Crónica de Alexandre Honrado – Em torno do discurso do ódio

 

Crónica de Alexandre Honrado
Em torno do discurso do ódio

 

Minorias políticas são por vezes tentadas a usar o discurso do ódio como solução parcelar e parcial dos seus dissabores e frustrações. É o que notamos, em crescendo, nas redes sociais, nalguns pontos rotineiros de encontro, em palcos que insultam as plateias e as desdenham.

Em democracia os que hoje governam amanhã serão governados, a alternância permite a respiração do sistema e a passagem pelo crivo de muitas tentações não democráticas, como as de tornar o poder totalitário e inquestionável, quando afinal o poder em democracia é apenas o poder de poder estar ao serviço de quem deu força aos que queremos que nos serviam, provisoriamente, durante um período determinado.

Quem governa é trabalhador a prazo e funcionário público ao serviço de um público que nem sempre lhe reserva aplausos, pois tem mais que sofrer e em que pensar.

O discurso do ódio, aproveitando sentimentos e desesperos, emerge normalmente dos setores mais impotentes, entre os incapazes de explicar por palavras e atos que não são os escolhidos da maioria, exatamente porque não possuem a confiança dos que decidem. Esses, os que decidem, somos nós, nas horas decisivas. Só podemos fazê-lo em liberdade de falar, escolher, decidir, partilhar, organizar. Ver os derrotados – evoco Trump ou Bolsonaro para dar dois exemplos tristes, mas evidentes – a criaram frágeis argumentos em suportes duros, para ultrapassar as suas derrotas, é temer que sejam impulsionadores de discursos de ódio dos muitos que, em seu nome, sem pedagogia normativa, resolverem ultrapassar as regras e viciar os jogos, com mau perder e mau agir. São invasores de Capitólio.

O discurso do ódio é matéria que me prende agora e à qual voltarei. Confesso que outros discursos mais amenos e pacíficos têm-me tomado o tempo. Mas voltarei ao assunto, sem ódios nem ressentimentos.

Alexandre Honrado


Alexandre Honrado
Escritor, jornalista, guionista, dramaturgo, professor e investigador universitário, dedicando-se sobretudo ao Estudo da Ciência das Religiões e aos Estudos Culturais. Criou na segunda década do século XXI, com um grupo de sete cidadãos preocupados com a defesa dos valores humanistas, o Observatório para a Liberdade Religiosa. Dirige o Núcleo de Investigação Nelson Mandela – Estudos Humanistas para a Paz, integrado na área de Ciência das Religiões da ULHT Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias em Lisboa. É investigador do CLEPUL – Centro de Estudos Lusófonos e Europeus da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e do Gabinete MCCLA Mulheres, Cultura, Ciência, Letras e Artes da CIDH – Cátedra Infante D. Henrique para os Estudos Insulares Atlânticos da Globalização.

Pode ler (aqui) todos os artigos de Alexandre Honrado


 

Leia também

Comentário