Crónicas de Jorge C Ferreira | A Catalunha

A Catalunha   Ponto prévio: Não sou a favor ou contra a independência da Catalunha, sou a favor do direito de decidir. Sou contra proibições, chantagens e qualquer tipo de violência. Desde que cheguei tenho sido um ouvinte atento. Não só dos palradores de serviço nas televisões, mas dos amigos, da gente da rua, dos que jogam jogos antigos em mesas de pedra. Tenho ouvido muitas vozes e a todas dou ouvidos. Não gosto dos fanáticos, perdem a razão, ferem-me os ouvidos. Gosto da gente civilizada que admite a diferença.…

Ler mais

Crónicas de Jorge C Ferreira | Jogatanas

Jogatanas   Que nunca se calem as vozes que nos alertam para o que se tenta esconder. Muitas verdades varridas para fora do nosso conhecimento. O que não querem que nós saibamos. Só se ouvem as vozes dos donos da coisa. O crime que não magoa fisicamente. Uma carambola num bilhar às três tabelas. As bolas de marfim. O giz azul. O pano verde. O taco. Uma manga de alpaca. A rabeca que nos acrescenta o braço. Um jogo que não queríamos jogar. O marcador a andar. A Mágoa. Uma…

Ler mais

Crónicas de Jorge C Ferreira | Uma Estrela

Uma Estrela   Chegou um dia vinda do mais profundo de um país continente. Não sabemos quantos dias e quantas noites  demorou a chegar, não sabemos se veio numa nau antiga ou na asa de um moderno avião. Também tudo isso pouco  interessa… Chegou, trouxe uma doçura na boca, um sorriso no corpo e uma desembaraçada forma de querer ser. O seu nome começa por “T”. É nova, muito nova. Se fosse minha filha, eu seria um pai tardio. É bonita. Tem um sorriso que encanta. Trabalha. Claro que trabalha!…

Ler mais

Crónicas de Jorge C Ferreira | O Apagão

O Apagão   Um tempo de esquecimento. O esquecermos e o sermos esquecidos. As ruas sem saída. Há quem lhes chame becos. De beco em beco nos vamos passeando. Um passeio sem calçada. Uma ilha abandonada. Uma onda gigante que tudo leva. Um vazio. Um oco pensar. Salvaram-se os que chegaram ao cimo da montanha. Sermos meninos de novo. Brincarmos ao antigamente. Jogos muito antigos. Coisas de paciência. A paciência a faltar. Quadrados, losangos, círculos. Construções de destruir. Desconstruir a realidade. As cores berrantes. As primárias ilusões. Uma festa para…

Ler mais

Crónicas de Jorge C Ferreira | A Finitude

A Finitude   Não sei o que nos ata à vida. Não sei o que nos une às vidas vividas. Somos uma soma de vidas. Somos as experiências que vamos acumulando. Vemos nascer e morrer. Choramos e rimos. Há quem reze e agradeça a um ser que acha divino. Rimos quando ouvimos o choro anunciador da vida. Choramos quando o último suspiro de alguém anuncia a sua partida. Um dia conheci um homem que vivia numa cabana no alto de uma serra alta. Vivia só e, no entanto, nunca tinha…

Ler mais

Crónicas de Jorge C Ferreira | Um sonho de criança

Um sonho de criança   Era uma vez um menino, a quem, como a todos os meninos, um dia, começaram a perguntar: «Que queres ser quando fores grande?» A resposta saía pronta e convicta: «oficial da marinha mercante.» Esse era um menino que tinha um desejo imenso de  navegar, de correr mares e continentes. Um menino que não tirava os olhos do mapa mundo. As contingências da vida obrigaram-no a seguir outros caminhos. Caminhos de ganhar a  vida. Começou a trabalhar com tenra idade. Foi à tropa. Formou família. Teve…

Ler mais

Crónicas de Jorge C Ferreira | As arcas e os baús

21 Ago 2017 | Crónica | Jorge C Ferreira   As arcas e os baús   As arcas e os baús, a mania de guardar coisas. Os papéis e as roupas. As bolas de naftalina e a cânfora. As arcas que são mães de todas as arcas. Os segredos guardados a cadeado com ferragens quase medievais. O cinto de castidade. As arcas de madeira simples, as arcas carunchosas, as arcas de cânfora, as arcas de folha, as arcas de porão, a arca congeladora e a última de todas as arcas,…

Ler mais