Crónica de Alexandre Honrado - Ronaldo

 

Crónica de Alexandre Honrado

Ronaldo

Elaborando um texto, em pecado mortal, cito um autor citado por outro que não referiu a fonte da citação (academicamente é o mesmo que conduzir a prosa para o muro onde o pelotão de fuzilamento fará o resto). Parece-me, todavia, tão certo fazê-lo que nem resisto, atrevo-me, vai disto que amanhã será um novo dia com mais águas nas albufeiras e menos seca nos terrenos, entretanto alagados. E é assim: Isaiah Berlin (filósofo, nascido na Grã̃-Bretanha), manifesta-se pela escrita de Eric Hobsbawn, também britânico, genial marxista matreiro e historiador excecional, dizendo um que disse o outro: “Vivi a maior parte do século XX, devo acrescentar que não sofri provações pessoais. Lembro-o apenas como o século mais terrível da história”.  O século mais terrível da história! Das suas ruínas, dos seus milhões de mortes – «das sementes lançadas à terra é do sangue dos mártires que nascem as mais copiosas searas», escreveu José Dias Coelho, ou “O sangue dos mártires é a semente dos cristãos”, afirmou Tertuliano, no Apologético, 50,13) -, da sua vergonhosa marcha, nascemos nós, herdeiros confusos de um passado de loucos afundados na sua loucura assassina. Intérpretes do ódio, usamos hoje

o discurso do ódio, como último recurso de uma afonia trôpega a esperar-nos de braços abertos. Matamos os ídolos não porque fizemos a descoberta (da evidência) de que não há liberdade para os idólatras, mas porque a inveja que lhes temos nos conduz à alegria de vê-los debilitados e falhos na sua prosperidade. A falência do rico, a derrota do vitorioso, a debilidade do herói, a fraqueza do maratonista, e coisas afins. Que felicidade para o corpo da inveja, para os lacraus dos esconderijos, para os salteadores que confundem armas com mãos nuas impotentes.

O discurso do ódio é o da pedra arremessada, do muro vandalizado, da estátua partida a malho, martelo e escopo, desnorte e inveja.

Somos herdeiros dos piores erros do passado. Devíamos parir à parte uma verdade salvadora. E sim, esqueci-me de falar de Ronaldo. Mas, é provável, que esteja a treinar sozinho a um canto deste texto.

 

Alexandre Honrado


Alexandre Honrado
Escritor, jornalista, guionista, dramaturgo, professor e investigador universitário, dedicando-se sobretudo ao Estudo da Ciência das Religiões e aos Estudos Culturais. Criou na segunda década do século XXI, com um grupo de sete cidadãos preocupados com a defesa dos valores humanistas, o Observatório para a Liberdade Religiosa. Dirige o Núcleo de Investigação Nelson Mandela – Estudos Humanistas para a Paz, integrado na área de Ciência das Religiões da ULHT Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias em Lisboa. É investigador do CLEPUL – Centro de Estudos Lusófonos e Europeus da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e do Gabinete MCCLA Mulheres, Cultura, Ciência, Letras e Artes da CIDH – Cátedra Infante D. Henrique para os Estudos Insulares Atlânticos da Globalização.

Pode ler (aqui) todos os artigos de Alexandre Honrado


 

Leia também