Crónica de Alexandre Honrado – Falta de chocolate (ou assim)

  Crónica de Alexandre Honrado Falta de chocolate (ou assim)   Não sei se alguma vez eu tivesse estudado se, no passado, me dissessem que na escola a venda e o consumo do chocolate era proibido. Sei que com outras drogas pesadas, a começar pelo sal e enumerando tantas outras igualmente letais e tão queridas pelo sistema capitalista, o chocolate provoca distúrbios de saúde, não tanto pelo cacau mas muito mais pela manteiga e pelo açúcar que fazem parte dos seus aliados assassinos. Mas, do mal o menor, o chocolate…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – O pior vírus que anda por aí

  Crónica de Alexandre Honrado O pior vírus que anda por aí   A política é uma pequena parte da experiência humana. Já alguém escreveu que não é uma ciência exata, mas uma ciência triste. Precisa de apoio, precisa de quem lhe dê crédito e todavia desacredita-se e desequilibra-se sem necessidade de grande empurrão ou contraditório. Cresci a seguir debates políticos, antigamente os líderes eram carismáticos e enchiam ecrãs e colunas de som, mas foi esmorecendo o encanto que eu encontrava nos debates. Cheguei mesmo debater – e o cansaço…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Uma palavra que nunca te direi

  Crónica de Alexandre Honrado Uma palavra que nunca te direi   Apaga-se o sentido crítico. É a atmosfera que dá origem à sensibilidade. Medite-se – verbo que requer disponibilidade – sobre a vídeocracia e a angústia sufocante dos primeiros  anos do século XXI. Desejámo-lo portador de esperanças, utopias messiânicas que nos pareciam devidas depois de o século XX ter matado milhões de seres humanos, destruindo o lado mais afável que as ideologias podiam conter. Regressámos a modelos medievais incultos, populistas e variavelmente fundamentalistas; à revisitação de uma matriz que…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Festas Felizes (para mim)

  Crónica de Alexandre Honrado Festas Felizes (para mim)   Não é por tradição, talvez por nostalgia, dou comigo nesta quadra do ano a refletir. Normalmente fico a contemplar uma fita de luzes coloridas, dessas que fazem de uma árvore natural um encantamento humano. Até nisso há uma tremenda carga cultural, somos pródigos em esconder a natureza com a nossa ânsia de luz. Fico a refletir, dizia, enredado em memórias, exorcizando erros e demónios, dialogando com os entes amados, sobretudo com os que partiram – procurando enfeites de esperança num…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Balouçar até ao último enjoo

  Crónica de Alexandre Honrado Balouçar até ao último enjoo   Um grande balouço. Um balouço enorme. Sobe ao ponto mais alto que o impulso lhe permite e desce tão profundamente que chega a parecer um ponto irrecuperável, desses dos quais não se retorna facilmente. É o balouço da vida tal como a entendo agora. Nada tem limite, e a vida de cada um é como o Cosmos, aparentemente sem princípio nem fim, com tremendos buracos negros e destinos inusitados. E sendo Cosmos é a poeira ínfima de cada um.…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Negacionismo essa forma de nos limitar a liberdade

  Crónica de Alexandre Honrado Negacionismo essa forma de nos limitar a liberdade   Foi uma referência feita por Alexandra Prado Coelho, anunciando que dará a conhecer, no Fugas do Jornal Público, uma história – espero-a com a ânsia que move sempre os curiosos viciados em coisas boas – sobre Salma Al Farouki, que recordei Roger Garaudy. Salma Al Taji Al Farouki é a viúva do filósofo francês, com o qual protagonizou um caminho ativo, por exemplo, para difundir a cultura do al Adalus, sobretudo como marca essencial da paisagem…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – No gume da loucura

  Crónica de Alexandre Honrado No gume da loucura   Discutíamos há poucos dias, em ambiente académico, a relação entre conectividade tecnológica e conexão cultural, estabelecendo-se então a dúvida: afinal a que estamos ligados? Quero partilhar dois textos que escrevi há poucos dias, apenas porque o recurso às citações é sempre redutor, como se o argumento escasseasse. Os textos de reflexão que tenho lido ultimamente são todos iguais. Convergem no tom autofágico, assinados por mais ou menos anónimos corredores dos becos da impotência. São produtos de mentes presas nos elevadores…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – O digital próximo da religião

  Crónica de Alexandre Honrado O digital próximo da religião   Discutíamos há poucos dias, em ambiente académico, a relação entre conectividade tecnológica e conexão cultural, estabelecendo-se então a dúvida: afinal a que estamos ligados? Sem entrar nos domínios da reflexão, sempre motivadora de acalorados argumentos, do que será, afinal, em especial nos nossos dias, uma estrutura de crença e, nessa, que lugar ocupa o religioso no homem contemporâneo, demos com um exemplo que se nos afigura motivador, estimulante e a um mesmo tempo ligado ao tema que nos é…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Agora a sério (está calor e faz um frio de rachar)

  Crónica de Alexandre Honrado Agora a sério (está calor e faz um frio de rachar)   A cimeira COP26. O ponto de encontro das nossas derrotas. O ambiente, o meio ambiente, o planeta agredido. Tínhamos uma casa pródiga. Uma casa comum, que maltratámos. A Natureza, sempre generosa, quer agora o que lhe pertence. Protesta, contesta, avança. Fomos e somos nós quem a provocou. Dói-nos pouco os remorsos. Olhamos à volta e vemos o plástico que, quando chega aos oceanos, mata-nos ainda mais rapidamente. Olhamos de perto e os combustíveis…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Emoções e James Bond

  Crónica de Alexandre Honrado Emoções e James Bond   No meio de uma imensa lixarada impressa, de revistas contorcionistas até livros com best-sellers sem conjugação gramatical, acabo por comprar na zona livre, o velho freeshop de um aeroporto, uma edição para ler entre escalas de voos. Talvez, pensei eu, me faça esquecer o controlador da fronteira – portuguesa e na partida – que me confiscou um frasco, de três que levava com líquidos, evocando a lei. Os outros dois, de plástico, que já tinham contido álcool gel, fora-me devolvidos.…

Ler mais