Crónica de Alice Vieira | Só porque hoje me lembrei dele

Só porque hoje me lembrei delePor Alice Vieira   Há datas que festejo sempre. Mesmo quando as pessoas já cá não estão, mesmo se as festejo só para mim. O Ruy Belo é uma dessas pessoas. Faria 88 anos no final deste mês. E penso quase todos os dias nele, sobretudo agora, que tem morrido tanta gente… Não só por ter sido o meu primeiro namorado, mas pelo muito que aprendi com ele até ao fim da sua curtíssima vida (morreu com 45 anos) Conheci-o em 1961, quando ambos entrámos…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Quando eles nos deixam

Quando eles nos deixamPor Alice Vieira   Entro na sala, e é como se tudo faltasse só porque ele falta. Ainda por cima em confinamento tudo custa mais. Desde anteontem que ando para aqui sem saber o que fazer, abro janelas, olho lá para fora, fecho janelas, sento-me no sofá, olho em redor, como se isso chegasse para o fazer voltar. Foi a primeira vez que passou a noite fora. E sem aviso. Ligo às amigas, na tentativa de um consolo, para isso é que se inventaram as amigas. Riem-se…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Uma família feliz

Uma família felizPor Alice Vieira   O Sr. João Tavares é taxista. Apanhei-o aqui perto de casa e, antes que eu pudesse dizer fosse o que fosse, pergunta-me “Conhece o Costa?” Estava eu a pensar em quantos Costas conhecia e já ele continuava: “Preciso de lhe falar” Foi então que percebi que ele se referia ao Primeiro Ministro. Já tenho dito muitas vezes que o que me custa mais no confinamento é não poder beijar e abraçar os meus filhos e os meus netos. Mas logo, logo a seguir é…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | O salvador da pátria

O salvador da pátriaPor Alice Vieira   O Sr. João Tavares é taxista. Apanhei-o aqui perto de casa e, antes que eu pudesse dizer fosse o que fosse, pergunta-me “Conhece o Costa?” Estava eu a pensar em quantos Costas conhecia e já ele continuava: “Preciso de lhe falar” Foi então que percebi que ele se referia ao Primeiro Ministro. Vai contando a sua vidinha, diz já ter feito de tudo , desde pertencer à Marinha Mercante que, segundo afirma, lhe está a dever milhares de euros, até andar pelas Américas.…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | A santa da família

A santa da famíliaPor Alice Vieira   Toda a família sabia que a tia Mafalda era santa. De resto, tinha tudo para ser santa: era muito feia, muito boazinha, e muito infeliz, porque o tio César lhe dava tareias de meia-noite. A tia Mafalda vivia numa rua muito feia de um bairro muito velho, num prédio de escadas de madeira a cheirar a gatos e peixe frito, numa casa com um grande corredor, muitos quartos sem janelas, e com um estranho perfume a incenso. Íamos muito pouco a casa da…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Falando de hinos

Falando de hinosPor Alice Vieira   Sou perita em hinos. Isto porque o tio que me criou , assim  que chegava um dia especial—com direito a hino–passava a tarde para lá e para cá no grande corredor da casa , a cantar. Para ele havia sempre três hinos que nunca falhavam: o hino da Restauração (1 Dezembro), a Portuguesa (dia 5 de Outubro), e o Hino da Maria da Fonte  (27 de Março) E era vê-lo, ateu empedernido, aos berros no corredor no dia 1 de Dezembro “O Deus de…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Onde estão os russos?

Onde estão os russos?Por Alice Vieira   Com estas decisões de confinamentos, e recolher obrigatório, os noctívagos, coitados, devem sofrer muito. Os que viviam de noite, entre os jantares até às tantas, os bares, as discotecas, os cafés, os encontros de amigos– devem mesmo sentir-se muito mal. E mesmo se ainda podem ir a um restaurante para jantar, têm de olhar constantemente para o relógio, para saírem antes das onze, a dar tempo de chegarem a casa. Tenho a sorte de nunca ter sido noctívaga. Se calhar porque tinha sempre…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Chalés na serra

Chalés na serraPor Alice Vieira   Estas últimas medidas do governo não são fáceis de seguir, eu sei ,mas a culpa não é do governo, a culpa é nossa. A culpa é de quem não cumpre o que é obrigatório Ao lado de minha casa há uma clínica de animais. Pois quando eu saio de casa, cá fora está um magote de gente, ombro com ombro, muitos sem máscara, ou com a máscara no queixo, o que há-de servir de muito. Eu tenho de atravessar a rua para o outro…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Chalés na serra

Chalés na serraPor Alice Vieira   Eu sei que a Serra da Estrela não fica bem, bem aqui ao lado, mas acho que é um assunto que interessa a todos. Imaginem que, nestes tempos de crise em que todos se queixam—e com razão– de que o comércio vai mal, o Algarve não tem ninguém, etc, etc—leio no “Expresso” que este verão para a Serra da Estrela foi muito bom, com taxas de ocupação elevadas e que, segundo os hoteleiros afirmam, ” o inverno, se a neve ajudar, também o será.”…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Jornais e tecnologias

Jornais e tecnologiasPor Alice Vieira   De repente fiquei sem computador—e estava a ver que não podia mandar a crónica esta semana O vírus deve ter entrado no meu computador e o desgraçado, durante três dias, nem uma nem duas. Recorro ao meu técnico (o meu salvador nestas ocasiões), ele dá-lhe voltas e mais voltas, depois mete-o debaixo do braço e leva-o para casa para o arranjar. Trouxe-o três dias depois, mas ainda não está completamente bem :  amanhã  volta cá para mudar o teclado. Mas por agora funciona. E…

Ler mais