Dia Nacional dos Castelos | O Castelo gótico romano de Mafra

 

São vários os documentos que, desde o século XII, confirmam que a Vila de Mafra foi uma vila murada e que teria tido  um Castelo.
O Castelo de Mafra ter-se-á erguido sobre um povoado neolítico, que terá sido reocupado várias vezes até à Idade do Ferro.

A cota mais elevada ronda os 200 metros de altitude, situando-se a cerca de 30 metros a nascente da cabeceira de Santo André, no terreno onde a Santa Casa da Misericórdia de Mafra instalou a sua sede. Quanto ao recinto do castelo, que corria no sentido da igreja de Santo André, isto é, entre nascente e poente, ele compreendia toda a zona da Vila Velha que hoje se inclui no interior do espaço delimitado, a oriente, pelo Largo Coronel Brito Gorjão (vulgo da Raposa), a Sul, pela Rua das Tecedeiras, a ocidente, pelo Palácio dos Marqueses de Ponte de Lima e, finalmente, a Norte, pela Rua Detrás do Castelo”.
[Castelos de Portugal]

Hoje, quando se comemora o dia nacional dos castelos, aqui fica uma memória do Castelo de Mafra.

 

Leia também

One Thought to “Dia Nacional dos Castelos | O Castelo gótico romano de Mafra”

  1. André

    Castelo gótico romano é um conceito engraçado. Eu que sou licenciado e mestre em História, e bolseiro de investigação de doutoramento em História, não faço ideia o que seja um castelo gótico romano. Aliás, como saberão certamente os autores do artigo, o Império Romano acabou vários séculos antes de aparecer o estilo gótico.
    Quanto ao castelo de Mafra, também é mais fruto de uma idiossincrasia que de outra coisa qualquer. Não há quaisquer vestígios arqueológicos do tal castelo e a documentação medieval existente apenas permite supor a existência de um castelo, sem quaisquer pormenores. Ora, para os medievais, para ser um castelo, bastava apenas que existisse uma torre de menagem, que podia até ser de madeira, com uma guarnição de quatro ou cinco homens (vulgarmente, um castelejo ou castro, uma mera torre de vigia entre Sintra e Torres Vedras, isso sim, castelos na aceção que hoje damos ao termo). Mais: na obra de André de Resende, muitas vezes indicada como comprovativa do castelo de Mafra, vem escrito oppusculum, ou seja, pequeno castelo. Não há, de resto, um único documento que se refira a Mafra como uma vila murada (nem subsistem restos de uma tal muralha). O castelo de Mafra é, por isso, uma mera fábula, produto de uma idiossincrasia local de longa data.
    Mas se me quiserem elucidar sobre o que é um “castelo gótico romano” e sobre as provas físicas do castelo de Mafra e da morfologia indicada neste artigo, estou ansioso por aprender.

Comments are closed.