Crónica de Alice Vieira | Doutores Por Extenso

  Doutores Por Extenso Por Alice Vieira   Todos os meus amigos sabem que odeio que me tratem por “você” (“você é estrebaria”, sempre me lembro de ouvir isto em miúda.) Uma vez, eu estava num restaurante, o almoço estava a demorar e eu perguntei ao empregado se ainda faltava muito. “O que é que você  pediu?” Então eu chamei-o e disse-lhe “trate-me como quiser, pelo meu nome, por tu—mas não me trate por  você.” Passados uns dias voltei lá–e ele ,“então o que vai ser hoje, minha querida?”  E…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | E lá fomos a votos

  E lá fomos a votos Por Alice Vieira   E pronto, lá se passaram mais estas eleições. Aqui pela Ericeira quase não se deu por isso, a não ser pelos cartazes—e mesmo assim não eram muitos. Adorei aquele que dizia “Vamos libertar Mafra”, com a variante “Liberdade para Mafra” Quando o vi pela primeira vez, até me assustei, palavra de honra! Mafra teria sido invadida e nós não tínhamos dado por nada?  E invadida por quem? Pelos Afegãos—a obrigarem todas as mafrenses a andarem de burka? Por extra-terrestres com…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Quem é que ainda fala português?

  Quem é que ainda fala português? Por Alice Vieira   Aqui há dias li um artigo num jornal, intitulado “Haverá alguém que ainda fale português em Portugal?” Isto até podia ser uma palermice se não fosse, infelizmente, verdadeiro. Anda por aí o pessoal muito preocupado com o acordo ortográfico, ai que horror, agora não se põe “c” nem “p” quando eles não se pronunciam, ai meu Deus, e não se põe acento no ”para”—e depois fecham os olhos (ou até são eles próprios a fazê-lo) aos erros, ao português…

Ler mais

Alice Vieira entrevista neta de Palmira Bastos

  “Para a Mlle. Alice Vassalo Pereira, por gostar tanto de teatro” Uma conversa com a neta de Palmira Bastos por Alice Vieira   Olho para a fotografia, com estas palavras escritas a tinta verde e, de repente, volto à minha infância, quando eu ainda me chamava assim,  princípio dos anos 50,  e ando pela mão do Sr. Acácio pelos bastidores do Teatro Nacional, e entro em todos, os camarins, e falo com todos os actores, e eles acham-me graça e falam comigo e deixam-me andar por ali. Ainda hoje…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | A correr, a correr

  A correr, a correr Por Alice Vieira   Como muito bem sabem os que me conhecem, tenho uma (quase ) obsessão pela pontualidade. O meu marido costumava dizer que eu devia ter tido um antepassado inglês. Se calhar… Lembro-me sempre, estava eu ainda no Diário de Notícias, de estar à espera de alguém que me devia levar  a uma biblioteca de Sines, para um encontro com os miúdos das escolas, que devia começar às 10 da manhã. Claro que às 9.30 já eu estava à porta. E vieram as…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Lembram-se dos Ballet Rose?

  Lembram-se dos Ballet Rose? Por Alice Vieira   Se há programa que eu nunca perco na televisão são as transmissões da Volta a Portugal. Sempre gostei muito de ciclismo, desde os tempos do Alves Barbosa que, para além do mais, era um galã e até foi personagem principal de um filme, “O Homem do Dia”, realizado em 1958 por Henrique Campos. Do elenco faziam parte grandes atores daquele tempo como, por exemplo, Maria Dulce, Costinha, Armando Cortez, Alina Vaz, Mário Pereira, e outros. Foi um grande sucesso, mas  uma…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Lembram-se dos Ballet Rose?

  Lembram-se dos Ballet Rose? Por Alice Vieira   Em Dezembro de 1967 rebentou em Lisboa um dos maiores escândalos do tempo da ditadura, que ficou  conhecido por “Ballet Rose”. Em 1997 a RTP exibiu uma grande série sobre esse assunto, com realização de Leonel Vieira, a RTP-Memória exibiu-a em 2016, e este mês novamente. Revejo-a sempre. Aquela história de membros do governo, da alta finança, aristocratas, clero, metidos num sórdido caso de pedofilia e de prostituição de menores entre os 8 e os 12 anos.  Uma rusga da polícia…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Expressões com história

  Expressões com história Por Alice Vieira   Às vezes, sabe-se lá porquê, ouvimos expressões engraçadas, mas se perguntamos o seu significado, a pessoa que as diz ri-se e raramente sabe. E, no entanto nada se diz por acaso. Há dias, estava eu na esplanada da praia do sul aqui na Ericeira, a deliciar-me com o nevoeiro que nem deixava ver o mar, quando na minha frente passou uma jovem carregadíssima de embrulhos. Sorri-lhe e ela exclamou: “Pareço o preto da Casa Africana não é?” Continuou a andar mas virou-se…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Julgar pelas aparências

Julgar pelas aparências Por Alice Vieira   Um dos meus defeitos — que eu procuro destruir mas ainda não consegui, embora já esteja bem melhor…– é julgar as pessoas pela sua aparência. Ontem vinha na rua com uma amiga e passou por nós um rapaz magrito, esfarrapado, olhos no chão e eu disse-lhe que ele devia estar à procura de emprego e de certeza que ainda não tinha arranjado. Ela riu-se: ”arranjar emprego? Ele e a irmã são donos daquela farmácia, ali no cimo da rua!” Fiquei envergonhada, claro, mas…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Nascer no Santo António

Nascer no Santo António Por Alice Vieira   Quando chega o mês de Junho, o meu amigo Alberto conta sempre a mesma história. Eu já não a posso ouvir, a Teresa (filha dele) muito menos– mas lá temos de fazer de conta que a ouvimos pela primeira vez e que a achamos de rir  às lágrimas Tem a ver com o nascimento da Teresa, que só era esperada em Julho, mas foi sempre uma miúda muito apressada. Quando chegou a noite de Santo António, o Alberto  ainda tentou levar a…

Ler mais