OPINIÃO POLÍTICA | Alexandre Seixas – Escrever sobre atualidade política em Mafra. Desafio ou Utopia?

Escrever sobre atualidade política em Mafra
Desafio ou Utopia?

 

Desde o início deste ano que me tenho desafiado a escrever quinzenalmente um texto de opinião para o Jornal de Mafra, tentando pensar o Concelho a nível político, no sentido mais alargado do termo – político-partidário, institucional, cultural e económico; desafio este que encaro com grande orgulho e sentido de responsabilidade.

Nas crónicas, que assumem sempre um pendor marcadamente político e que pretendem exprimir a minha visão e bem assim, genericamente, a posição do PS, tentei focar-me em temas concelhios e em temas estruturantes de caráter nacional, enquadrando-os na realidade do nosso Concelho. O objetivo foi trazer para a nossa realidade o que de bom se tem feito e se faz a nível macro. Se é bom para todos, é bom para nós.

Volvidos 6 meses, assumo a vertente utópica desta porfia. Escrever sobre a atualidade política em Mafra, é uma frase quase desprovida de senso, uma vez que as próprias palavras não convivem bem na mesma frase. O nível de informação que existe é quase ridículo, de tão incipiente. Repito e reafirmo que a culpa é de todos, de todos nós, de todos os agentes que intervêm no espaço público concelhio e que de têm sido incapazes de imprimir um ritmo diferente nesta nossa realidade.

Por aqui tudo parece estar bem… as obras, as intervenções no espaço público, as festas, as procissões, a presença constante do “aparelho”, assemelham-se a um perfeito retoque de aparência. Mas e no cerne? Será que tudo vai bem? Nada poderia ou deveria ser diferente?

As aparições contraditórias e construtivas são esparsas e irregulares. Porém sempre que se manifestaram, foram bem sucedidas e imbuídas de assertividade. Perfilho a ideia de que o “caminho se faz caminhando”, mas tem de haver caminho para se caminhar. E se não houver, cabe-nos a todos nós, construí-lo com os nossos próprios passos.

Estarei, em todos os momentos, e sei que o PS também está e estará sempre disponível para intervir, propor e fazer parte da mudança e da alternativa. Mas até que assumamos esse desiderato, temo que a resposta à pergunta que formulei no título deste texto, nos leve pelo caminho da utopia. Antes isso, do que pelo trilho da distopia.

Mafra precisa de nós e nós temos de estar prontos para Mafra. Que seja uma utopia, mas também um desafio todos os dias renovado. Pela positiva! Por Mafra!!

Boas férias!

Alexandre Seixas, junho de 2018

 

Siga-nos nas redes sociais

Artigos Relacionados