OPINIÃO | Tuberculose continua a ser um dos maiores problemas mundiais de saúde pública

NUNO MARQUES

 

Artigo de opinião de Nuno Marques, diretor do Serviço de Infeciologia do Hospital Garcia de Orta, a propósito do Dia Mundial da Tuberculose que hoje se assinala.

Tuberculose continua a ser um dos maiores problemas mundiais de saúde pública

 

A tuberculose (TB) é uma doença infeciosa que constitui um grave problema mundial de saúde pública. No entanto, esta doença, que se transmite maioritariamente por via aérea, ou seja, pela inalação de gotículas expelidas pela pessoa doente, é potencialmente curável, se for submetida ao tratamento correto, que normalmente é feito através da administração de fármacos. Se não existir nenhum tipo de acompanhamento, cada doente com tuberculose ativa poderá infetar, em média, entre 10 e 15 pessoas por ano, colocando em risco a população com quem contacta. Existem três formas de tuberculose: pulmonar, extrapulmonar e disseminada.

Os casos denunciam-se por sintomas característicos, nomeadamente a tosse arrastada, que se prolonga por mais de três semanas, febre prolongada, expetoração com sangue, dores torácicas, perda de peso e cansaço. Contudo, nem todos os infetados apresentam sintomas.

Verifica-se ainda um risco superior em ser contagiado quando se integra uma população imunodeprimida, como os portadores de VIH/SIDA, que têm uma maior probabilidade de ser infetados pela TB ao longo da vida. Outros exemplos são os doentes oncológicos e candidatos a terapêuticas com agentes biológicos e/ou imunomoduladores, assim como as crianças e idosos.

Para tratar este problema e minimizar a sua propagação é crucial dinamizar o rastreio em conviventes de doentes com TB ativa, assim como proporcionar condições para diagnosticar e tratar tanto a TB ativa como também a TB infeção latente. Para tal, deve ser garantido o livre acesso ao atendimento às suspeitas deste quadro clínico, estabelecendo cuidados hospitalares adequados, em caso de necessidade. Além disso, é crucial potenciar a articulação com os centros de tratamento de referência da tuberculose multirresistente e com os centros de referência para o tratamento de micobacterioses atípicas.

Em Portugal, a maioria dos tratamentos de TB são efetuados em Centros de Diagnóstico Pneumológico (CDP), como é o caso do CDP Almada-Seixal. Se tiver sintomas, não hesite em dirigir-se ao Centro de Saúde ou CDP da sua área de residência. Não só estará a olhar pela sua saúde, como a de quem o rodeia.

Leia também