Crónica de Alice Vieira | Ora então parece que andamos a brincar

Ora então parece que andamos a brincarPor Alice Vieira   Ora então parece que andamos a brincar. Pode haver grupos de 20 pessoas—e vamos logo fazer festarolas com mil. Temos de guardar distância entre nós—vamos todos bailar e andar aos abraços. O vírus afecta toda a gente –ora, são só os velhotes. Aqui perto de onde eu moro, em Lisboa, há uma rua com muitos restaurantes e esplanadas—e é vê-los à noite, aos magotes, copo na mão—e, evidentemente, sem máscara. E assim tivemos de regredir, de não poder fazer aquilo…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Confinar ou desconfinar…

Confinar ou desconfinar…Por Alice Vieira   E cá andamos, mais ou menos desconfinados, mais ou menos mascarados, mais ou menos alcoolizados (eu sempre disse que o álcool curava tudo, mas as pessoas riam-se…) Adapto-me bem a esta nova vida. Leio por aí que os remédios  que as farmácias mais vendem actualmente são anti-depressivos e ansiolíticos Acontece que eu andava a tratar-me com uma psiquiatra antes da pandemia, por causa de uma depressão. Angústias, um sufoco no peito, tinha de sair de casa às seis da tarde porque não suportava estar…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | O silêncio da leitura

O silêncio da leitura por Alice Vieira   Todos nós temos uma tendência  para falar preferencialmente daquilo que está mal. Claro que se deve falar dessas coisas, claro que se deve chamar a atenção para aquilo que está errado—mas quantas vezes olhamos para o que está bem…e não dizemos nada? (Mal acomparado, muito mal acomparado, admito, é um pouco o que se passa hoje, toda a gente a repetir vezes sem conta, o número de mortos e infectados sem nunca se lembrarem de anunciar o número de curados…  Adiante )…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Em louvor dos correios

Em louvor dos correiosPor Alice Vieira   Ora cá estamos, confinadas. Uma amiga minha diz “confitadas” porque, segundo ela, ao menos assim parece que estamos num banquete a comer coisas boas. E nestes últimos dias, para além de confinadas por causa do vírus, ainda estamos confinadas por causa da chuva. Mas como agora, muito resguardadas, de máscara e luvas, já podemos dar uma voltinha, tinha tudo preparado para ir deitar uns postais ao correio (muito perto de minha casa). Coisa pouca :58, e ainda não respondi a todos. Como eu…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Onde estavas no 25 de Abril?

Quando me fazem  a inevitável pergunta “onde é que estavas no 25 de Abril?”, eu respondo logo: “no Coliseu, a assistir a uma récita memorável da “Traviata” com o Alfredo Kraus e a Joan Sutherland. “ Eles vieram ao palco agradecer não sei quantas vezes, as pessoas atiravam cravos para a plateia, foi lindo. (Depois disso entrevistei o Alfredo Kraus uma série de vezes, e no final de cada entrevista ele fazia sempre questão de dizer: “não se esqueça de escrever aí que os primeiros cravos da vossa revolução foram…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | O mundo cá dentro

Falava eu na minha última crónica de pessoas de quem eu não sabia nada há anos—e que agora me telefonam. Para já, devo dizer que o meu telemóvel não para. E ontem, num intervalo entre duas chamadas, liga-me um número que não conheço (sim, a minha lista telefónica também tem aumentado a olhos vistos.. ) Do lado de lá um grito de alegria “Alice, és tu? Que bom ouvir-te”…)  Então era um meu colega tipógrafo dos tempos do “Diário de Notícias” (e eu já saí do DN há mais de…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Sejam criativos…

E agora sim, agora estamos obrigatoriamente de quarentena…E lá começam a surgir as anedotas, porque nunca vi como os portugueses para fazerem anedotas de tudo. (“As igrejas estão fechadas, só o Pôncio Pilatos é que pode sair, porque está sempre a lavar as mãos…..”  Aí vai uma para amostra.) Claro que eu até gosto de estar em casa. Na minha infância complicada habituei-me muito a estar sozinha e a arranjar maneira de me entreter. Eu nunca me aborreço, é verdade. Mas, como dizia a Melina Mercouri, gosto muito de estar…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | De quarentena

Crónica de Alice Vieira    DE QUARENTENA Alice Vieira   Meus amigos e directores do “Jornal de Mafra”: Estou-vos imensamente grata porque esta minha crónica é a única coisa que eu tenho para fazer nesta quarentena. Ninguém me mandou estar de quarentena, é verdade, mas eu sou uma pessoa muito cumpridora (e, além disso, pertenço a um grupo de risco) e faço aquilo que é preciso, antes que me mandem. Quando todas as mensagens dizem “Fique em casa”, quando olho para o écran da minha televisão e vejo lá em…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | O cavalo de guerra

Crónica de Alice Vieira    O CAVALO DE GUERRA Alice Vieira Há muitos anos, por esta altura, eu estava em Ypres. Ypres é uma cidade flamenga, martirizada durante as duas guerras mundiais. Na primeira, foi palco de cinco grandes batalhas, entre britânicos e alemães (em que estes, como vingança, lançaram um gás de cloro que, em 10 minutos, matou cinco mil pessoas) Na segunda, foi totalmente destruída. Ypres é um soco no estômago de quem lá vai Porque toda a paisagem de Ypres é feita de cemitérios. Só se avistam…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Que fazemos dos nossos velhos?

Crónica de Alice Vieira    QUE FAZEMOS DOS NOSSOS VELHOS? Alice Vieira Participei na semana passada num congresso da Fundação Francisco Manuel dos Santos sobre envelhecimento. “Nascer para não Morrer” era o tema—e, para além da velhice, também se discutia a baixa natalidade do país. Cada vez há menos crianças, cada vez os velhos vivem mais, cada vez há mais tios do que sobrinhos, cada vez mais as mesas de Natal são preenchidas por pessoas mais velhas. Mas se a baixa natalidade é um problema –onde estará a mão de…

Ler mais