Unidade de saúde de Mafra – Raio X deverá estar operacional daqui a um mês

Unidade de saúde de Mafra – Raio X deverá estar operacional daqui a um mês

 

A unidade de saúde de Mafra mudou de instalações a 30 de maio, com pompa e circunstância, contando com a presença das habituais autoridades civis e religiosas, de entre elas, a Ministra da Saúde e o Presidente da Câmara de Mafra, duas das entidades que asseguraram o financiamento da obra.

O investimento nesta nova unidade de saúde atingiu os 3 milhões de euros, incluindo os arranjos exteriores, investimento que ficou assim distribuído: 1,1 milhões financiados por fundos comunitários, a ARSLVT (Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo) comparticipou com 665 mil euros, e o município, para além de ceder o terreno, comparticipou com 1,1 milhões de euros.

Por outro lado, confirmando a informação que foi possível obter na altura da inauguração, também divulgada pelo Jornal de Mafra, como também se pode ler  no Diário de Notícias, e nunca desmentida, “A câmara municipal foi responsável pela construção, mediante acordo estabelecido com o Ministério da Saúde”. Esta responsabilidade incluiu, para além do já referido investimento, a escolha da empresa construtora, escolha que recaiu sobre a AECI – Arquitectura Construções e Empreendimentos Imobiliários, S. A., uma empresa sediada no Milharado.

Logo a seguir à sua abertura, a estrutura mostrava algumas deficiências, o serviço telefónico não funcionava convenientemente e alguns consultórios não dispunham de todos os equipamentos necessários.

No entanto, a maior queixa dos utentes tem-se relacionado com a inatividade do aparelho de raios X, dificultando alguns atos clínicos e obrigando os utentes, muitas vezes em situações agudas, a recorrer a entidades externas com serviços de radiologia, embora o novo centro de saúde disponha de moderníssimo aparelho de raios X, novo, a estrear.

Esta situação mantém-se até hoje, desde a abertura do novo centro de saúde.

O Jornal de Mafra contactou então, uma primeira vez, a ARSLVT pedindo esclarecimentos em relação a esta situação, tendo então obtido uma resposta onde se esclarecia que “o aparelho de raios X está operacional. Trata-se de um aparelho de Raios X com nova tecnologia, por essa razão, os técnicos estão em formação entre hoje, dia 5 de junho, e sexta-feira, dia 7 de junho“.

Passado o dia 7 de junho, o serviço de raios X manteve-se inativo, tendo começado a surgir informações não confirmadas, referindo a existência de erros de construção relacionados com a não instalação das necessárias blindagens, destinadas a defender das radiações, o pessoal técnico, médico e administrativo.

O Jornal de Mafra, em função da gravidade de que, a confirmarem-se, estas informações se poderiam revestir, pediu novos esclarecimentos destinados a confirmar ou a desmentir a existência de erros de construção do edifício (estruturais ou de especialidade). Assim, contactámos em simultâneo e com perguntas diferentes, as três entidades envolvidas neste processo – Câmara Municipal de Mafra (responsável pela construção e cofinanciadora), ARSLVT e Direção Executiva do ACES Oeste Sul (estrutura que coordena funcionalmente a área onde se insere o centro de saúde de Mafra).

Aguardamos ainda uma resposta cabal da ARSLVT que se limitou a informar-nos que estava a recolher informação acerca deste caso (tendo em consideração o período eleitoral que vivemos, suspeitamos que só viremos a obter uma resposta substantiva resposta, depois das eleições).

Verificou-se, entretanto, uma situação desagradável, incompreensível e abusiva, uma vez que a Câmara Municipal de Mafra (CMM), não tendo respondido às questões que lhe colocámos, decidiu, sem nosso conhecimento prévio ou autorização, reencaminhar o nosso email para uma outra instituição de sua escolha. Assim, uma vez que terá sido a CMM que terá assumido a responsabilidade das obras, pedimos-lhe entretanto acesso aos documentos relativos à obra, que estejam em poder da câmara de Mafra, não tendo ainda obtido resposta desta entidade. A não obtenção de resposta no prazo legal, obrigará o Jornal de Mafra a pedir acesso coercivo a estes documentos, com recurso à Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos, algo que, infelizmente, não será inédito nas relações entre as duas instituições. A este propósito, anunciamos que a história detalhada da muito difícil relação institucional existente desde sempre, entre a Câmara Municipal de Mafra e o JM, será tema de um Editorial do JM no dia em que faremos 5 anos de existência (13 de Outubro).

O JM contactou também o senhor Diretor Executivo do ACES Oeste Sul, António Martins, que depois de realçar a importância da nova unidade de saúde de Mafra para todos os utentes da sua área de influência, embora reconhecendo a inoperacionalidade do serviço de raios X, desmentiu a existência de graves problemas estruturais na construção do edifício, referindo, no entanto que haverá uma área da sala de raios X, que não estará protegida, área que coincide com uma janela, a qual, disse, não confinará, com local onde transitem pessoas. Assim, por determinações legais e regulamentares, não é possível utilizar o aparelho de raios X, antes que aquela pequena área esteja protegida contra radiações.

Por outro lado, haverá razões de licenciamento desta nova obra de blindagem, que terão prazos a decorrer, esperando-se, no entanto, que a obra possa estar concluída no prazo de um mês, para satisfação de todos os utentes do centro de saúde de Mafra.

 

Atualizado às 20h00 de 25 de setembro de 2019 com informação complementar referente à ARLLVT

 

Siga-nos nas redes sociais

Artigos Relacionados