Crónica de Alexandre Honrado – Movimento ecologia e diversidade

MOVIMENTO ECOLOGIA E DIVERSIDADE   Um grupo de pessoas e eu abeirei-me a elas. Um grupo de pessoas que resolveu conjugar vozes em torno de uma ideia. E como as ideias não devem ser estáticas, para não correrem o risco de se tornarem voláteis como ideias líquidas ao sol, passaram a chamar-se movimento. Estamos, todavia, rodeados de movimentos. Muitos não agem, nem mexem, mas o nome exibe-se. O que distingue então este Movimento, para lá da vontade de movimentar-se? O ser um movimento com o nome e o conteúdo urgente…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – A morte de um cavalo

Crónica de Alexandre Honrado – A morte de um cavalo     Morreu um cavalo. É claro que nos títulos da imprensa mais atenta, o cavalo não tem o lugar mais destacado. Outro tipo de apelos sobrepõe-se à vida perdida do pobre animal, arrastado para o sítio errado em hora errada. Noite de terror, momentos dramáticos, mais sangue na arena do que estava previsto e é da tradição. Dois cavaleiros tauromáquicos a receberem assistência, mais um novilheiro, que “sofreu uma aparatosa voltareta”, outros, até espetadores no recinto que querendo emoção…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Eu (Envenenado)

Crónica de Alexandre Honrado – Envenenado   Há uma diferença enorme, com um lugar vazio de premeio, entre a emoção e o sentimento. Há também na relação de escalas uma diminuição registada entre a capacidade que temos de gerir, interpretar, comunicar emoção e o sentimento, que nutrimos, que sentimos que partilhamos, ou não, porque se paga caro a indiferença e o desgaste da habituação. Não sentimos o que sentíamos, há uma dúzia de anos atrás, porque nos desabituámos do sentir e assim a dor, o amor, a morte, o altruísmo,…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Estamos desarmados

Recordo muitas vezes a frase de Gilles Deleuze: “não é caso para temer ou esperar, mas sim procurar novas armas”. Recordo-a aceitando que essas armas, aludidas em contexto certo, não são as do foguetório dos Trump e dos Bolsonaro, aceitando todavia que os povos não devem andar armados – embora devam pegar em armas em nome da insurreição pela justiça que merecem-, nem são também as armas do Irão e dos enriquecimentos (do urânio e da conta bancária), nem dos fundamentalistas que prolongam na fraqueza e no derramamento de sangue…

Ler mais

Alexandre Honrado – Sébastien Bohler e o nosso cérebro

  Alexandre Honrado | Sébastien Bohler e o nosso cérebro   Já repeti muitas vezes (e em tantos contextos) que numa linha conservadora de interpretação da cultura, a  que mais amiúde produzimos e reproduzimos e onde alicerçamos os nossos universos, em especial brandindo aquilo que queremos impor aos outros só porque nos consideramos detentores de algum valor que aos outros possa interessar, o que é uma estupidez sem cura, já disse e repito que encontrar alguém capaz de pensar“ fora da caixa” produz em mim um efeito encantatório, um prazer…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado | Imagens que ardem

Crónica de Alexandre Honrado – Imagens que ardem   Ouvi há dias a uma garota um raciocínio simples e angustiante que ela, todavia, mostrava com grande segurança e convicção: “fui àquela entrevista de emprego, fizeram-me umas perguntas, escrevi um texto, e consegui o lugar. O que eu disse foi a gaguejar, o meu texto era péssimo, nunca tive jeito para escrever nada, mas ia linda, muito bem maquilhada, e eles deram valor à imagem”. Nos imensos patamares de valoração dos mais diversos universos culturais, a imagem conta hoje com uma…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Michel Serres

Crónica de Alexandre Honrado – Michel Serres   No meu passado extremista e inquieto, cheio de asneiras e impulsos, não cabia Michel Serres. Estavam lá outros, é certo, mais aguerridos, mais intervenientes, mais engajados, daqueles que desferiam pensamentos que assobiavam como flechas. Faziam dobrar as ideias políticas, riam-se dos descalabros económicos, enquadravam o social, desmitificavam o género, o sexo, o sucesso, eram cultura de manhã à noite. Não era importante para quem estava à minha volta que eu me munisse deste ou daquele, que preferisse os mais violentos, que formasse…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – A Democracia a Moribundar-se

Se por estes dias escrevêssemos o obituário da democracia portuguesa andaria próximo de um exercício de um assassínio póstumo de reputação. Então, os legítimos democratas sairiam maltratados, os que por ele se revestem de peles de cordeiro de um regime que os acoita, sairiam mal vistos, os que aprenderam na pele e na prática que a Democracia é o último reduto da celebração humana, ficariam arredados do epitáfio. E todos os que deram a vida, a saúde, a alma para que nós pudéssemos ser mais do que eles sem os…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Reflexão antes das eleições

À beira da escolha de alguns, poucos e sem grande relevo, deputados portugueses para lidarem com as decisões que os grandes grupos políticos e sobretudo os económicos europeus irão impor aos países da União Europeia no novo quadro do Parlamento eleito por estes dias, cumpro o meu tempo de reflexão e aguardo com sábia impaciência os novos tempos que, temo, irão transformar a Europa, provavelmente, retirando-lhe força e oferecendo-a a radicais e a populistas insanos que não amam o chão que pisam e desdenham os seres com que se cruzam…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Há tanta Ideia Por Pensar (parte 7)

HÁ TANTA IDEIA POR PENSAR Uma pequena homenagem a Vergílio Ferreira     Não são as religiões –  é a política que conduz os homens aos seus embates mais ferozes. Mas é a imoral dos preconceitos que distingue os homens racionais dos que agem irracionalmente. Um dia todos nos libertaremos. É uma utopia saudável, pensá-lo. Pensar é uma utopia saudável. Deixaremos então a farsa antiga da mitologia e da revelação, pelo que podemos vir a ser juntos e em inter-relação. Pensar há de ser isso. Deus não está morto. Pode…

Ler mais