Museu da Música — Obras no Palácio de Mafra atrasadas e mais caras

Palácio Nacional de Mafra

Views: 2

Museu da Música — Obras no Palácio de Mafra atrasadas e mais caras

 

Na última reunião do executivo camarário realizada na passada 6.ª feira, 5 de julho, foi aprovada a prorrogação de prazo da conclusão da obra e a lista de trabalhos complementares a realizar, bem como o valor a pagar por esses trabalhos.

mmO pedido de prorrogação do prazo em 68 dias, faz com que a data de finalização da obra seja agora o dia 22 de setembro, ainda a tempo da inauguração do Museu Nacional da Música no Dia Mundial da Música, que se comemora anualmente a 1 de outubro.

Sendo que a empresa responsável pela realização da obra refere que o pedido de prorrogação tinha um prazo superior, “contudo após análise técnica da fiscalização, parece-nos que, em princípio, a empreitada será exequível com esta prorrogação”.

Já a revisão de preços provisória da empreitada revela que foram considerados alguns trabalhos a menos no o valor de 11.716,04 €. Entre os trabalhos anulados encontra-se a execução de nichos em parede e a supressão de todos os trabalhos previstos num dos compartimentos/salas devido a esse espaço ser da competência da Escola de Armas e “ao contrário do previsto inicialmente, a cedência do espaço para o Museu Nacional da Música não se irá concretizar”.

A realização de trabalhos complementares orça os 109.912,74 €. Estes trabalhos, segundo o documento a tivemos acesso, são “indispensáveis para garantir, quer a correta execução da empreitada com a qualidade que se pretende, quer a necessidade funcional do espaço, destinado à instalação do Museu Nacional da Música, inserido no Palácio Nacional de Mafra, Património Mundial da UNESCO”.

A listagem de trabalhos complementares é extensa e passa pela picagem de reboco de cimento e execução de revestimento com argamassas de cal hidráulica, fornecimento e instalação de três módulos de vitrines, execução de caleira e parede dupla devido à existência de infiltrações, limpeza de superfícies pétreas em arcos, pilares, vigas e vãos do piso -1, reforço de lajes existentes, reparação pontual do teto do piso -1, uma vez que durante a realização dos trabalhos de demolição no piso 0, parte do reboco está desagregado do suporte, substituição de tijoleira que se constatou não se mmcencontrava em condições, fornecimento e assentamento e espelhos em instalações sanitárias, entre outros.

Os trabalhos de instalação de rede e equipamentos de videovigilância, controlo de acessos e alterações na rede elétrica na Escada da Parada também só agora vão ser realizados devido a “se tratar de um compartimento que está sob a competência da Escola de Armas, mas que terá de ser intervencionado por ser indispensável para garantir o cumprimento da segurança contra incêndios do edifício”.

A prorrogação do prazo da conclusão das obras também tem inerentes os custos de estaleiro no valor de 101.739,56 €.

Já ocorreu uma primeira revisão de preços provisória na qual o valor a pagar é de 155.885,02 €.

Assim, o valor a pagar pelos trabalhos complementares é de 367.537,32 €, ao qual acresce o IVA à taxa legal em vigor.

As obras de instalação do Museu Nacional da Música no Palácio Nacional de Mafra arrancaram a 17 de julho de 2023 (ver artigo do Jornal de Mafra) e a sua conclusão estava prevista para dai a um ano (365 dias), ou seja, deveria ocorrer dentro de poucos dias.

A empreitada foi adjudicada pelo valor de 5.557.554,43 € (cinco milhões, quinhentos e cinquenta e sete mil, quinhentos e cinquenta e quatro euros e quarenta e três cêntimos), valor ao qual acresce o IVA à taxa legal em vigor, valor a ser suportado pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) (ver artigo do Jornal de Mafra).

[Imagens no artigo: projeto do Museu Nacional da Música]

Partilhe o Artigo

Leia também

Deixe um Comentário