Crónica de Alexandre Honrado | Um texto em paz

Alexandre Honrado

Crónica de Alexandre Honrado

Um texto em paz

 

A guerra – um dos tipos de assassinato cometido em nome de Estados – continua a ser prática corrente e recorrente numa civilização enferma, onde o cometimento dos excessos contra a dignidade humana parecem ter mais êxito do que a diplomacia, a proximidade, a solidariedade, a mescla, únicas ações concretas que podem conduzir à sobrevivência do que há de efetivamente humano na Humanidade.

A cultura da morte mantém-se com intensidade, vão oferecer-se às crianças muitas armas neste Natal, muitos jogos onde matar é pontuado e aplaudido, e muitos dos seus pais comprarão para si mesmos o que de mais letal conseguirem, não por se sentirem inseguros, apenas porque são inseguros e incapazes de se tornarem seres melhores para um mundo que lhes deu tudo de melhor e que agora morre às suas mãos.

94287281 244481093365045 3530633129297444864 n

A guerra, entra pelos canais e pelos olhos, e nada já estremece o consumidor comum, que vê pedaços de corpos espalhados pelas ruas e crianças moribundas e continua calmamente a comer a sua refeição promotora de colesterol com glúten quanto baste e excesso de hidratos lesivos que se instalam no coração que já não é o órgão simbólico do amor e da emoção, mas um músculo atrofiado na gordura dos menus quotidianos.

A guerra. Tem muitos rostos, é certo. O daquele velhote (velhice não é estatuto) que sai da reforma e finge, com a sua prosa amargurada, que já nos esquecemos dos seus tempos, que nos encheram de vergonha e despesismo.

A guerra. Dos ácaros que saem debaixo do tapete com medo da limpeza.  Das mentiras que chegam à rua e são recebidas como trajetos de verdade.

A guerra dos assassinos do carácter alheio.

A guerra dos que fingem ter soluções e brandem o ódio, espumam de raiva, vivem à conta daqueles que criticam e traem com um hipócrita e artificial sorriso de desdém afivelado na cara sem vergonha.

A guerra, que é possível pelo desmembramento em que vivemos, cada qual por si e sem o outro – pois era perigoso um povo unido, que sendo forte seria mais feliz.

 

Alexandre Honrado

 


Alexandre Honrado
Escritor, jornalista, guionista, dramaturgo, professor e investigador universitário, dedicando-se sobretudo ao Estudo da Ciência das Religiões e aos Estudos Culturais. Criou na segunda década do século XXI, com um grupo de sete cidadãos preocupados com a defesa dos valores humanistas, o Observatório para a Liberdade Religiosa. Dirige o Núcleo de Investigação Nelson Mandela – Estudos Humanistas para a Paz, integrado na área de Ciência das Religiões da ULHT Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias em Lisboa. É investigador do CLEPUL – Centro de Estudos Lusófonos e Europeus da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e do Gabinete MCCLA Mulheres, Cultura, Ciência, Letras e Artes da CIDH – Cátedra Infante D. Henrique para os Estudos Insulares Atlânticos da Globalização.

Pode ler (aqui) todos os artigos de Alexandre Honrado


 

Leia também