MESMO | Dependência do álcool

Saúde Mental e Ocupacional | Inês Pinto

 

Dependência do álcool

O consumo de bebidas alcoólicas é uma prática que remonta ao período neolítico, tendo sido sempre associado a rituais sociais e religiosos. Nas sociedades atuais também tem um papel importante carregado muitas vezes de simbolismo e crenças enraizados em cada cultura. A sua produção e consumo nas diferentes apresentações (vinho, cerveja, bebidas destiladas) são universais e culturalmente mediados.

O consumo de álcool em Portugal é superior à média Europeia e um dos mais elevados em todo o mundo sendo mais frequente nos homens, embora a diferença de géneros esteja progressivamente a esbater-se. A idade em que este comportamento se inicia tem vindo a diminuir e verifica-se uma alteração significativa no padrão e tipo de bebidas consumidas. Embora se mantenha o vinho como principal produto, as bebidas destiladas e o consumo esporádico mas descontrolado (padrão anglo-saxónico de binge drinking) tem vindo a ganhar expressão especialmente entre as faixas etárias mais jovens.

O álcool é uma substância psicoativa que afeta a função e a neurotransmissão cerebral, bem como diversos sistemas hormonais; acresce que é tóxico para a maioria dos órgãos estando por isso associado ao aumento de problemas gastro-intestinais, hepáticos, cardíacos e neurológicos. O envolvimento desta substância em crimes violentos, acidentes rodoviários, laborais e conflituosidade doméstica contribui também para a alta mortalidade e morbilidade atribuída aos consumos etílicos. Importa realçar que os danos são mais significativos e de maior gravidade no sexo feminino mesmo com ingestão de quantidades menores. Por esse motivo a recomendação atual é de ingestão máxima de 2 copos de vinho por dia para os homens e apenas 1 copo para as mulheres.

A dependência de álcool é, como já foi referido, uma doença médica e comportamental com um elevado risco de evoluir de forma crónica, recidivante e progressiva. Os fatores associados a esta patologia são de natureza variada como genéticos, sociais, ambientais e psicológicos. O risco de dependência aumenta com uma maior ingestão de álcool e durante mais tempo, com o início do consumo em idades mais jovens, com a existência de história familiar e em pessoas com outras perturbações mentais e/ou abuso de outras substâncias.

Esta patologia caracteriza-se pelo incontrolável desejo de consumir álcool, com dificuldade de controlo da sua evicção, sintomatologia de abstinência e necessidade de aumento de dose para evitar privação e obtenção do mesmo efeito. Esta substância leva a depressão do sistema nervoso central (SNC) com desinibição, alterações do pensamento, emoções e julgamento crítico e a nível físico dificuldade na fala e na coordenação motora. Por outro lado a abstinência provoca náuseas, suores, tremores, alterações do humor com elevada irritabilidade, inquietação e insónia. Em pessoas com consumos regulares exagerados, a abstinência pode levar a complicações como convulsões tónico-clónicas e Delirium Tremens que exigem cuidados médicos urgentes.

Uma vez que constitui uma das principais causas de morte prematuras e evitáveis, a perturbação relacionada com o consumo de álcool deve ser alvo de atenção médica. O tratamento das perturbações associadas ao consumo de álcool consiste num tratamento especializado, multidisciplinar, com componente psicológica e reabilitativa associada a medicação (para diminuir sintomas de privação e redução do consumo) bem como cuidados destinados a reverter, se ainda for possível, lesões em órgãos alvo como o fígado ou correção de défices proteicos e vitamínicos. A abstinência absoluta será sempre o objetivo último mas a diminuição do consumo também pode ser uma etapa importante. De realçar ainda que a medicação vulgarmente conhecida como “anti-ressaca” não protege nem reverte os efeitos nocivos do álcool.

Se reconhece que tem um problema com o consumo de álcool ou se tem algum familiar ou amigo com esse problema deverá falar com o seu médico de família para ser feito o encaminhamento para uma Equipa de Tratamento de Dependências.

 

Dra. Inês Pinto
Médica Interna de Psiquiatria

Siga-nos nas redes sociais

Artigos Relacionados