2018 – Mafra em 254º Lugar (em 308) na Eficiência da sua Câmara Municipal

Mafra em 254º Lugar (em 308 municípios) na Eficiência da sua Câmara Municipal

 

Em 2018, Mafra desaparece da lista dos 30 Melhores Municípios em termos de Desenvolvimento Económico e Social, na qual surgia em 2016, ocupando o 25º lugar.

Em 2018, esta lista é encimada por Lisboa, Oeiras, Sines, Castro Verde e São João da Madeira.

 

Em 2016, Mafra não estava incluída na lista dos 10 Melhores municípios da Região de Lisboa.

Em 2018, Mafra surge em 9º lugar neste ranking, encimado por Lisboa e Oeiras, e com Loures no 10º lugar. A Área Metropolitana de Lisboa é constituída por 18 municípios.

 

 

Em 2016, Mafra ocupava o 8º lugar da lista dos 10 Piores municípios da Região de Lisboa. Em 2018 Mafra mantém-se na lista mas desce para o 10º lugar.

 

 

Em 2018, o Ranking Global dos 30 Melhores Municípios é encimado por Lisboa, seguindo-se Porto, Oeiras, Bragança, Sines, Constância, Ponte de Lima, Vila Velha de Ródão,  Aveiro e Vila Pouca de Aguiar.

Nos rankings dos 30 Melhores ou dos 30 Piores em termos de Governança, Mafra não surge, como não surge nos 30 Melhores ou dos 30 Piores em termos de Serviço aos Cidadãos, ou nos 30 Melhores ou dos 30 Piores em termos de Sustentabilidade Financeira.

A Posição do Município de Mafra em função dos vários parâmetros estudados é a seguinte:

♦ Ranking Global a Nível Nacional ⇒ 63º
♦ Ranking de Governança ⇒ 118º
♦ Ranking de Eficiência da Câmara Municipal (serviço à população) ⇒ 254º
♦ Ranking de Desenvolvimento económico e social ⇒ 45º
♦ Ranking de Sustentabilidade financeira ⇒ 31º

Em Portugal há 308 concelhos, sendo 278 no continente, 11 na Madeira e 19 nos Açores.

O ranking Municipal Português (RMP) foi ontem apresentado na Fundação Calouste Gulbenkian,  resultando de contributos de académicos internacionais, do Tribunal de Contas, DGAL – Direção Geral das Autarquias Locais, da IGF  (Inspeção Geral de Finanças), da ANMP – Associação Nacional de Municípios Portugueses, do TIAC – Transparência e Integridade, Associação Cívica, entre outras entidades.

Segundo a Ordem dos Economistas, este será “o único modelo integrado de avaliação da sustentabilidade dos municípios portugueses”.

O ranking tem por base “25 critérios/indicadores específicos devidamente ponderados”, assim distribuídos:

Governança – Taxa de abstenção; Orçamento participativo; Transparência; Participação pública; Legitimidade política
Serviço à População – Serviços de recolha de lixos urbanos; Serviços de distribuição de água; Transportes urbanos; Habitantes por médico e outros
Desenvolvimento Económico e Social – Crescimento demográfico; Taxa de população estudantil; Valor acrescentado das empresas; Taxa de desemprego e Poder de compra per capita
Sustentabilidade Financeira – Eficiência financeira; Flexibilidade financeira; Endividamento; Despesas de capital

Através da ligação pode consultar o Rating Municipal Português (RMP)  2018

Siga-nos nas redes sociais

Artigos Relacionados