Crónica de Alexandre Honrado – Outra vez a saudade de Lourenço

Crónica de Alexandre Honrado – Outra vez a saudade de Lourenço   Recordo, sem a precisão necessária, a frase de Eduardo Lourenço, creio que no seu “O Labirinto da Saudade”, discurso crítico sobre a imagem que os portugueses somaram de si ao longo dos tempos, que li numa edição de antes de abril de 1974 – porém muitos anos depois,  já eu tinha idade para ler coisas mais adultas (riso). No livro, e tirada de contexto, há uma frase que me ficou, onde Lourenço fala de “uma grande enxurrada de…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Sentir, sentir; sentir sempre

Crónica de Alexandre Honrado – Sentir, sentir; sentir sempre   Só muito recentemente na história do mundo, digo que talvez há perto de 200 anos, o que é uma ninharia tendo em conta da idade do planeta Terra, uma percentagem muito pequena do ser humano aceitou designar o universo dos sentidos por oposição à razão, o que por outras palavras é o mesmo que dizer: passou a aceitar que a estética ocupava lugar nas nossas vidas e tinha uma dinâmica própria e necessária. Os pensadores, de modo geral, vindos da…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Identidade para a diversidade

Crónica de Alexandre Honrado – Identidade para a diversidade   IDENTIDADE PARA A DIVERSIDADE Estou desnorteado     Não sou menos do que os outros, também eu me sinto desnorteado e com um medo intenso do que fazem em meu nome. Podia dar muitos exemplos, mas este é o mais universal: dizem-me que só temos onze anos para começar a inverter a curva de destruição do planeta, mas que são até agora ínfimos os esforços mobilizados para tarefa tão espantosa e tão desmesurado objetivo –  que requer mobilização total e…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – O futuro é agora

Crónica de Alexandre Honrado – O futuro é agora   Estudar cultura permite a porta aberta para quase todos os conteúdos, pois toda a produção humana, mesmo a mais medíocre, é eminentemente cultural e o que na ação humana parece excecional, redutor e lesivo – como o lucro e os mercados, a política como impedimento do progresso cívico, por exemplo – têm uma face cultural onde se refletem feições tão variadas que por vezes não distinguimos máscaras e sentimentos congelados ou esgares de dor, ironia ou impaciência. Estudar cultura, não…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – A paz que me falta

Crónica de Alexandre Honrado – A paz que me falta   Não me apetece escrever. Não me apetece dizer nada. Vejo pela nesga de um olho aquele Trump europeu de cabeleira solta que acaba de ser formalizado como o novo primeiro-ministro inglês. Vejo imagens da criatura. Um comentador das imagens refere que é um sujeitinho que nem a brincar gosta de perder: e vê-se como, derrubando uma criança com brutalidade num jogo aparentemente inofensivo. Falo obviamente do líder do partido Conservador inglês, Boris Johnson já indigitado primeiro-ministro britânico pela Rainha…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Movimento ecologia e diversidade

MOVIMENTO ECOLOGIA E DIVERSIDADE   Um grupo de pessoas e eu abeirei-me a elas. Um grupo de pessoas que resolveu conjugar vozes em torno de uma ideia. E como as ideias não devem ser estáticas, para não correrem o risco de se tornarem voláteis como ideias líquidas ao sol, passaram a chamar-se movimento. Estamos, todavia, rodeados de movimentos. Muitos não agem, nem mexem, mas o nome exibe-se. O que distingue então este Movimento, para lá da vontade de movimentar-se? O ser um movimento com o nome e o conteúdo urgente…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – A morte de um cavalo

Crónica de Alexandre Honrado – A morte de um cavalo     Morreu um cavalo. É claro que nos títulos da imprensa mais atenta, o cavalo não tem o lugar mais destacado. Outro tipo de apelos sobrepõe-se à vida perdida do pobre animal, arrastado para o sítio errado em hora errada. Noite de terror, momentos dramáticos, mais sangue na arena do que estava previsto e é da tradição. Dois cavaleiros tauromáquicos a receberem assistência, mais um novilheiro, que “sofreu uma aparatosa voltareta”, outros, até espetadores no recinto que querendo emoção…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Eu (Envenenado)

Crónica de Alexandre Honrado – Envenenado   Há uma diferença enorme, com um lugar vazio de premeio, entre a emoção e o sentimento. Há também na relação de escalas uma diminuição registada entre a capacidade que temos de gerir, interpretar, comunicar emoção e o sentimento, que nutrimos, que sentimos que partilhamos, ou não, porque se paga caro a indiferença e o desgaste da habituação. Não sentimos o que sentíamos, há uma dúzia de anos atrás, porque nos desabituámos do sentir e assim a dor, o amor, a morte, o altruísmo,…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado – Estamos desarmados

Recordo muitas vezes a frase de Gilles Deleuze: “não é caso para temer ou esperar, mas sim procurar novas armas”. Recordo-a aceitando que essas armas, aludidas em contexto certo, não são as do foguetório dos Trump e dos Bolsonaro, aceitando todavia que os povos não devem andar armados – embora devam pegar em armas em nome da insurreição pela justiça que merecem-, nem são também as armas do Irão e dos enriquecimentos (do urânio e da conta bancária), nem dos fundamentalistas que prolongam na fraqueza e no derramamento de sangue…

Ler mais

Alexandre Honrado – Sébastien Bohler e o nosso cérebro

  Alexandre Honrado | Sébastien Bohler e o nosso cérebro   Já repeti muitas vezes (e em tantos contextos) que numa linha conservadora de interpretação da cultura, a  que mais amiúde produzimos e reproduzimos e onde alicerçamos os nossos universos, em especial brandindo aquilo que queremos impor aos outros só porque nos consideramos detentores de algum valor que aos outros possa interessar, o que é uma estupidez sem cura, já disse e repito que encontrar alguém capaz de pensar“ fora da caixa” produz em mim um efeito encantatório, um prazer…

Ler mais