Mafra | O Adro da Igreja de Santo André vai ser requalificado

 

O Adro da Igreja de Santo André, em Mafra, vai ser requalificado.

O contrato, por ajuste direto, para a requalificação do Adro da Igreja de Santo André, em Mafra, foi assinado no passado dia 22 de junho e destina-se a “efetuar um conjunto de melhorias, que em muito contribuirão para dignificar o Monumento Nacional em questão e proteger os achados arqueológicos presentes no local”.

O documento a que o Jornal de Mafra teve acesso refere que as “melhorias” previstas são as seguintes:

  • Criação de um percurso contornando a Igreja de Santo André, com cerca de 4 m largura, de modo a proteger as estruturas arqueológicas anteriormente identificadas;
  • Criação de um percurso de acesso ao edifício adjacente em construção (futuro Centro Estudantil de Mafra), que permitirá aos visitantes da Igreja de Santo André acederem às instalações sanitárias, assim como ao portão mais a norte para a acessibilidade de pessoas com mobilidade reduzida;
  • Retirada das sapatas e bancos de pedra, visto que os mesmos não representam a época de construção da Igreja;
  • Colocação de zonas de relvado regado sobre camada de terra vegetal de 30 cm, com o objetivo de proteger as estruturas arqueológicas, favorecer a permeabilidade do solo e reduzir a velocidade das águas pluviais;
    Colocação de iluminação exterior de modo a enaltecer o Monumento Nacional;
  • Execução de plano de drenagem, junto às paredes do edifício, de forma a realizar o encaminhamento das águas pluviais;
  • Colocação de mobiliário urbano (papeleiras e totens explicativos/informativos).

O valor do contrato atinge os 30.289,18 € e a TERRUM- Jardinagem Unipessoal, Lda uma empresa de Casal do Rodo, Encarnação (empresa que era propriedade de Nuno João da Cruz Sardinha, Presidente da Assembleia de Freguesia Encarnação, e que desde 9 de junho de 2021 passou a ser gerida por Mónica Alexandra de Jesus Alves Sardinha) tem 60 dias (após a adjudicação) para a realização das obras.

A igreja foi erigida durante o reinado de D. Dinis (século XIII-XIV), tendo sido reformulada nos séculos XVII e XVIII. No final do século XIX encontrava-se em ruínas e os trabalhos de restauro iniciaram-se em 1903, tendo sido interrompidos anos depois. Em 1914 houve uma nova tentativa de restauro, mas apenas em 1929, com a criação da Direção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais foi possível avançar com o projeto de restauro.

A Igreja de Santo André foi classificada como Monumento Nacional em 1935.

Os documentos a que tivemos acesso aludem à construção de um “futuro Centro Estudantil de Mafra”. Contactámos a Câmara Municipal de Mafra, no sentido de esclarecer de que novo Centro Estudantil de Mafra se trata, e se este irá ocupar as instalações pertencentes à CMM, instalações que depois de intervencionadas irão ser entregues à Santa Casa da Misericórdia de Mafra, do ex-vice-presidente Joaquim Sardinha. O Município de Mafra não respondeu ao nosso pedido de informação.

 

 

   

Leia também