Crónica de Jorge C Ferreira | Apresentar um livro

 

Apresentar um livro
por Jorge C Ferreira

 

Dia 3 de Dezembro de 2022. Na belíssima Brotéria. Aconteceu a apresentação do meu novo livro, “O mundo e um pássaro”. Dezasseis horas, a tarde quase a ficar noite. Tudo ia ter lugar, já muita gente esperava e a minha ansiedade a baixar. Daí a duas horas tudo estava acabado ou iniciado, depende como olharem para o acontecimento.

Na mesa, Alice Vieira que tinha saído da Ericeira, em boa hora, para apresentar o livro, Virgínia do Carmo, minha dedicada editora e eu, apelidado de autor.

A plateia completa de gente bonita, era necessário começar a sessão. Trata-se sempre da celebração do livro e da leitura. Da entrega do que foi escrito ao leitor. De deixar o livro voar como se fosse um filho.

O livro é uma selecção de crónicas publicadas no Jornal de Mafra entre 2014 e 2018. Crónicas que foram vistas, revistas e sofreram pequenas alterações. Um trabalho que me deixa “à beira de um ataque de nervos”. O que vale é que há quem me acalme. Presentes na sessão estavam os camaradas do Jornal, um apoio sempre muito importante.

A plateia cheia de amigos e leitores a agitar-se. A sessão começou.

Virgínia do Carmo introduziu o livro na conversa de forma generosa e bela, Alice Vieira fez a apresentação como só ela sabe. Brilhante e de uma alegria que nos deixa encantados e desarmados. Faltava o público falar, algumas perguntas e algumas respostas. Seguiu-se o período em que o autor fica disponível para assinar os livros. Uma recordação que fica. Falar um pouco com as pessoas. As inevitáveis fotos. As últimas despedidas e agradecimentos. Fechar a loja.

Depois dos livros arrumados, foi o ar livre. A família mais chegada a descer em direcção ao Chiado. Uma multidão que se acotovelava e passava por nós sem nos ver. Pessoas que não sabíamos o que buscavam. Algumas com um ar perdido. E aqui podia começar outra crónica. Mas hoje não é lugar para tal.

Hoje é tempo de celebração dos livros e da leitura. Uma liturgia muito especial. Abençoados os que gostam de ler e de livros. As Igrejas desde a Misericórdia até ao Camões. A Rua Garret e já noite. Outras liturgias. Outros livros. O livro dos livros e alguma fé.

Seguir para casa é necessário descansar. A minha segunda terra e o aconchego da casa. A vida a desdobrar-se noutros pensamentos. A ansiedade a passar. A Virgínia tinha-me dito que as coisas tinham corrido bem. Estava mais descansado, mais calmo. Agora vai ser o livro a fazer o seu caminho. Esperar que gostem do que escrevi.

Livro que, para já, está à venda no site da Poética. Esperemos que em breve esteja à disposição nas livrarias. Eu vou avisando na minha página do Facebook.

A minha sugestão de hoje é para que leiam e ofereçam livros no Natal. É um modo de ajudar a cultura. É um modo de nos conhecermos melhor. De conhecermos a vida e o mundo.

Obrigado a todos os que me acompanharam em mais esta aventura. Abraços apertados.

«Deve ter sido bonita a festa. Já te vejo menos nervoso. Tu és sempre o mesmo.”

Fala de Isaurinda.

«Sabes que sou assim. Sofro sempre por antecipação.»

Respondo.

«Ainda bem que correu tudo bem. Fico feliz por ti.»

De novo Isaurinda e vai, um sorriso rasgado no rosto.

Jorge C Ferreira Dezembro/2022(376)


Jorge C. Ferreira
Jorge C. Ferreira (n.1949, Lisboa), aprendeu a ler com o Diário de Notícias antes de ir para a escola. Fez o curso Comercial na velhinha Veiga Beirão e ingressou na vida activa com apenas 15 anos. Estudou à noite. Foi bancário durante 36 anos. Tem frequentado oficinas de poesia e cursos de escrita criativa. Publica, desde 2014, uma crónica semanal no Jornal de Mafra. Como autor participou nas seguintes obras: Antologia Poética Luso-Francófona À Sombra do Silêncio/À L’Ombre du Silence, na Antologia Galaico-Portuguesa Poetas do Reencontro e A Norte do Futuro, homenagem poética a Paul Celan.  Em 2020 Editou o seu primeiro livro: A Volta À Vida Á Volta do Mundo; em 2021 Desaguo numa imensa sombra. Dois livros editados pela Poética Edições.

Pode ler (aqui) todas as crónicas de Jorge C Ferreira


Leia também

19 Thoughts to “Crónica de Jorge C Ferreira | Apresentar um livro”

  1. Ivone Maria Pessoa Teles

    Meu querido, mas tu sabes que eu ” andei por lá”. Sei bem as qualidades que tens e os teus receios. És um querido autor. Todos os teus ESCRITOS são teus Filhos que amas. Mas, depois, são muitos a amá-los Imagina como gostava de ter estado com todos Vós e acarinhar-te. Aguardo o Livro, pois encomendei à Editora. Beijinhos amigos, meu IRMÃO/ AMIGO.

