Patrícia Mamona bate recorde nacional e conquista a 2.ª medalha para Portugal nos Olímpicos de Tóquio

 

Patrícia Mamona conquistou a 2.ª medalha para Portugal, nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. A atleta conquistou a medalha de prata no triplo salto.

Para além da medalha de prata, a atleta portuguesa bateu o recorde nacional do triplo salto ao atingir os 15,01 metros, na quarta tentativa da final da disciplina (tendo batido o recorde 3 vezes nestes jogos olímpicos, com um 14,91, 14,97 e os 15,01).

Esta é terceira presença de Patrícia Mamona nos Jogos Olímpicos, tendo ficado em 6.º lugar em 2016 no Rio de Janeiro e no 13.º lugar em 2012, em Londres. A atleta sagrou-se este ano campeã da Europa em pista coberta e foi campeã da Europa ao ar livre, em 2016.

No final da prova, Patrícia Mamona referiu “estou nas nuvens, sem palavras e muito feliz” salientando que “foram 5 anos a trabalhar para este momento, aliás são 20 anos de triplo salto”, acrescentando que “esta competição é especial para todos nós, atletas, e na minha cabeça o foco era só dar o meu melhor, saltar o mais possível. Era o momento decisivo e só pensava como podia saltar ainda mais para sair daqui mesmo estafada. Saio daqui muito feliz! Espero abrir portas para o desporto feminino, ser uma inspiração para as próximas gerações.”.

Também hoje, Portugal alcançou mais um diploma com Auriol Dongmo no lançamento do peso a ficar a 5 centímetros da medalha de bronze, terminando a sua prestação em 4.º lugar. No final da prova, a atleta afirmou “estava a sentir-me bem no aquecimento, mesmo com o calor. Dói-me ficar em 4.º lugar. Estive focada até ao fim porque sei que o melhor [resultado] pode sair em qualquer lançamento. A única coisa que posso fazer agora é continuar a trabalhar.”.

A Equipa Portugal, que traçou como objetivos para estes jogos olímpicos a conquista de 2 medalhas, 12 diplomas e 26 top-16, até ao momento já alcançou 2 medalhas e 5 diplomas.

Os diplomas foram conquistados por Yolanda Sequeira (surf), Gustavo Ribeiro (skate), Catarina Costa (judo), a seleção portuguesa de ensino em equestre (Maria Caetano, Rodrigo Torres e João Miguel Torrão) e Auriol Dongmo (lançamento do peso).

O diploma olímpico é atribuído aos atletas que ficam classificados entre a quarta e a oitava posição na final de cada disciplina.

[Imagem: comité olímpico Portugal]

   

Leia também