Covid-19 | Linhas vermelhas revelam transmissão comunitária de moderada intensidade

PUB

 

De acordo com o mais recente relatório da monitorização das linhas vermelhas para a covid-19, o número de novos casos de infeção por covid-19 (por 100 000 habitantes) mostra uma “tendência crescente a nível nacional”. O relatório refere ainda que se observa “transmissão comunitária de moderada intensidade” e a pressão nos serviços de saúde é reduzida.

A 02 de junho de 2021, a incidência cumulativa a 14 dias foi de 71 casos por 100 000 habitantes em Portugal, tendo a incidência mais elevada ocorrido no grupo etário dos 20 aos 29 anos ( 131 casos por 100 000 habitantes) e a mais baixa no grupo etário com 80 anos ou mais (17 casos por 100 000 habitantes).

No período de 26 a 30 de maio de 2021, o Rt apresentou valores superiores a 1, a nível nacional ( 1,08). A região de saúde, em Portugal Continental, com o valor mais elevado foi a região de Lisboa e Vale do Tejo (LVT) (1,16) e o valor mais baixo registou-se na região do Alentejo ( 1,01).

Ao nível nacional, desde 13 de maio (há 18 dias) que o Rt apresenta valores acima de 1, indicando uma tendência crescente.
Mantendo-se estas taxas de crescimento, o limiar de 120 novos casos por 100 000 habitantes, acumulado em 14 dias, será atingido em 15 a 30 dias ao nível nacional, e em menos de 15 dias na região de LVT.

A 02 de junho de 2021, o número de camas ocupadas em Unidades de Cuidados Intensivos com casos de COVID-19 nos hospitais em Portugal era de 52 doentes.
A evolução deste indicador parece estar a assumir uma tendência ligeiramente decrescente.
O grupo etário com maior número de internados em UCI é o grupo dos 50 aos 59 anos (19 casos neste grupo etário a 02/06/2021).

De acordo com o relatório, entre 20 a 26 de maio de 2021, 89% dos casos notificados foram isolados em menos de 24 horas após a notificação. 83% dos seus contactos foram rastreados e isolados no mesmo período.

Os aumentos dos valores do índice de transmissibilidade (Rt) e da frequência de novas variantes de preocupação devem ser acompanhados com atenção durante as próximas semanas, em especial quanto a regiões com maior transmissão e ao seu reflexo no aumento do número de hospitalizações, em especial na população sem esquema vacinal completo.

Observa-se um aumento do número de testes realizados entre os dias 27 de maio a 2 de junho, sendo a proporção de testes positivos para SARS-CoV-2 de 1,3%, o que representa uma estabilização da proporção de testes positivos.

 

Leia também

Comentário