Crónica de Jorge C Ferreira | Este enfado

Este enfadopor Jorge C Ferreira   Andam os ponteiros parados do meu relógio muito antigo. Dois castiçais seguram velas cansadas de não arder. A “Soror Mariana” do Gil Teixeira Lopes, tem o mecanismo cerebral em pausa. Um penico de loiça muito antiga faz-me lembrar outro tempo. Um tempo em que, a mim, parecia parado. Tanto era o tempo que tinha para inventar coisas e fazer as chamadas travessuras. Vêm-me à memória as miúdas bonitas que passavam à minha porta e as vampes, sedutoras criaturas que deviam usar Lux. Deixavam um…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Estado de Emergência II

Estado de Emergência IIpor Jorge C Ferreira   Ninguém sabe de ninguém. Um vazio que nos enche os sentidos. Nem um ruído. O absoluto silêncio. Não, não moro num bunker. Moro num “modesto rés do chão” sem vista para o mar. De novo o Estado de Emergência. De novo a dura mão. Que fizemos mal? Algo se passou que quem devia ver não se apercebeu. Quem não preveniu esta nova vaga? Não quero arranjar culpados. Só pretendo contribuir para as soluções. Nunca infringi qualquer regra. Eu sei que há quem…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Cartas

Cartaspor Jorge C Ferreira   São memórias muito antigas a roerem-me o corpo. Coisas de antanho. Coisas escritas em papel de linhas. Cartas que iam chegando. Postais muito antigos. Os selos e o cuspo. Fluidos de gente transportada em envelopes. Por vezes descobríamos sentimentos. Alegrias e tragédias. Uma vez falei com uma amiga para recomeçarmos a enviar cartas escritas à mão. Começarmos uma rede social à moda antiga. Tudo escrito à mão e entregue pelo carteiro. O cão a ladrar. As cartas proibidas que iam para a casa de uma…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Pensar

Pensarpor Jorge C Ferreira   Não lhe preguntem os porquês. Sabe que gosta dele embora nunca o tenha visto. Acredita que ele existe. Acredita que todos temos uma alma gémea, um coração que bate como o nosso, um corpo que sofre e exulta ao mesmo tempo que o dela. Chega a atingir orgasmos que nunca pensou ter. Assim vive sozinha acreditando que alguém a acompanha. Uma eterna companhia. São estes casos que me aguçam a vontade de pensar. Podem ser apenas elucubrações de gente que vive a sua vida num…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Confusão

“Confusão”por Jorge C Ferreira   Adensa-se a discussão. As teorias da conspiração pululam. Os populistas também. A insegurança de alguns governantes e a loucura de outros, faz-nos pensar e repensar. Falam dos velhos, das pessoas da minha idade, como se a nossa morte fosse uma coisa normal. Aparecem coisas estranhas e modernices mal pensadas. O modo de transmitir às pessoas nem sempre é o melhor. Estamos numa encruzilhada tramada. Continuam os números e os gráficos. A calamidade de novo. Aparecem manifestações a propósito de tudo e de nada. Posições contraditórias…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Os sabores e os cheiros

Os sabores e os cheirospor Jorge C Ferreira   Saborosos são os corpos de quem chega dos países dos cheiros especiais. Um sabor que se mastiga com pós muito antigos. Um colorido que nos encanta o coração. Um comboio que mastiga ferro. Os fatos engomados de alguns senhores. Muita gente descalça. A primeira, a segunda, a terceira classe e o tejadilho. O fumo e as fagulhas. Um som estridente. O fogueiro, o maquinista e o factor. Os passageiros e os animais. Uma viagem sem fim. Muitas lágrimas apaixonadas. Um sari…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Cansaço

Cansaçopor Jorge C Ferreira   Há corpos virados do avesso, muita ansiedade pelos corredores, muitos fatos desconfortáveis. Uma agonia que vai alastrando. O último vómito que não chega. Uma espera que não se sente. A plena inconsciência induzida. As portas do desconhecido prestes a abrirem-se. Uma noite de uma claridade única. Como são compridos os corredores! Vou sozinho à feira que está fechada. Tento andar clandestinamente no comboio fantasma e na montanha russa. A casa da bruxa está fechada. A Dora já se esqueceu de tudo e reformou-se. Nem uma…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | O Sonho e a Vida

O sonho e a vidapor Jorge C Ferreira   Nunca esquecer o nosso trajecto. O caminho que trilhámos. De onde viemos e onde chegámos. Estar sempre a aprender quem somos. Corpo e mente. A sóbria vontade de não existir. Sermos invisíveis ao mundo. Sentir o sabor das coisas e aprender os mais incríveis cheiros. Saber dos outros povos e tratá-los como irmãos. É de braço dado que temos mais força. Nunca renegar nada do que fomos e de onde nascemos. Sermos inteiros e irmos deitando coisas fora. Uma maneira de…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Tempos que não me largam

Tempos que não me largampor Jorge C Ferreira   Um vai e vem pandémico que nos deteriora o pensar. O pensar que é tão importante para compreender. As respostas que variam consoante as fronteiras. As fronteiras sem sentido. Muros virtuais. Linhas mal traçadas. Mais poder para uns quantos. Cheguei um dia a este mundo e fui parido com dor. O sofrimento da minha Mãe e eu quase asfixiado. Sobrevivemos os dois para nossa alegria. A parteira cortou-me aquele mágico cordão e fiquei à guarda de quem me carregou, pariu e…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | Encontros Felizes

Encontros Felizespor Jorge C Ferreira   Passava das cinco e meia da tarde. Hora em que o Sol começa a inundar a minha esplanada. Há um reflexo imenso numa superfície vidrada de um prédio. Um clarão. Foi um dia de mensagens trocadas com a saudade. Um dia em que fui aparar a barba e o meu neto cortar o cabelo. Uma ansiedade que crescia com o passar das horas. A máscara. Sempre as máscaras e os desinfectantes. Que tempo! Seis da tarde e recebo uma mensagem: “Salimos de Lisboa.” Respondo:…

Ler mais