Crónica de Jorge C Ferreira | A Justiça

Crónica de Jorge C Ferreira A Justiça A confiança na justiça a ruir. Um pilar importante da democracia a ser posta em causa. Juízes, advogados, oficiais de justiça, magistrados do ministério público, agentes da polícia, tudo sob suspeita. O descrédito da justiça é muito perigoso. A justiça é um dos poderes da democracia. A democracia também fica mais fraca. Os populismos estão atentos. Qualquer rombo no navio democrático é aproveitado por esta gente. Compete às instâncias superiores e que se querem independentes, estancar esta degeneração dos poderes instalados. Quando a…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | O cavalo de guerra

Crónica de Alice Vieira    O CAVALO DE GUERRA Alice Vieira Há muitos anos, por esta altura, eu estava em Ypres. Ypres é uma cidade flamenga, martirizada durante as duas guerras mundiais. Na primeira, foi palco de cinco grandes batalhas, entre britânicos e alemães (em que estes, como vingança, lançaram um gás de cloro que, em 10 minutos, matou cinco mil pessoas) Na segunda, foi totalmente destruída. Ypres é um soco no estômago de quem lá vai Porque toda a paisagem de Ypres é feita de cemitérios. Só se avistam…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Não adianta comunicar

NÃO ADIANTA COMUNICAR A análise do que se passa à nossa volta é muito menos baseada no que, na realidade, se passa à nossa volta e muito mais na forma como se comunica o que, de modo mais ou menos amplo, se terá passado à nossa volta. Vivemos assim nos complexos criados pela comunicação, comunicação e complexos que podem vir da imprensa que tenta criar uma opinião pública submetida à opinião publicada, mas também gerados pela comunicação empresarial, com a propaganda, a publicidade, a promoção no topo, e finalmente pela…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | O Medo

Crónica de Jorge C Ferreira O Medo Quando vejo na televisão um “travelling” por aquelas ruas vazias das cidades. Um homem a atravessar uma rua estreita tentando passar despercebido. Cidades fantasmas. Gente perdida. Quando nos mostram as prateleiras dos supermercados vazias. Quando uma fila de gente ordenada, passa à nossa frente, de máscaras e luvas. Estamos perante quê? A mim vêm-me à memória filmes de ficção científica que sempre tomámos como tal. Estamos prestes a chegar à pandemia do medo? Depois de instalado é de esperar o pior. Há os…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – O que fazer na minha ilha

Leituras muito variadas – não necessariamente em livros, ou em artigos dos muitos jornalismos ou das emanações académicas -, leituras feitas olhos nos olhos, a maior parte das quais assentes na observação do que somos, do que estamos a deixar de ser e resultantes da mundividência (isto é, do modo de ver o mundo) e sobretudo da mundivivência (em neologismo, o modo de viver o mundo, palavra que nenhum dicionário aceita), levam-me a interrogar as ideias que construí da condição humana, do humanismo, da produção identitária e da evidente dispersão…

Ler mais

Folhetim por Licínia Quitério | “Dona Clotilde” – (4º. Episódio)

Licínia Quitério

Folhetim por Licínia Quitério  “Dona Clotilde” – Capítulo 4º. Na escola, Fatinha só deu alegrias aos Pais. Boa aluna, embora sem grandes brilhos, bem comportada, respeitadora dos senhores professores a quem levava prendinhas pelo Natal e pela Páscoa. Pouco amiga de brincadeiras arrapazadas, quase não sujava as batitas de colarinhos brancos, tesos de goma. Já no liceu, o corpito começou em estremecimentos anunciadores de floração próxima. Dona Clotilde sentiu uma estranha angústia quando a sua menina anunciou que já era senhora, o que significava o despertar confuso da mulher com…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | A vontade que não se cumpriu

Crónica de Jorge C Ferreira A vontade que não se cumpriu A vontade que não se cumpriu. As espadas por terra. As areias que derrotaram uma vontade. Os gibões e as armaduras como ganho de batalha. Os prisioneiros, descalços, vestes rasgadas, hirsutos. Prisioneiros que iriam ser beatificados. As outras armas que desapareceram e apareceram num golpe de embriaguez. Os poderes de quem não pode. A vontade de complicar. Mais uma assinatura, mais um carimbo. O chefe do chefezinho. Um café na hora certa. O pedido e a volta do papel.…

Ler mais

Crónica de Alice Vieira | Que fazemos dos nossos velhos?

Crónica de Alice Vieira    QUE FAZEMOS DOS NOSSOS VELHOS? Alice Vieira Participei na semana passada num congresso da Fundação Francisco Manuel dos Santos sobre envelhecimento. “Nascer para não Morrer” era o tema—e, para além da velhice, também se discutia a baixa natalidade do país. Cada vez há menos crianças, cada vez os velhos vivem mais, cada vez há mais tios do que sobrinhos, cada vez mais as mesas de Natal são preenchidas por pessoas mais velhas. Mas se a baixa natalidade é um problema –onde estará a mão de…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Esqueçam a eutanásia, ainda temos o suicídio

Um dos meus interesses de estudo – ando a tentar reduzi-los a dois, mas não percebo bem como se faz – obriga-me a perder longas horas com o tema cultural (e político) do esquecimento, numa época, a nossa, que tem no topo da lista das doenças o Alzheimer, e, nas notícias mais recentes, uma constatação fácil de assimilar: “[Em Portugal] apesar do decréscimo da população, o número de pessoas com demência irá mais do que duplicar: de 193.516 em 2018 (1,88% da população) para 346.905 em 2050 (3,82% da população)”.…

Ler mais

Crónica de Jorge C Ferreira | As vidas abandonadas

Crónica de Jorge C Ferreira As vidas abandonadas   As vidas abandonadas. As ruas sem ninguém. Ruas de bairros onde, antigamente, se passeava a pobreza. Uma tasca, agora entaipada, umas cartas sujas de tanto usadas e as mesas de pedra. Um lápis na orelha e um papel com borrifos de vinho do lote onde se marcavam os resultados da jogatana. Mais uma rodada, pago eu. O vinho do ditador. O tal que dizia: “Beber vinho é dar de comer a um milhão de portugueses.” Os copos grossos. Copos de dois…

Ler mais