Crónica de Alice Vieira | Bom Ano!

 

Bom Ano!
Por Alice Vieira

 

Antes de mais, bom Ano!

Quando eram pequenos, os meus netos viveram muitos anos em Inglaterra, mais exactamente na cidade de Leicester

Quando chegou a altura de a minha neta mais velha ir para a escola, o meu filho viu que uma das disciplinas era Religião. Ficou logo de pé atrás — país predominantemente protestante… — e foi à escola ver do que se tratava.

Afinal não era Religião, mas sim História das Religiões. Os miúdos aprendiam tudo sobre as diversas religiões, a escola levava-os a visitar igrejas católicas, protestantes, templos hindus (há uma grande comunidade hindu em Leicester) etc., e discutiam os Evangelhos na aula. Lembro-me de a minha neta ir passear comigo ao parque e dizer-me que só gostava de S.Marcos, porque os outros “parecem que estão sempre a dar ordens, faz isto, não faças aquilo”. O que eu me ri…

E festejava-se com a mesma importância o Natal dos cristãos e o correspondente hindu, o “Diwali”. E uma coisa de que a minha neta se orgulhava muito é que a escola a escolhia sempre para ser ela a anunciar o começo do “Diwali” e todas as actividades desses dois dias.

Às vezes penso se não seria essa uma boa ideia a seguir nas nossas escolas. Os miúdos ficavam com bons conhecimentos — até porque eu acho que (miúdos e graúdos…) se devem contar pelos dedos de uma mão os que lêem a Bíblia… — levava-os a pensar, a discutir nas aulas, e tornava-os, de certeza, melhores pessoas.

Até porque, como eu estou sempre a repetir, eu acho que toda a gente devia ler a Bíblia, crentes ou não crentes. O meu marido foi sempre comunista até ao fim da vida e a primeira prenda que me deu foi uma Bíblia, chamada “A Bíblia — Destinada a Ser Lida Como Literatura”

A partir daí comecei a coleccionar Bíblias. E como todos os meus amigos sabem, já tenho uma grande colecção: “A Bíblia Para Ser Lida Por Crianças”, “A Bíblia em Verso”, etc.  Até tenho uma que comprei numa livraria da cidade americana de Berkley, chamada “A Bíblia — Só as Partes Boas, Sem as Partes Chatas”. E até essa é muito boa porque em relação a certas passagens da Biblia põe em rodapé que filme é que se inspirou naquilo e várias linhas sobre o filme, ou que pintura é que se inspirou e em que museu está, etc…

Eu sei que o Natal já lá vai, mas, por exemplo, no dia de anos dos nossos amigos, uma Bíblia seria uma óptima prenda.

Juro.

Alice Vieira


Alice Vieira
Trabalhou no “Diário de Lisboa”, no“Diário Popular” e “Diário de Notícias”, na revista “Activa” e no “Jornal de Notícias”.
Atualmente colabora com a revista “Audácia”, e com o “Jornal de Mafra”.
Publica também poesia e é considerada uma das mais importantes escritoras portuguesas de literatura infanto-juvenil.

Pode ler (aqui) as restantes crónicas de Alice Vieira


 

Leia também

Comentário