Torres Vedras | Ainda existem alunos sem computador 2 semanas depois do inicio das aulas online

No concelho de Torres Vedras, duas semanas depois do início das aulas à distância, ainda existem alunos sem computadores. Os computadores “prometidos” pelo governo ainda não chegaram e a câmara municipal e os agrupamentos de escolas tentam colmatar os equipamentos em falta.

Laura Rodrigues, vice-presidente e vereadora com o pelouro da educação na câmara de Torres Vedras, referiu que a situação no concelho “felizmente, apesar de tudo, é uma situação muito boa”.

A câmara municipal disponibilizou 412 computadores aos 4 agrupamentos de escolas e ao Externato de Penafirme, de modo a colmatar as necessidades por eles identificadas.

A vereadora com o pelouro da educação fez o balanço da situação com base na informação disponibilizada pelos agrupamentos de escolas e as escolas não agrupadas. Assim:

  • No agrupamento de escolas Padre Vítor Melícias, agrupamento no qual o número de alunos carenciados é mais elevado, todos os ciclos de escolaridade foram contemplados, não existindo necessidades a colmatar até ao 1.º ano de escolaridade.
  • O agrupamento de escolas com maior necessidade é o agrupamento de escolas de São Gonçalo, incidindo sobretudo nos alunos dos 1.º e 2.º ano (1.º ciclo). Os restantes anos letivos estão cobertos.
  • No agrupamento de escolas Madeira Torres apenas cerca de 36 alunos do 1.º ciclo de escolaridade estão sem computador, tudo o resto está coberto.
  • O Agrupamento de Escolas Henriques Nogueira tem cerca de 30 computadores em falta para fazer fase às necessidades de 1.º ciclo.

Foram identificados alunos do 1.º ciclo de famílias de migrantes com maior carência, sobretudo no agrupamento de São Gonçalo, para as quais a câmara municipal conseguiu “arranjar” mais 150 tablets.

De acordo com a informação do governo, brevemente, serão entregues computadores para os alunos do 1.º ciclo com ação social escolar.

Cerca de 160 crianças frequentam as escolas de acolhimento do concelho de Torres Vedras, crianças sem acesso a computador em casa, alunos com necessidades educativas especiais e filhos de pais com profissões de 1.ª linha.

 

Leia também

Comentário