Hoje é Dia Mundial dos Oceanos

mar

 

O Dia Mundial dos Oceanos é celebrado anualmente a 8 de junho e pretende lembrar a importância dos oceanos enquanto “pulmões do planeta”.

A origem desta data surgiu em 1992, na Conferência da ONU sobre Ambiente e Desenvolvimento, que se realizou no Rio de Janeiro, a Rio+20. A data oficial, 8 de junho, foi estabelecida em 2008, pelas Nações Unidas.

Os oceanos são os alicerces da vida.
Fornecem o ar que respiramos e os alimentos que consumimos.
Regulam o nosso clima e tempo.
Os oceanos são o maior reservatório de biodiversidade do nosso planeta.
(…)
Deveríamos ser os melhores amigos dos oceanos. 
Mas, neste momento, a humanidade é o pior inimigo dos oceanos.”
António Guterres, secretário-geral da Organização das Nações Unidas 

A celebração deste dia pretende sensibilizar o mundo para os benefícios dos oceanos para a humanidade e também com o facto de existir um dever individual e coletivo de utilizar os seus recursos de forma sustentável, já que as gerações futuras também vão depender dos oceanos.

Cerca de 70% da superfície do planeta Terra encontra-se coberta pelos oceanos, o que corresponde a 361,9 milhões de quilómetros quadrados. O oceano “Português” tem mais de 2.100 Km de costa.

Mensagem por ocasião do Dia Mundial dos Oceanos do secretário-geral da Organização das Nações Unidas:

Os oceanos são os alicerces da vida.
Fornecem o ar que respiramos e os alimentos que consumimos.
Regulam o nosso clima e tempo.
Os oceanos são o maior reservatório de biodiversidade do nosso planeta.
Os seus recursos sustentam comunidades, prosperidade e a saúde humana ao redor do mundo.
A humanidade conta com os oceanos.
Mas oceanos podem contar connosco?
Deveríamos ser os melhores amigos dos oceanos.
Mas, neste momento, a humanidade é o pior inimigo dos oceanos.
As mudanças climáticas induzidas pelo homem aquecem o nosso planeta, mudando os padrões climáticos e as correntes oceânicas, e alterando os ecossistemas marinhos e as espécies que aí vivem.
A biodiversidade marinha está sob o ataque da sobrepesca, da superexploração e da acidificação dos oceanos.
Mais de um terço dos estoques de peixes são pescados em níveis insustentáveis.
E poluímos nossas águas costeiras com produtos químicos, plásticos e dejetos humanos.
Mas o Dia Mundial dos Oceanos deste ano lembra que a maré está a mudar.
No ano passado, adotamos uma ambiciosa meta global de conservar e administrar 30% das áreas terrestres, marinhas e costeiras até 2030, bem como um acordo histórico sobre subsídios à pesca.
Na Conferência das Nações Unidas sobre os Oceanos em Lisboa, o mundo concordou em trabalhar por uma ação oceânica mais positiva.
Um acordo global e juridicamente vinculante para acabar com a poluição plástica está em negociação.
E, em março, os países concordaram com o histórico Tratado de Alto Mar sobre a conservação e uso sustentável da biodiversidade marinha em áreas fora da jurisdição nacional.
A concretização da grande promessa destas iniciativas exige um compromisso coletivo.
O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 14 – conservar e usar de forma sustentável os recursos dos oceanos– está em jogo.
Neste Dia Mundial dos Oceanos vamos continuar a pressionar para que haja ação.
Hoje e todos os dias, vamos colocar os oceanos em primeiro lugar.

 

 

Leia também