Crónica de Alice Vieira | Lojas de outros tempos

Lojas de outros tempos Alice Vieira   Lembro-me de mim , pela mão das minhas tias, a entrar na loja. Sempre a mesma. A Casa Frazão, na Rua Augusta, em Lisboa. Sentavam-me em cima do balcão enquanto elas ficavam horas infindas a ver amostras, a discutir cores, a analisar a textura do tecido. E eu gostava de ali estar. Havia um estranho cheiro a rosas e bafio, que nunca mais encontrei em lado nenhum. Às vezes as tias punham-me no chão e vinha um senhor com um pau (“o metro”,…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Família é sempre família

Família é sempre família Alice Vieira   Há muito tempo que queriam encontrar-se, mas era sempre complicado arranjar data que conviesse a todos. Mas este ano, um deles dissera “aproveitamos o mês de Abril, festejamos a Páscoa, agora é que é”. E finalmente os cinco casais de irmãos, irmãs, cunhados e cunhadas, pela primeira vez em 30 anos, iam ter um mês de férias em conjunto. Era o sonho de uma vida inteira. Brasis e o Paris das emigrâncias tinham-nos afastado—e agora, já todos finalmente reformados, queriam pôr a vida…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | A Herança de Alice

A Herança de Alice Alice Vieira   Durante muitos anos detestei chamar-me Alice. Alice era herança de uma avó que nunca conheci, mas que sempre ouvi dizer não ser boa de assoar. De resto, basta olhar para a única fotografia que dela me ficou para acreditar no que me diziam. E nem a terrível alternativa de me poderem ter dado o nome de Gertrudes, a outra avó, me fazia aceitar melhor o meu destino onomástico. Porque naquele tempo ninguém se chamava Alice. E nada pior que ser Alice num tempo…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Paixão à chuva

Paixão à chuva Alice Vieira   Toda a gente sabe que, em alturas de temporal, as coisas tomam sempre outras proporções. Neste momento acabei de fechar todas as portas e janelas, sobretudo estas aqui da sala onde vejo televisão. Acontece que estas minhas janelas dão para o telhado do prédio. E raramente me lembro de que elas existem,  porque o telhado de um prédio de sete andares não é propriamente um sítio onde as pessoas passeiem. Por isso há bocado, estava eu a re-ver e a re-ouvir as maravilhas do…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Amor Virtual

Amor Virtual Alice Vieira   Computadores, smartphones, a net em geral dominam cada vez mais a nossa vida. E o jeito que nos fazem. Já se ama e se desama através da net. Rápido, eficaz e indolor. Em vez de chorarmos no ombro do homem que nos deixou implorando-lhe que volte, clicamos para o Youtube, escolhemos uma cantiga daquelas que o vão põr—esperamos…-de rastos, carregamos no “share”, e a vingança está feita, e não pensamos mais no assunto. Há cantigas apropriadas para todas as ocasiões (para os que nos deixaram,…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | A felicidade das doenças

A felicidade das doenças Alice Vieira   Os autocarros são o ponto de encontro de todas as mulheres doentes de Lisboa. Mesmo que anteriormente vendam saúde, chegam ali e zás!, ele é o reumático, ele é o fígado ,ele são os rins,  ele são as insónias, ele é o coração, ele são os nervos, ah, sobretudo os nervos! Não há como uma bela doença (normalmente  acompanhada por uma série de análises “que nunca dão nada, dizem eles, mas eu é que me sinto”) para estabelecer uma onda de solidariedade entre…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Coração de manteiga

Coração de manteiga Alice Vieira   Não sei se há caras normais, não sei sequer o que é uma cara normal, mas ele tinha uma cara normal. Lembro-me de ter pensado isso quando olhei para ele depois de tudo –muito calmo, como se nada se tivesse passado. A sala de espera de um  consultório  é aquele estranho lugar onde geralmente ficamos em dia com as desgraças, amores e desamores de gente certamente muito importante porque as suas fotografias enchem páginas e páginas das revistas, mas de quem nunca ouvimos falar.…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Desconhecido nesta morada

Desconhecido nesta morada Alice Vieira   Tenho a sorte de morar num bairro de gente. Quer dizer : num bairro de prédios normais e não de torres gigantescas, num bairro onde as pessoas ainda se conhecem e ainda vivem, não se limitando a sair de manhã cedo e a voltar ao fim do dia. No meu bairro—apesar de já muita loja ter fechado ou mudado de ramo…– ainda existem vizinhos. Muitas vezes as mais velhas estão à janela, e ali ficamos a conversar. (Há dias, eu a passar debaixo da…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | A propósito de orquídeas…

A propósito de orquídeas… Alice Vieira   Com tanta gritaria que vai por aí—estava ou não estava nas “Raríssimas”, roubaram ou não roubaram, pagaram ao fisco ou baldaram-se (agora até o Cristiano Ronaldo entrou na dança) ,a IURD que faz e acontece , e os furacões Ana e Bruno a atacarem sem piedade —eu hoje decidi fechar para férias. Isto é: decidi impermeabilizar ouvidos e olhos a todo o arraial que vai lá por fora, e ficar a olhar para as minhas orquídeas. Qual Nero Wolf de S.Sebastião da Pedreira.…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Ídolos…

Ídolos… Alice Vieira   Na semana passada, em Paris, deram-se os primeiros (e parece que  sólidos) passos para a criação do Instituto da Lusofonia. Com o patrocínio dos presidentes da República de França e de Portugal, da CPLP, da Unesco, da OIF (Organization Internationale de la Francophonie), e do GAFF (Groupe des Ambassadeurs Francophones de France). Três dias de conferências, e debates, com a participação de diversos ministros, deputados, escritores, músicos, artistas dos países de língua oficial portuguesa. Bom. Esta é a parte séria da crónica. Agora vem a parte……

Ler mais