A maioria dos consumidores portugueses prevê gastar até 50 euros em material escolar

 

Um estudo ‘online’ realizado pela Escolha do Consumidor entre os dias 22 e 26 de agosto, revela como os consumidores pretendem gerir o seu orçamento familiar no regresso às aulas dos seus filhos.

Apesar de a gratuitidade dos livros escolares para todo o ensino obrigatório público ter-se revelado uma grande ajuda às famílias, é necessário comprar o restante material escolar.

O estudo revelou que os consumidores preveem gastar em livros (ensino particular) e material e escolar:

  • até 50 euros: 35%
  • até 100 euros: 33%
  • até 200 euros: 32%

18% dos inquiridos prefere comprar ‘online’ e 82% prefere comprar presencialmente, sendo que 68% costuma comprar o material em super/hipermercados, 19% em papelarias (comércio local) e 13% refere que têm preferência em lojas especializadas ou outro tipo de locais de venda destes artigos.

No que diz respeito à colocação dos seus filhos em atividades extracurriculares, os inquiridos referem pretender colocar os seus filhos em:

  • duas atividades: 47%
  • apenas uma atividade: 35%
  • três ou mais atividades: 18%

A natação e o futebol foram os desportos mais escolhidos pelos consumidores.

A maioria dos consumidores que responderam a este estudo têm um orçamento familiar mensal para apoio/explicações/atividades entre 50 a 100 euros (48%), 27% opta por gastar mais de 100 euros mensais e 25% da população pretende despender apenas até 50 euros.

Este estudo representa um universo com  75% dos respondentes do sexo feminino e 25% do sexo masculino. 46% têm entre 35 a 44 anos, 29% entre 25 a 34 anos, 12% entre 45 a 54 anos, a faixa etária mais nova (18 a 24 anos) corresponde a 8% e 5% corresponde a consumidores com idades acima dos 55 anos.

A maioria, 64% estão localizados na Grande Lisboa, 22% na zona do Porto e a restante percentagem encontra-se distribuída em vários pontos do país.

73% dos inquiridos refere que os filhos vão frequentar o ensino público, 24% menciona o ensino privado e 4% o ensino cooperativo.

Leia também

Comentário