OPINIÃO POLÍTICA | José Martinez (CDU) – A defesa do ambiente. Das palavras aos actos.

A defesa do ambiente. Das palavras aos actos.

Não vou perder tempo com retóricas sobre o ambiente.

Não sou Papa, não sou Greta, não sou Guterres. Preocupo-me com o mundo global, mas gosto de olhar à minha volta e ver como nos comportamos.

Duas notícias recentes:

— “PAN quer alargar ecotaxa a roupas ou cápsulas de café”

Jornal i de 12/12

“Proteger o ambiente, aumentando o período de vida dos equipamentos”

Abril, Abril 11/12.

 

Dois caminhos para a defesa do ambiente:

Um caminho pelo castigo dos “depredadores” que tomam café, que se vestem… que se vestem com roupas baratas feitas com tecidos baratos não ecológicos, porventura exclusivamente vegetais já que a lã, a tosquia, provoca desconforto aos carneiros e ovelhas.

Mascaremos, com a subida do preço dos produtos com peso nas economias dos cidadãos comuns, provocada por impostos, o financiamento de grandes centros de reciclagem do desperdício integrados em economias “circulares” potenciadoras dos grandes negócios geradores de concentração de capital.

O PAN em grande estilo apenas intervalado com uns vídeos de cãezinhos e/ou gatinhos enternecedores ou chocantes. É o rabo do gato que estava escondido!

O outro caminho, o da defesa dos consumidores, pela exigência de produções de produtos duradouros, com prazos de garantia alargados, com reparação assegurada por redes de pequenos reparadores, com a proibição da “obsolescência programada” poupando gastos excessivos aos consumidores, importações desnecessárias, desperdício de recursos naturais finitos, gerando emprego na manutenção e reparação.

O PCP no seu estilo de defesa do povo e da economia nacional.

Pode ler-se no Projecto de Lei entregue pelo PCP na Assembleia da República

“A indústria comandada sob as regras do modo de produção capitalista não incorpora os avanços científicos capazes de menorizar os seus impactos no globo e na saúde dos seres humanos, mas sim, as descobertas científicas que lhe permitem aumentar o lucro. É, pois, urgente criar normas e regras que sobreponham os valores da saúde, do bem-estar e do equilíbrio entre o Ser Humano e a Natureza à ganância e voracidade dos grandes grupos económicos.”

Duas maneiras diferentes de ver a ecologia:

– Responsabilizam-se os consumidores subtraindo-lhes rendimentos, potenciando novos negócios e fontes de concentração capitalista, estratificando a sociedade, generalizando a pobreza num verdadeiro Malthusianismo de mercado;

Ou

– Actuando sobre a produção e o modo de produzir, assegurando as necessidades do ser humano, respeitando a natureza, reduzindo a poluição aos níveis a que a natureza tem capacidade de regenerarar, garantindo por esta via o futuro da vida na TERRA tal como a conhecemos.

O Projeto de Lei do PCP não é uma revolução, as suas linhas orientadoras podem ser encontradas na “Resolução do Parlamento Europeu, de 4 de Julho de 2017, sobre produtos com uma duração de vida mais longa” mas é uma mudança de paradigma absolutamente necessária.

A escolha é nossa.

 

Mafra, 15 de Dezembro de 2019.

 


Pode ler (aqui) outros artigos de opinião de José Martinez


______________________________________________________________________________________________________

As opiniões expressas nesse e em todos os artigos de opinião são da responsabilidade exclusiva dos seus respectivos autores, não representando a orientação ou as posições do Jornal de Mafra

______________________________________________________________________________________________________

 

Artigos Relacionados

One Thought to “OPINIÃO POLÍTICA | José Martinez (CDU) – A defesa do ambiente. Das palavras aos actos.”

  1. Vitor Mendes

    José Martinez. Dois pequenos exemplos na forma de fazer politica baralhando o cidadão comum, sobre uma perspectiva que, dizem, defender a natureza. Só que os factores que essas forças politicas identificam, têm muito pouco a ver com a realidade concreta, que é preservar a natureza. O problema aqui é outro, e José Martinez com toda a delicadeza deixa claro. A linguagem utilizada por certas forças politicas, esconde os seus fins. Confundir e baralhar.

Comments are closed.