Crónica de Jorge C Ferreira | Esta Geração

Crónica de Jorge C Ferreira   Esta Geração Somos netos dos que se salvaram da pneumónica e da primeira guerra mundial. As trincheiras e a vida de ratos. A doença ingrata e fatal. A vida difícil. As revoltas da primeira república e Sidónio a quem chamaram de presidente rei. Os colchões de palha. Os divãs. Somos filhos de outros tantos martírios. Trouxemos nos genes a guerra maior. As atrocidades. A destruição. Os racionamentos. As bichas para a fome. Dizem que somos filhos do baby-boom. Estou a falar da rapaziada da…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Confinados

Crónica de Jorge C Ferreira   Confinados Aqui estamos confinados. Uma casa antiga, um quarto refúgio. Catorze degraus e um pátio. Três ânforas velhas. Uma fonte que não deita água, mas que, pela noite, se ilumina com candeeiros de carregamento solar. Três cactos que crescem de forma desarvorada num pequeno canteiro. Cadeiras, uma mesa e um churrasco que nunca utilizei. Os gatos passeiam pelos muros numa liberdade que me inveja. Descansam em equilíbrio instável. E fintam o arame farpado de forma ágil. Depois vão-se embora nunca sei para onde. O…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Estado de Emergência

Crónica de Jorge C Ferreira Estado de Emergência Estou a escrever-vos do rés do chão de um prédio em Parede-Cascais. Estou perto de uma janela grande de madeira que dá para um pequeno pátio. Estou eu e a minha companheira de muitos anos. Vamos bebendo o café de cafeteira de que gostamos, vamos falando e tentando manter-nos informados. Já não vemos o neto há alguns dias. Matamos saudades pelas ferramentas que ainda temos disponíveis para nos vermos e falar. Um filho no Alentejo e a filha que nos deixa as…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Cercados

Crónica de Jorge C Ferreira Cercados Estamos a ficar cercados. Estamos no meio da confusão. A Jangada de Pedra do Saramago não passou de uma utopia, de uma vontade, dum sinal de iberismo. A crise adensa-se. Os aeroportos estão a ficar vazios. As praças onde não se podia entrar, tal era a quantidade de turistas, parecem sítios desabitados. Para onde ir? Pois é, isto agora é global. Quantos refúgios nos restam? Eu, que sempre tive uma vontade secreta de ser eremita, estou tentado a procurar um sítio. Um Refúgio. Refúgio…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | A Justiça

Crónica de Jorge C Ferreira A Justiça A confiança na justiça a ruir. Um pilar importante da democracia a ser posta em causa. Juízes, advogados, oficiais de justiça, magistrados do ministério público, agentes da polícia, tudo sob suspeita. O descrédito da justiça é muito perigoso. A justiça é um dos poderes da democracia. A democracia também fica mais fraca. Os populismos estão atentos. Qualquer rombo no navio democrático é aproveitado por esta gente. Compete às instâncias superiores e que se querem independentes, estancar esta degeneração dos poderes instalados. Quando a…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | O Medo

Crónica de Jorge C Ferreira O Medo Quando vejo na televisão um “travelling” por aquelas ruas vazias das cidades. Um homem a atravessar uma rua estreita tentando passar despercebido. Cidades fantasmas. Gente perdida. Quando nos mostram as prateleiras dos supermercados vazias. Quando uma fila de gente ordenada, passa à nossa frente, de máscaras e luvas. Estamos perante quê? A mim vêm-me à memória filmes de ficção científica que sempre tomámos como tal. Estamos prestes a chegar à pandemia do medo? Depois de instalado é de esperar o pior. Há os…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | A vontade que não se cumpriu

Crónica de Jorge C Ferreira A vontade que não se cumpriu A vontade que não se cumpriu. As espadas por terra. As areias que derrotaram uma vontade. Os gibões e as armaduras como ganho de batalha. Os prisioneiros, descalços, vestes rasgadas, hirsutos. Prisioneiros que iriam ser beatificados. As outras armas que desapareceram e apareceram num golpe de embriaguez. Os poderes de quem não pode. A vontade de complicar. Mais uma assinatura, mais um carimbo. O chefe do chefezinho. Um café na hora certa. O pedido e a volta do papel.…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | As vidas abandonadas

Crónica de Jorge C Ferreira As vidas abandonadas   As vidas abandonadas. As ruas sem ninguém. Ruas de bairros onde, antigamente, se passeava a pobreza. Uma tasca, agora entaipada, umas cartas sujas de tanto usadas e as mesas de pedra. Um lápis na orelha e um papel com borrifos de vinho do lote onde se marcavam os resultados da jogatana. Mais uma rodada, pago eu. O vinho do ditador. O tal que dizia: “Beber vinho é dar de comer a um milhão de portugueses.” Os copos grossos. Copos de dois…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Uma casa na floresta

Crónica de Jorge C Ferreira Uma casa na floresta Há alguém maior que a vida que vive numa dimensão difícil de atingir. Uma dimensão em que acontece o mistério de nos sublimarmos. Há uma amarga doçura que embala os sentidos, que embala o viver e a comunicação com os outros. É, mais ou menos, como estarmos sós numa floresta e sermos visitados por lobos que nos lambem em tons de azul. Ganhando assim anticorpos contra a malvadez. Uma floresta vestida de magia. Um embaraço de caminhos.  Uma árvore mãe onde…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | “Uma Parede de Vidro”

“Uma Parede de Vidro” As lágrimas derramadas numa noite de solidão. Um vidro de onde se parte para o Mundo. O Mar a derrubar as barreiras que lhe querem impor. Um barco que parte para destino incerto. Flores raras que cantam serenas baladas. Uma montanha escrita a negro num quadro branco. Uma nuvem mais agreste. O pronúncio do temporal. Corri estrada acima em busca do pingo maior de chuva. Nem uma aberta. A estrada é uma corrente de água contra quem luto. As galochas e o fato de oleado a…

Ler mais