Mário de Sousa

 

As Águas de Mafra – uma verdadeira Silly Season

 

Silly Season terminada, surgem as reentrés partidárias onde os políticos, tal e qual acontece nas mensagens de Ano Novo, ignoram promessas feitas, talvez por considerarem que a memória do eleitor é curta, e lançam-se no pregão de novos assuntos, alguns dos quais ‘não assuntos’, cujo objetivo é apenas marcar agenda política procurando por omissão, apagar remanescentes pendentes. Esquecer o problema, o prometido, é bem mais fácil do que dizer que promessas são promessas ou que a ocasião não surgiu, ou ainda que o período de maturação não decorreu.

Silly Season é Verão e tal como dizia José Tolentino Mendonça as pessoas “colocam no Verão esperanças maiores que o Verão”. Durante a Silly Season convidam-nos a ignorar que a vida, a nossa vida, continuará a seguir o seu rumo. E no rumo do quotidiano, passado o “Querido mês de Agosto” como diz a canção, Setembro deposita na nossa caixa de correio mais um molhinho de envelopes, as nossas contas, entre as quais vem a Be Water vulgo, ´conta da água’ que cada vez menos é de água e cada vez mais é de taxas e impostos. E deste pendente que serviu de motor à campanha eleitoral do atual executivo, e que já vai na 2ª Silly Season, notícia nova nem vê-la. Nem boa nem má. Esvaiu-se por completo e as Famílias lá vão pagando mensalmente a conta que lhes apresentam. E que conta. Vamos lê-la:

No rosto da fatura bem em evidência temos:

Se recorrermos ao verso da fatura deteta-se de imediato uma incorreção: o valor apontado como Água é o somatório de duas parcelas:

1 – Valor de água consumida:  9,46 €
2 – Tarifa de utilização:             4,75 € (antigamente Aluguer do Contador)

ou seja, o correto é: em 36,52 € apenas 9,46 € são de água consumida. Do que pagamos apenas 27% é água e 73% são taxas e impostos.

E para onde vão estes 73% que pagamos?

No verso da fatura, a meio existe um quadro com todas as contas que nos diz o que pagamos e para que entidades vai o dinheiro.

 

Para a Be Water

Um de cada vez parecem valores pequenos mas vamos ver quanto pagam os Munícipes de Mafra (Famílias) todos juntos: 

Em cada ano, os 43.861i lares domésticos (Famílias) do Concelho de Mafra ao consumirem:

Com valores tão altos não estará na hora de a CMMafra explicar em que é que estes valores cobrados desde 2009 são aplicados, principalmente quando nos pretendem ‘salvar’ das garras vorazes da Be Water?

Com 6,6 milhões de Euros / ano desde 2009 só das Famílias, que saneamento a Be Water tem feito?
Com 3,4 milhões de Euros / ano desde 2009 como anda o tratamento dos lixos no concelho?
Dos 1,2 milhões de Euros / ano desde 2009 que as Famílias entregam ao Estado que % é devolvida à CMMafra?

Não têm os Munícipes o direito de serem informados? Não será esta informação pertinente para vir no Boletim Municipal? Penso que sim e as Famílias agradeciam.

 

Mafra 18 de Setembro de 2018
Mário de Sousa


i Numero de lares indicado pela PORDATA para o Concelho de Mafra. Número projetado a partir do último senso. Consultado em 18/09/2018.
https://www.pordata.pt/Municipios/Alojamentos+familiares+cl%C3%A1ssicos-92

 



Mário de Sousa
Mafra, Consultor de Informática de Gestão, Presidente da Comissão Política Concelhia do CDS-PP

Pode ler (aqui) os artigos anteriores de Mário de Sousa