Opinião Política | Alexandre Nascimento (Partido Aliança) – Arranjai um Gabinete!

PUB

Opinião Política – Alexandre Nascimento (Partido Aliança)
Arranjai um Gabinete!

 

Quando, há vários meses atrás, iniciei esta minha colaboração com o Jornal de Mafra, comecei por falar na questão do Mérito.

Foi a minha primeira escolha, o meu primeiro tema. Porque me preocupa, porque tem que ser uma bitola de avaliação primordial, porque é determinante para premiar os que mais se esforçam, porque deve ser um dos pilares de um sistema político e social saudável… porque o desprezo que tem merecido por parte de sucessivos governos é, inequivocamente, uma das causas do histórico atraso e provincianismo português.

Soubemos, há uns dias, que Ana Paula Vitorino, esposa do Ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, foi indicada para Presidente da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes.

A esposa do Ministro Cabrita, um dos grandes amigos de António Costa, já anteriormente tinha sido Ministra do Mar e vai agora auferir 12 mil euros mensais, acrescidos de 4.800 euros para ajudas de custo. Uma chatice!

Mas o caso de Ana Paula Vitorino é apenas mais um! Não só é notícia por aparentar ser mais um favor de família, mas também porque vem engrossar as imensas fileiras de uma máquina socialista burguesa e anafada que se foi instalando, lenta e cirurgicamente, e que se alimenta do Estado e do bolso de todos nós, sugando e secando tudo à sua volta.

É só mais um caso, entre tantos!

Ana Catarina Gamboa, mulher do Ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, já havia sido nomeada para Chefe de Gabinete do Sec. de Estado Adjunto dos Assuntos Parlamentares… Susana Ramos, mulher do Sec. de Estado Adjunto dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro, para dirigir o FIS (Fundo para a Inovação Social)… Ana Isabel Marrana, ex-mulher do Ministro do Ambiente, Matos Fernandes, para Chefe de Gabinete da Secretária de Estado do Ordenamento do Território… e por aí fora.

Estes são apenas alguns casos, para citar mulheres ou ex-mulheres de governantes. São muitas e muitos mais! São casais, irmãos, filhos, noras, cunhados… um não acabar de laços políticos promíscuos que se misturam e que convivem numa autêntica teia de interesses.

Estão lá todos os sinais de um sistema poder com manifesto deficit democrático. Um claro e despudorado controle do Estado e das suas instituições… o poder pelo poder. Eram também assim as famílias oligarcas das monarquias absolutistas de há uns séculos atrás ou, indo ainda mais longe, as famílias que dominavam e tudo controlavam no império romano.

Uma contagem de finais de 2019, feita por vários órgãos de comunicação social, apontava para 50 pessoas com relações familiares entre si, no governo de António Costa. Pelos vistos, ainda a procissão ia no adro.

O jogo de uma máquina governativa que olha para o seu umbigo, em vez de privilegiar o mérito, é perigoso e aumenta de forma exponencial o sentimento de descrédito das pessoas pelas instituições.

É lamentável e desmotivador viver num país pequeno e pobre que vê tanta gente a estudar, a trabalhar e a lutar por singrar na vida, à espera de uma oportunidade… enquanto outros ficam, calmamente, sentados na paragem à espera que o autocarro do poder passe.

À mulher de César, não basta ser…

 

Alexandre Gomes do Nascimento

Vice-presidente

Partido ALIANÇA

Alexandre Gomes do Nascimento
Empresário, Vice-Presidente do Partido Aliança

Pode ler (aqui) outros artigos de opinião de Alexandre Nascimento


As opiniões expressas neste e em todos os artigos de opinião são da responsabilidade exclusiva dos seus respetivos autores, não representando a orientação ou as posições do Jornal de Mafra


Leia também

Comentário