Online: Melhores formas de se manter entretido sem sair de casa

O entretenimento online tem ganho muita adesão nos últimos meses, não só devido às limitações de um ano atípico, como por causa da comodidade que averba na sua génese. Através de uma ligação à internet e de um dispositivo tecnológico é possível fazer uma miríade de coisas que se julgavam impossíveis há 15 ou 20 anos. Foi o caso do concerto da Taverna dos Trovadores, que contou com a presença de Fafá de Belém, Luís Represas e Joaquim de Almeida, e que foi transmitido online e em direto no Facebook da Câmara Municipal de Sintra. Este concerto foi apenas um dos exemplos de como a música se tem adaptado às novas circunstâncias. O grosso dos artistas já apoiava muito da sua atividade no online através do lançamento de videoclips, implementação de lojas virtuais de merchandising, partilha de álbuns digitais ou inclusão dos respetivos trabalhos na plataforma Spotify. Mais recentemente, os concertos online têm ganho maior popularidade e prometem ser uma tendência para os próximos anos, como comprovam as atuações incríveis do Coro Conservatório de Sintra.

Os jogos são outra indústria onde o online tem prevalecido, já que os jogadores preferem hoje competir uns com os outros ou contra os sistemas. Assim, a popularidade das competições de Counter Strike ou League of Legends tem-se mantido nos últimos anos e atrai cada vez mais jogadores das mais diversas geografias. Contiguamente, os jogos mobile grátis parecem fazer o mesmo caminho à boleia de jogos famosos como o Archero, o Candy Crush ou o PUBG, que providenciam experiências muito visuais e emocionantes. Estas são características encontradas também nos casinos online com slots grátis como a Casinos.pt, onde os utilizadores podem experimentar slot machines muito divertidas em qualquer local, desde que estejam ligados à rede. Entre as opções disponíveis, o destaque vai para as slots clássicas, progressivas, vídeo slots e 3D slots. Espera-se que este segmento encontre cada vez mais aceitação no futuro, já que o ano de 2020 marcou um crescimento sem precedentes nestes mercados.

A área do ensino e das formações técnicas também começa a estar cada vez mais ligada ao online. Prova disso, foram as sessões de formação do projeto “Compostar é valorizar”, dinamizadas pelos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Torres Vedras. A iniciativa que visou fomentar a compostagem doméstica e reduzir a quantidade de resíduos orgânicos depositados em aterro aconteceu integralmente online e gratuitamente. Ademais, foram oferecidos aos participantes compostores e guias práticos relativos à compostagem. Estas ações de formação são bastante habituais nas mais diversas indústrias, estando obviamente mais ligadas a profissões onde o digital tem uma componente forte. Este é o caso da Ironhack ou da XPM Consulting, escolas intensivas dos ramos da programação e da gestão de projetos, que promovem vários webinares gratuitos para promover os seus serviços no seio de profissionais interessados nestas formações.

Parece existir uma tendência para que mais e mais atividades comecem a estar associadas ao online, quando durante anos foram executadas no offline. Esta curva migratória acentuou-se em 2020, mas já vinha acontecendo anteriormente com a presença das empresas nos websites, aplicações ou plataformas. A velocidade e comodidade conseguidas com as soluções ou ferramentas online não têm paralelo com aquilo que existe no mundo físico e o sucesso atingido por empresas como a Amazon, o Facebook ou a Netflix fazem com que os empreendedores tentem a sua sorte com negócios que fazem essa passagem para o espaço virtual, embora muitas vezes nem faça sentido. Certo é que as pessoas irão aderir a tudo aquilo que for mais cómodo e acrescentar valor. Este facto faz com que a maior adesão relativa ao digital já não seja bem uma tendência, mas sim o futuro que nos espera.

Leia também