Localização do novo hospital do Oeste decidida até março de 2023

 

O edifício dos Paços do Concelho, em Torres Vedras, recebeu ontem a na sessão de apresentação aos autarcas do estudo encomendado pela Comunidade Intermunicipal do Oeste (OesteCIM) sobre a localização do futuro hospital do Oeste.

A cerimónia contou com a presença do Ministro da Saúde, Manuel Pizarro, que até março de 2023 tomará a decisão final sobre a localização do novo hospital da região Oeste.

O compromisso que assumi é que o Ministério da Saúde vai analisar exaustivamente este estudo, avaliar elementos complementares que venham a revelar-se úteis e tomar uma decisão sobre a localização da construção do futuro hospital do Oeste e o seu perfil funcional, tendo como limite o final do primeiro trimestre de 2023”[Manuel Pizarro].

Tomada a decisão sobre a localização, o governo avançara com a definição do perfil assistencial, o lançamento do concurso público, a elaboração do projeto e a definição do modelo de financiamento do novo hospital.

O ministro referiu a possibilidade de avançar para uma parceria-público privada com vista à construção e manutenção do novo hospital, pelo que o projeto não necessitaria “de qualquer verba do Orçamento de Estado”. A OesteCIM não vê a hipótese de parceria público-privada como um problema “desde que funcione e sirva os destinos”.

O ministro reconheceu a necessidade de obras de manutenção nas unidades hospitalares de Torres Vedras e Caldas da Rainha, que funcionam em “dois edifícios muito vetustos”, mas tendo em conta o cenário de construção de um novo hospital (que “demorará sempre alguns anos”), as intervenções nestas duas unidades “não podem ser muito vultuosas”.

Manuel Pizarro afirmou ainda que “não há dúvida de que o Oeste precisa de uma Unidade de Cuidados Intensivos, assim como de um novo hospital” e que o projeto da Unidade de Cuidados Intensivos “tem de ser muito bem estudado para se apurar se é tecnicamente e financeiramente exequível”.

Após a sessão, o Ministro da Saúde visitou o Hospital de Torres Vedras, onde contactou com utentes e profissionais de serviço na urgência e enfermarias.

A região Oeste é servida pelo Centro Hospitalar do Oeste, que integra os hospitais das Caldas da Rainha, Torres Vedras e Peniche, servindo cerca de 300 mil habitantes dos concelhos de Caldas da Rainha, Óbidos, Peniche, Bombarral, Torres Vedras, Cadaval e Lourinhã e de parte dos concelhos de Alcobaça e de Mafra.

 

[Imagem: MS]

Leia também

Comentário