Adiada para Maio a conclusão das obras do Mercado Municipal de Mafra – AECI pediu nova prorrogação de prazo

 

O concurso público para a empreitada de obras de requalificação do Mercado Municipal de Mafra abriu em outubro de 2020.

Concorreram a este concurso público as empresas NOW XXI – Engenharia e Construções, Ld.ª, AECI – Arquitetura, Construção e Empreendimentos Imobiliários, S.A. e TPS – Teixeira Pinto & Soares, SA, tendo o projeto sido adjudicado à AECI.

O contrato foi assinado a 9 de dezembro de 2020, atingindo o valor de 1.285.915,92€, com um prazo de execução de 240 dias, tendo ficado a aguardar visto do Tribunal de Contas para que as obras se pudessem iniciar.

Obtido o visto do Tribunal de Contas, o Mercado Municipal de Mafra encerrou no dia 17 de maio de 2021 para se iniciassem as obras de modernização e requalificação.

Esta semana, a empresa a quem a Câmara de Mafra adjudicou a obra – AECI – Arquitetura, Construção e Empreendimentos Imobiliários, S.A., empresa de Ricardo Batalha, já com um longo historial de adjudicações milionárias por parte do município de Mafra – solicitou à Câmara Municipal de Mafra a prorrogação do prazo da conclusão da empreitada por mais 125 dias. A data prevista para a conclusão da obra passa agora para 23 de maio, mesmo a tempo de ser inaugurada no dia do município, que este ano se assinalará a 26 de maio.

De acordo com o documento a que o Jornal de Mafra teve acesso, os motivos do pedido de prorrogação prendem-se com o “atraso no fornecimento de materiais como consequência do período atípico do mercado de materiais de construção, em que há muitas dificuldades nas entregas e cumprimento dos prazos das encomendas, não havendo os materiais necessários ou tendo prazos de entrega muito elevados”. Ao que se acrescenta ainda a dificuldade em constituir equipas de trabalho devido a “alguns períodos de isolamento”.

O objetivo final da requalificação passará, segundo a dona da obra, por manter a “essência da construção original” do edifício e “reorganizar” o seu interior e a sua funcionalidade “adaptando-o a um novo conceito”, transformando o mercado num “espaço de convivência onde se congregam residentes e turistas”. (consulte aqui mais informação sobre o projeto).

Desde 20 de maio de 2021 que o mercado funciona em tendas instaladas no Parque Intermodal de Mafra, junto às escolas, com os inerentes prejuízos para os clientes, para os vendedores e para o ordenamento paisagístico daquela área.

Leia também

Comentário