Sintra | Serra de Sintra e alguns monumentos encerrados até 6.ª feira

 

A autarquia de Sintra informou esta tarde que devido à declaração da situação de contingência decretada pelo governo, na sequência do elevado risco de incêndio que o pais atravessa, decidiu encerrar o perímetro florestal da Serra de Sintra encontra-se até ao final do dia de sexta-feira, 15 de julho.

Assim, “no perímetro florestal da Serra de Sintra vigora até sexta-feira: a proibição de circulação de pessoas e viaturas, estacionamento e permanência de viaturas no interior do perímetro florestal”.
A proibição exclui “os veículos de moradores e de empresas aí sediadas, veículos de socorro, veículos de emergência e das entidades integrantes do Sistema Municipal de Proteção Civil”.

Neste contexto encontram-se encerrados ao público os seguintes monumentos: Quinta da Regaleira, Palácio e Jardins de Monserrate, Convento dos Capuchos, Castelo dos Mouros, Chalet da Condessa d’Edla, Parque e Palácio Nacional da Pena.

Entre as 00h00 de 11 de julho de 2022 e as 23h59 de 15 de julho de 2022, para todo o território continental, estão também instituidas as seguintes proibições:

  • Proibição da realização de queimadas e de queimas de sobrantes de exploração;
  • Proibição de realização de trabalhos nos espaços florestais com recurso a qualquer tipo de maquinaria, com exceção dos associados a situações de combate a incêndios rurais;
  • Proibição de realização de trabalhos nos demais espaços rurais com recurso a motorroçadoras de lâminas ou discos metálicos, corta-matos, destroçadores e máquinas com lâminas ou pá frontal;
  • Proibição da utilização de fogo-de-artifício ou outros artefactos pirotécnicos, independentemente da sua forma de combustão, bem como a suspensão das autorizações que tenham sido emitidas.

A autarquia recorda que “a Serra de Sintra integra uma região de proteção classificada sensível ao risco de incêndio florestal, caracterizada por um elevado número de visitantes. Torna-se assim fundamental acautelar a sua proteção, manutenção e conservação considerados objetivos do interesse público, de âmbito mundial, nacional e municipal”.

Leia também

Comentário