Covid-19 | Linhas vermelhas mostram aumento dos valores do Rt e da frequência de novas variantes

PUB

De acordo com o mais recente relatório da monitorização das linhas vermelhas para a covid-19, o número de novos casos de infeção por covid-19 (por 100 000 habitantes) mostra uma “ tendência ligeiramente crescente a nível
nacional
”.

A 12 de maio de 2021, a incidência cumulativa a 14 dias foi de 60 casos por 100 000 habitantes em Portugal, tendo a incidência mais elevada ocorrido no grupo etário dos 20 aos 29 anos (121 casos por 100 000 habitantes) e a mais baixa no grupo etário com 80 anos ou mais (14 casos por 100 000 habitantes).

No período de 19 a 23 de maio de maio de 2021, o Rt apresentou valores superiores a 1, a nível nacional (1,07). A região de saúde, em Portugal Continental, com o valor mais elevado foi a região do Alentejo (1,16) e o valor mais baixo registou-se na região do Algarve (0,92). Na região de Lisboa e Vale do Tejo (LVT) foi de 1,14.

Ao nível nacional, desde 10 de maio (há 14 dias) que o Rt apresenta valores acima de 1, indicando uma tendência crescente.
Mantendo-se estas taxas de crescimento, o limiar de 120 novos casos por 100 000 habitantes, acumulado em 14 dias, será atingido em 31 a 60 dias ao nível nacional, e 15 e 30 dias na região de Lisboa e Vale do Tejo.

A 26 de maio de 2021, o número de camas ocupadas em Unidades de Cuidados Intensivos com casos de COVID-19 nos hospitais em Portugal era de 53 doentes.
No continente, o número diário de casos de covid-19 internados em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI) continua a mostrar uma tendência ligeiramente decrescente.
O grupo etário com maior número de internados em UCI é o grupo dos 60 aos 69 anos (16 casos neste grupo etário a 12/05/2021).

De acordo com o relatório, entre 20 a 26 de maio de 2021, 89% dos casos notificados foram isolados em menos de 24 horas após a notificação. 82% dos seus contactos foram rastreados e isolados no mesmo período.

Em relação às novas variantes e tendo por base a sequenciação genómica em 8300 amostras realizadas pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, até ao dia 26 de maio de 2021, identificaram-se:

  • Variante do Reino Unido (B.1.1.7)
    – Estima-se que a prevalência de casos associados a esta variante, de 3 a 11 de maio, tenha sido de 87,2%
    —————–
  • Variante da África do Sul (B.1.351)
    – 9 novos casos desta variante, totalizando 97 casos até ao dia 26 de maio de 2021
    – A maioria são do sexo masculino (55,7%), a idade mediana à data do diagnóstico foi de 45,0 anos e residiam principalmente na região de LVT (56,7%)
    – A maioria dos casos tinha nacionalidade portuguesa (82,5%), 4,1% tinha nacionalidade bangladeshiana, 2,1% tinha nacionalidade angolana e 2,1% tinha nacionalidade sul-africana.
    – A proporção de casos importados foi de 14,4%
    – Existe transmissão comunitária desta variante
    ……………
  • Variante de Manaus, Brasil (P.1)
    – Até 25 de maio de 2021, foram confirmados laboratorialmente 133 casos da variante (+18 que na semana passada)
    – A maioria são do sexo feminino (54,9%), a idade mediana à data do diagnóstico foi de 40,0 anos e na maioria dos casos eram residentes na região de LVT (45,1%)
    – A principal nacionalidade dos casos identificados era portuguesa (73,5%), seguida da brasileira (19,7%)
    – A proporção de casos importados foi de 21,8%
    – Existe transmissão comunitária desta variante
    ………………….
  • Variante da Índia (B.1.617)
    – Até 25 de maio de 2021, em Portugal, foram confirmados laboratorialmente 46 casos da variante B.1.617, associada à Índia, 9 casos da linhagem B.1.617.1 e 37 casos da linhagem B.1.617.2
    – A maioria são do sexo masculino (73,9%), com idade mediana à data do diagnóstico de 37,0 anos e na maioria dos casos eram residentes na região de LVT (63,0%)
    – As três nacionalidades mais frequentemente identificadas foram: portuguesa (43,5%), nepalesa (30,4%) e indiana (15,2%)
    – A ausência de ligação epidemiológica em alguns dos casos mais recentes pode indicar a existência de transmissão comunitária da mesma

No geral, os dados sugerem uma transmissão comunitária de moderada intensidade e reduzida pressão nos serviços de saúde. O aumento dos valores do índice de transmissibilidade (Rt) e o aumento da frequência de novas variantes de preocupação devem ser acompanhados com atenção durante as próximas semanas, em especial nas regiões com maior transmissão.

Observa-se um aumento do número de testes realizados entre os dias 20 a 26 de maio, sendo a proporção de testes positivos para SARS-CoV-2 de 1,3%.

 

Leia também