Covid-19 | Vacinação de bombeiros, forças de segurança e titulares de órgãos de soberania avança na próxima semana

A Ministra da Saúde, Marta Temido, informou que Portugal recebeu hoje 99.450 doses da BioNTech/Pfizer elevando para cerca de 411.600 as doses de vacinas contra a Covid-19 da BioNTech/Pfizer e Moderna recebidas e distribuídas no país.

Até às 19 horas do dia 24 de janeiro foram já realizadas cerca 255.700 inoculações de vacinas.

Atualmente estão a ser vacinados sobretudo os profissionais de saúde, colaboradores de residências para idosos da rede nacional de cuidados continuados integrados (lares de idosos) e de utentes dessas instituições. A estimativa do Ministério da Saúde é de que até ao final deste mês (até domingo) estejam vacinados cerca de 100 mil profissionais de saúde considerados prioritários pelos serviços.

Até hoje foram já vacinados mais de 16 mil utentes e profissionais de saúde associados a estruturas residenciais para idosos e da rede nacional de cuidados continuados integrados, estando previsto que de acordo com o objetivo que foi fixado, termine esta semana  a vacinação nestas instituições. Exceções são as instituições onde existem surtos ativos – instituições que irão entrar no plano de vacinação depois de os surtos serem dados como “fechados”.

Na próxima semana avança a vacinação de profissionais de outros serviços essenciais, entre eles os bombeiros, as forças de segurança e titulares de órgãos de soberania.

Também na próxima semana terá início a vacinação das pessoas com mais de 50 anos com comorbidades identificadas como de risco (insuficiência cardíaca, insuficiência renal, doença pulmonar obstrutiva crónica, doença coronária ou doença respiratória crónica sob suporte ventilatório e/ou sob oxigenoterapia de longa duração).

A ministra anunciou ainda que o Plano de Vacinação contra a covid-19 vai ser atualizado, passando a incluir os idosos com mais de 80 anos, no primeiro grupo de prioritários.

Quanto a autarcas e membros de direção de alguns lares que já foram vacinados a ministra afirmou que na reunião de hoje “foram discutidos mecanismos que irão ser estabelecidos para a avaliação de situações de desvio àquilo que são as regras de vacinação de acordo com os grupos prioritários”., acrescentando que os mecanismos “serão aqueles que nos permitirão garantir que estas situações são evitadas e, acontecendo, serão objeto da necessária censura, caso se constate que correspondem a situações de vacinação indevida face à ordenação dos grupos prioritários”.

 

   

Leia também