Crónica de Jorge C Ferreira | Cansaços e Beldades

Crónica de Jorge C Ferreira | Cansaços e Beldades   Cansaços e Beldades  Correm leves as mulheres para o fim do mundo das águas por descobrir. Tempos repetidos em histórias nunca filmadas. Só quem viu aqueles corpos nus, esbeltos, o pode contar. Os homens sentados e entregues ao seu pasmo, não acreditavam no que viam. Que liberdade tão bela. Que corpos tão ansiosos. O amor por acontecer. Ele deita-se no divã e deixa-se ir. Fala sem parar. Apenas algumas pequenas interrupções da mulher que o ouve. Diz o que queria…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Estórias da História

Crónica de Jorge C Ferreira | Estórias da História   Estórias da História Tanta estória contada. Tanta estória vivida. Tantos ecos ouvidos. Tanta fanfarronice. As estórias da história. A história que é lenda. A história para fazer heróis. O túmulo do soldado desconhecido. Milhares de viúvas. Velas e orações. Umas botas rotas, uma espingarda sem balas, umas pedras de outro mar. Um caixão vazio. As peregrinações, as promessas, as lágrimas de dor. Um coração oco. Uma pedra no lugar do músculo. Os que não conseguem verter uma lágrima. As batalhas mal…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Abriu a caça

Crónica de Jorge C Ferreira | Abriu a caça   Abriu a caça Os restos de nada. Os farrapos, os fiapos, os trapos. Um ermo sem fim. Um caminho sem destino. O pó e o transe. A ressaca, o cansaço, o corpo que treme. O fim da linha. Um corpo que não se vê ao espelho há anos. O ar hirsuto. As marcas que tenta esconder. As cicatrizes, as infecções, a quase putrefacção. Um destino sem destino. Entretanto abriu a caça. A caça ao voto. Os jantares, as bandeiras, os…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Um Tempo Suspenso

Crónica de Jorge C Ferreira | Um Tempo Suspenso   Um Tempo Suspenso A mágoa. A dor que parece uma brisa permanente. A marca. O ferrete. O não conseguir compreender. O não ser capaz de esquecer. Os enigmas. O saber cada vez menos. O pensamento contínuo. O círculo vicioso. A arte da prestidigitação. O truque que sabemos que é batota, mas a que vamos assistindo. O tudo que habita o nada. Conseguir ir vivendo. A metade da cama fria. As paredes invisíveis. Os muros que ainda não foram derrubados. Um…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Tempos inquietos

Crónica de Jorge C Ferreira | Tempos inquietos   Tempos inquietos Insinuante. Um olhar que trespassa muros e paredes. Um caudal de sedução. Uma mulher que podia ser uma estátua de um escultor de beldades. Tudo perfeito no que os nossos olhos vêem. As pernas cruzadas e enroladas uma na outra. Uma boquilha enorme. Um cigarro. Uma explosão de fumo. Tudo naquela sala é estudado ao mínimo pormenor. Tudo é de um tempo em que o belo se mostrava no mais pequeno detalhe. Um tempo em que o tempo passava…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Saber Ver

Crónica de Jorge C Ferreira | Saber Ver   Saber ver. Aprender a contemplar. Imaginar a vida para lá do que vemos. Como se chega aqui? Como vamos lidar com toda esta informação? Saber que se tem um amor do outro lado do mundo e não saber o lugar, a morada. Ter toda a vida por escrever. O destempo. O desespero. Chegar ao inimaginável lugar e abrir os braços ao novo vento. Sítios que não vêm nos mapas, nem nos globos com lâmpadas que iluminam as terras e os mares.…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Travessas, travessuras, travesseiros e travessões

Travessas, travessuras, travesseiros e travessões As travessas do cabelo. As travessas que a minha avó Ana e minha tia/avó Emília não dispensavam. O tempo dos carrapitos e dos cabelos enormes das mulheres desse tempo. Mulheres sábias e resistentes. As gestoras eficazes das curtas férias. As travessas de loiça que apareciam quando os tachos não iam para a mesa. O sabor e o cheiro daquelas comidas tão belas de quentes. Comidas feitas pelas mãos da ternura. Nos dias da travessa a comida parecia ter um sabor diferente. Tantas travessas em enxovais…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | O ódio, a inveja

O ódio, a inveja   O Ódio. Essa nódoa imensa que, por vezes, atinge as pessoas. O ódio que faz mal a quem o anda a ruminar. O ódio que desgasta mais quem odeia do que quem é odiado. O ódio, a doença que necessita de tratamento. Tratamento urgente. Tratamento que necessita de continuidade em virtude das recidivas. Muito ódio é sublimado a partir da inveja. Nesta terra de invejosos a coisa abunda. A inveja que deprime. Rasga o corpo por dentro. Uma infinita danação. Ter inveja do reconhecimento feito…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | O Jerricã

O Jerricã Olha o Jerricã da moda. Há para todos os gostos. Há no chinês e dizem que até na Av. da Liberdade nas lojas de luxo. Tudo de jerricã na mão. O País do jerricã. A depressão, a intoxicação, o malvado do gasóleo. As tristes octanas. Um Massacre. Uma autêntica violência sobre as mentes incapazes de reagir. As televisões a marcar o ritmo. Os repórteres, estagiários, espalhados pelas bombas de gasolina. Tudo nos cai em cima. Até o jerricã já está farto. O garrafão já não é de tinto,…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Sentimento de Posse

Sentimento de Posse Possuir. Ter. O sentimento de posse. A quase loucura. O sentir o outro como seu. A negação do amor. A inversão dos sentimentos. Um “click” e passa-se do que se julga amor ao ódio. O triste sentimento de propriedade. Isto é meu – a frase fatal. Não és minha/meu não és de mais ninguém – a frase letal. A primeira estalada. O falso arrependimento. O pedido de desculpa. A cama como falsa reconciliação. O perdão sem razão. O erro tantas vezes repetido. As marcas. Ocultar a vergonha.…

Ler mais