Crónica de Alexandre Honrado – A flor rara no mais alto cume

 

Crónica de Alexandre Honrado
A flor rara no mais alto cume

 

Os momentos mais delicadamente espirituais que me foram dados assistir ao longo da vida, e podem ter a certeza de que foram muitos e marcantes, incluem a rara sensibilidade de alguns ateus que, por incapazes de adorarem um Deus, ficaram na expectativa dos melhores encontros proporcionados por todos os deuses que, valha-nos quem puder, são tão variados, tão pródigos, tão completos e todavia tão frágeis e tão impotentes diante de uma civilização que nunca acertou o passo coletivo.

Amar o próximo, torná-lo próximo, repartir o que se tem e aceitar o que nos dão, parecem metas inalcançáveis, flor rara que nasce no mais alto cume de uma montanha que nos encontra sempre impreparados para a escalada.

Há religiões com livros e sem livros, eu até sou daqueles que procuram a resposta em todos os livros, por mais sofisticados, por mais eleitos, por mais comuns, desde que não sejam, isso é que não, banais ou impenetráveis. Em todos. Ou pelo menos em todos os que sejam dignos desse nome.

É curioso como ao escrever isto ponho os olhos numa revista que aprecio, The Happy Reader, o Leitor Feliz, que logo numa das primeiras páginas deste número, o 16, dedicado ao verão de 2021, adverte: A tecnologia do livro foi inventada para lidar com páginas que de outra forma seriam soltas e confusas.

Só há livros, portanto, para não andarmos a correr atrás das páginas esvoaçantes, como talvez só existam deuses para não esvoaçarmos sem sentido.

Deixem-me só ler um poema letra, de Caetano Veloso, ou pelo menos um pedacinho dele:

 

“Quem é ateu e viu milagres como eu
Sabe que os deuses sem Deus
Não cessam de brotar, nem cansam de esperar
E o coração que é soberano e que é senhor
Não cabe na escravidão, não cabe no seu não
Não cabe em si de tanto sim
É pura dança e sexo e glória, e paira para além da história”.

Pensem num momento espiritual que vos eleve.

E voltem sempre.

 

Alexandre Honrado


Alexandre Honrado
Escritor, jornalista, guionista, dramaturgo, professor e investigador universitário, dedicando-se sobretudo ao Estudo da Ciência das Religiões e aos Estudos Culturais. Criou na segunda década do século XXI, com um grupo de sete cidadãos preocupados com a defesa dos valores humanistas, o Observatório para a Liberdade Religiosa. É assessor de direção do Observatório Internacional dos Direitos Humanos. Dirige o Núcleo de Investigação Nelson Mandela – Estudos Humanistas para a Paz, integrado na área de Ciência das Religiões da ULHT Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias em Lisboa. É investigador do CLEPUL – Centro de Estudos Lusófonos e Europeus da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e do Gabinete MCCLA Mulheres, Cultura, Ciência, Letras e Artes da CIDH – Cátedra Infante D. Henrique para os Estudos Insulares Atlânticos da Globalização.

Pode ler (aqui) todos os artigos de Alexandre Honrado


 

   

Leia também