Mafra | Árvores da Rua 1º de maio que geraram protestos foram podadas

O Jornal de Mafra tinha dado conta da virulenta polémica que se gerou a propósito da necessidade de “podar/desbastar” as árvores que ladeiam de ambos os lados, a Av. 1º de maio em Mafra.

Prevaleceu o bom-senso e, embora a solução de compromisso também tenha calhado bem à autarquia, as árvores “podadas/desbastadas” foram exatamente as necessárias para permitir aos moradores o acesso à luz natural, à vista da rua e ao usufruto das suas janelas e varandas.

As árvores não foram cortadas ou arrancadas, foram podadas/desbastadas o suficiente, embora, segundo algumas vozes, esta intervenção possa, a prazo, levar à morte das árvores agora intervencionadas.

Esta ação da Câmara de Mafra já desencadeou uma reação do Partido Socialista local, que se afirma espantado pela poda a que as árvores foram sujeitas, uma vez que lhes terá sido “prometido que o abate seria cancelado e que a acontecer alguma intervenção os vereadores seriam avisados”, o que não terá acontecido, demonstrando assim, na perspetiva daquela força politica “uma visão de “quero, posso e mando“.

   

Leia também