante Por Alexandre Honrado   Não sei se me apetece escrever. Hoje e daqui por diante. Deixei para trás mais palavras escritas ao acaso do que pedras pisados pelo caminho. É tempo de balanço. Ou não? Algures, a muitos anos luz de distância deste nosso planeta, alguma entidade, física, orgânica, imaterial, inorgânica, impalpável, incauta ou movida por estratégias, terá enviado um sinal de rádio para a Terra, sim, há muito tempo, que terá sido registada pelos aparelhos humanos, esses que estão ainda…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Uma pomba branca

Uma pomba branca Por Alexandre Honrado   A pomba era branca, desceu dos céus, por momentos tapou o sol e assim recortada pela luz ganhou uma dimensão inesperada. Creio eu, que sou de crenças muito limitadas, que há muitos e muitos anos, para lá de séculos contados, tenha descido assim uma pomba branca lá do seu voo e encantado de espantos e enormes surpresas um ou mais pares de olhos que a tomaram por enviada da luz e coisa de outro reino, certamente imaterial e forrado de espiritualidade. Terá inspirado…

Ler mais