    1. Ferreira Jorge C

      Obrigado Ivone, minha querida Amiga/Irmã. Vocês são a razão de eu escever. Só isso faz sentido. Tu sempre foste e és solidária e lutadora. És um exemplo para mim abraço grande

  2. Maria Luiza Caetano Caetano

    Como tão bem nos descreve, a apresentação do seu livro. Todas as emoções sentidas, até lhe dar asas e assim deixar de ser só seu.
    Obrigada, vou tratá-lo com carinho, vou saborear o que tão bem escreveu.
    Adoro a verdade, das suas palavras. Parabéns!
    Abraço, muito Amigo.

    1. Ferreira Jorge C

      Obrigado Maria Luiza. Amiga generosa e sempre presente. A sua presença encheu-me de alegria. A minha imensa gratidão. Abraço enorme

  3. Eulália Coutinho Pereira

    Como gostaria de estar presente na apresentação do seu livro.
    Festa bonita e comovente, como tão bem descreve na sua crónica. Os amigos e família deram a força suficiente, para fazer esquecer o nervosismo natural, numa situação destas. Não tenho dúvida que será um sucesso.
    Obrigada, Amigo, por estar desse lado.
    Aguardo o livro e espero lê -lo em breve.
    Grande abraço.

    1. Ferreira Jorge C

      Obrigado Eulália. Senti que estava presente. Para mim é um nervoso imenso. Apesar da alegria de ver aqueles Amigos e leitores, não consigo ultrapassar esse estado. Obrigado por tudo, por me ler e comentar. Abraço grande

  4. António Feliciano Pereira

    Boa tarde, Jorge!
    Um livro é sempre o embaixador de quem o escreve.
    Quem é escolhido para escrever um livro torna-se uma pessoa dotada de atributos de confiança, cultura e nobreza de sentimentos.
    Parabéns, Amigo!
    Um abraço, Jorge!

    1. Ferreira Jorge C

      Obrigado António. Um livro é uma aventura. Se decidir lê-lo gostava de saber a sua opinião. A minha gratidão por me ler e comentar. Abraço enorme l

  5. Isabel Campos

    Do teu melhor ângulo a fotografia, a ilustração perfeita do momento e o que compôs a moldura humana.
    Parabéns!!!
    Beijinho

    1. Ferreira Jorge C

      Obrigado Isabel, minha enorme Amiga. Como adoro que estejas neste espaço. Como gosto dos teus comentários. Grato por tudo. Abraço grande.

      1. Isabel Campos

        ❤️🌸

  6. Isabel Soares

    Uma crónica de desabafo. Sobre a apresentação do seu último livro. A necessidade de partilhar o acontecimento e as emoções que vive no antes, durante e depois. Ainda a alegria e o apaziguamento interno pela apresentação ter “corrido” bem. E o agradecimento aos vários outros que possibilitaram e alimentaram a sessão. E sempre o olhar dos outros no seu olhar.
    A despedida do livro também. O alívio, o sossego interno da ” obra feita”. Parabéns!

    1. Ferreira Jorge C

      Obrigado Isabel, minha Amiga. Cada livro nova aventura. O nervoso sempre presente. Os amigos que apazjguam. O alívio. Espero que o livro lhe agrade. Grato pelo seu comentário. Abraço grande.

  7. Cristina Ferreira

    Também fico feliz por ti. Foi uma festa muito bonita. E o livro está lindo. Só podia 🙂
    Abraço

    1. Ferreira Jorge C

      Obrigado Cristina, minha Amiga. Obrigado pela vossa presença. Fiquei muito sensibilizado. Não sei se os nervos me deixaram demonstrar tal. Grato pelo teu comentário. Espero que olivro vos agrade. Abraços grandes para os dois.

  8. Claudina Silva

    Que festa bonita foi o lançamento do teu livro de acordo com a tua descrição, não pude estar presente mas em breve terei o prazer de o ler! Felicidades meu Amigo poeta! O maior sucesso!

    1. Ferreira Jorge C

      Obrigado Claudina. Foi pena não estares para te dar um beijinho. Grato pelo teu comentário. Espero que gostes do livro. Abraço enorme.

  9. Raul Manuel Freitas Araujo Rocha

    Atua palavra nasce do olhar e…Olhas e não julgas : admiras, revês, mas não arriscas nunca um juízo crítico…Essa é a forma de passar a palavra, de a desafiar, de a lançar com a maior verdade, com a maior independência. Ela lá vai : segue caminho e vai instalar-se no leitor…Obrigada, meu amigo…” Pintas a realidade , com verdade”!

    1. Ferreira Jorge C

      Obrigado Raul. Acho que é a primeira vez que o vejo neste espaço que queremos livre. A minha imensa gratidão pelas suas generosas palavras. Abraço grande

Comments are closed.