Luís Filipe Vieira foi hoje detido por suspeita de vários crimes de natureza financeira

 

Foram hoje cumpridos cerca de 45 mandados de busca nas áreas de Lisboa, Torres Vedras e Braga, que deram origem a quatro detenções.

Os detidos são dois empresários (José António dos Santos -‘Rei dos Frangos’ e Bruno Macedo), um agente desportivo (Tiago Vieira) e um dirigente desportivo, o presidente do Sport Lisboa e Benfica, Luís Filipe Vieira.

Nas buscas, que incidiram em domicílios, escritórios de advogados, numa instituição bancária e em instalações de sociedades (entre elas a Avibom, com sede no Ramalhal, em Torres Vedras).

Segundo o Ministério Público, as detenções foram efetuadas atendendo aos indícios já recolhidos, com vista a acautelar a prova, evitar ausências de arguidos e prevenir a consumação de atuações suspeitas em curso.

Em causa estão factos ocorridos desde 2014 até ao presente, suscetíveis de integrarem a prática de crimes de abuso de confiança, burla qualificada, falsificação, fraude fiscal e branqueamento, entre outros.

No processo investigam-se negócios e financiamentos num montante total superior a 100 milhões de euros, que poderão ter acarretado elevados prejuízos para o Estado e para algumas das sociedades.

Os detidos serão amanhã presentes a primeiro interrogatório judicial com vista à aplicação de medidas coação, que tendo em consideração a gravidade dos crimes e as exigências cautelares, não deverão passar pelo simples termo de identidade e residência.

Ao que tudo indica, Luís Filipe Vieira irá pernoitar nas instalações da PSP de Moscavide, em Lisboa.

O inquérito é dirigido pelo Ministério Público do Departamento Central de Investigação e Ação Penal, cuja investigação se encontra a cargo da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) e conta com a estreita colaboração da Polícia de Segurança Pública (PSP).

No comprimento dos mandados participaram 66 inspetores tributários, sendo 25 da Direção de Finanças de Braga, 8 da Direção de Finanças do Porto, 26 da Direção de Finanças de Lisboa e 2 da Direção de Serviços de Investigação da Fraude e de Ações Especiais (DSIFAE), para além de 9 elementos do Núcleo de Informática Forense desta Direção.

Participaram ainda 4 magistrados do Ministério Público, 3 Juízes de Instrução Criminal e 74 polícias da PSP, 9 dos quais a exercerem funções no DCIAP.

O inquérito encontra-se em segredo de justiça.

A Direção do Sport Lisboa e Benfica já reagiu à detenção do  seu presidente: “A Direção do Sport Lisboa e Benfica esteve reunida esta tarde, a fim de analisar a situação decorrente da investigação de que é alvo pelas autoridades judiciais o Presidente Luís Filipe Vieira. Todos os membros da Direção estão firmemente determinados a defender sem qualquer reserva, de forma coesa e como lhes compete, os interesses do Clube, que, esclarece-se, não é objeto da investigação”.

[imagem © SLB]

 

 

   

Leia também