Opinião Política | José Alberto Cardoso [CDU] — Esclarecimento político

JOSE ALBERTO CARDOSO

Opinião Política | José Alberto Cardoso [CDU] — Esclarecimento político

 

Através de um intenso contacto com as populações, a CDU tem sido confrontada com algumas dúvidas e perguntas sobre a situação política.

Hoje escolhemos alguns exemplos com a esperança de esclarecer os temas propostos:

Mas a CDU vai conseguir eleger o seu candidato a primeiro ministro?

As eleições legislativas são para eleger deputados. Como se provou em 2015, o que vai contar é o número de deputados que cada força eleger para a Assembleia da República.

Quem poderá vir a votar na CDU?

Os que votaram na CDU nas últimas eleições e que não têm razões para deixar de o fazer, pois o seu voto foi plenamente respeitado.

Todos aqueles que tencionavam votar CDU, mas que cederam à chantagem e vitimização do PS em 2022 ou se deixaram assustar com o “perigo da direita”, ainda mais errado quando esse partido não dá garantia de combate efectivo à direita.

Todos os que estão indignados porque têm uma vida pior, enquanto vêem os grupos económicos e as multinacionais a acumular lucros e o poder económico a dominar o poder político, alimentando a corrupção.

Todos os que percebem a falta que fazem as propostas, as causas e o projecto transformador da CDU.

Quem combate a corrupção?

Só quem, como a CDU, se bate contra o poder dos grupos económicos e das multinacionais, contra as privatizações, contra a promiscuidade entre o poder económico e o poder político, é que dá garantias de combater a corrupção.

A CDU é constituída por homens e mulheres sérios e honestos, dedicados ao interesse colectivo e sem compromissos com os grandes senhores do dinheiro, como acontece com o PS e os partidos da direita.

Entre muitas outras posições, é bom ter presente que tanto PS como PSD, mas também Chega, IL e PAN, estiveram de acordo e aprovaram na generalidade os projectos-lei do PS e PSD sobre “lobbying” que visam legalizar o tráfico de influências.

Os partidos são todos iguais?

NÃO, não são todos iguais.

Há os que lutam em defesa dos interesses dos trabalhadores e do povo, que estão ao seu lado na defesa do emprego, do direito à saúde, de uma vida melhor, e os que promovem a exploração e injustiças.

Quando predomina a falta de palavra, a mentira ou a corrupção, a CDU é reconhecida como uma força de palavra, de verdade, seriedade e trabalho.

O Chega vai crescer muito e “abana o sistema”?

O objectivo do Chega não é alterar o sistema, mas mantê-lo e agravar as injustiças.

Tal como os restantes partidos de direita, o que o Chega quer é chegar ao poder aproveitando-se da justa indignação das pessoas.

O Chega e a IL nasceram do PSD e do CDS. Foi daí que veio André Ventura, até 2017 candidato e dirigente do PSD, apoiante de Passos Coelho.

O Chega tem duas caras: a falsa, que diz querer combater o “sistema”; e a verdadeira, que representa o pior do sistema.

Basta lembrar que o Chega é financiado por grupos económicos, interesses instalados e obscuros que nele apostam. A sua verdadeira face é a cara dos cortes nos salários e pensões, do fim do Subsídio de Natal que se viveu durante a troika, do ataque ao SNS para defender o negócio da doença.

Quem tem duas caras não pode ser levado a sério. O Chega não diz as verdades, é a mentira permanente.

A CDU é contra as empresas?

Pelo contrário, a CDU é a força que mais defende as micro, pequenas e médias empresas, que são esmagadas pelas grandes empresas que dominam a energia, o sector financeiro e os seguros, as telecomunicações ou a grande distribuição.

O que a CDU não aceita é a sujeição do País aos lucros cada vez maiores dos grupos económicos e das multinacionais, à custa do aperto das famílias e das MPME.

O que dizem as sondagens sobre a CDU?

Há duas coisas que caracterizam as sondagens: uma é que frequentemente não acertam, a outra é que procuram levar os eleitores ao engano, influenciando o seu sentido de voto. Mais do que prever, visam produzir resultados.

Foi o que aconteceu nas últimas legislativas (em que haveria um “empate técnico” entre PS e PSD e o PS acabou por ter uma maioria absoluta) e foi o que aconteceu na Madeira (a CDU ia perder o seu único deputado e afinal aumentou a votação em 50%).

Nós esperamos que os leitores tenham ficado mais esclarecidos e se concordaram com a maior parte das respostas damos os sinceros parabéns, pois temos a certeza que votarão CDU.

As opiniões expressas neste artigo são da responsabilidade exclusiva do autor

Leia também

Deixe um comentário