OPINIÃO POLÍTICA | José Martinez (CDU) – Mudam-se as moscas, ficam-se as vontades…

Mudam-se as moscas, ficam-se as vontades…

No passado dia 13 fui convocado para uma Assembleia Municipal extraordinária para:

  • Eleição do presidente da CCDR – Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional, por sufrágio individual e secreto em urna.

Mesmo sendo apenas para meter um papelinho numa urna e embora o tema não me fosse alheio fui, como sempre, fazer o trabalho de casa para poder votar em consciência.

Em primeiro lugar, importa saber o que é uma CCDR.

  Uma CCDR são “serviços desconcentrados da Administração central dotados de autonomia administrativa e financeira, incumbidos de executar medidas proveitosas para o desenvolvimento das respectivas regiões.”[

Depois, naturalmente qual é a sua missão:

“Assegurar a coordenação e a articulação das diversas políticas setoriais de âmbito regional, bem como executar as políticas de ambiente, ordenamento do território e cidades, de incentivos do Estado à comunicação social  e apoiar tecnicamente as autarquias locais e as suas associações, ao nível da respetiva área geográfica de atuação.”

Ou seja, as CCDR’s são:

Serviços da Administração central que implementam as políticas governamentais ao nível local.

A novidade está em que os funcionários públicos dirigentes dos serviços veem reforçadas as suas características de “comissários políticos” pela “eleição”  pelas câmaras municipais, um dos vice-presidentes e, para fazer número, pelas assembleias municipais, o seu presidente.

E aqui acaba a “democracia”, quem manda é o governo, o voto na matéria dos eleitores MORREU, é nulo.

O(A) Presidente presta contas não a quem o elegeu, mas ao Governo, tendo inclusivamente o Governo a possibilidade de o (a) destituir.

Para nós, na CDU é claro que a eleição a que fomos chamados se insere no quadro das manobras que ao longo dos anos tem servido para negar o cumprimento da Constituição da República no que concerne à criação das Regiões Administrativas, “democraticamente” elegemos os Comissários Políticos do Governo responsáveis pela execução local da política CENTRAL.

A desconcentração dos serviços da Administração Central não pode ser confundida com a descentralização servindo apenas como factor de redução da exigência de uma efectiva descentralização.

A Regionalização, tal como consagrada na Constituição da República Portuguesa é o caminho para a defesa dos interesses das populações e respectivos territórios.

Votamos BRANCO, voto validamente expresso, validade anulada pelo democrático Decreto-Lei 27/2020.

O Vice-presidente “eleito” pelos senhores presidentes de câmara é o vice-presidente da câmara de Mafra, Sr. Joaquim Sardinha, gostava de o poder felicitar pela eleição, mas, para um militante do PSD, há mais de 40 anos, ser “eleito” para comissário político do governo do PS, felicitá-lo é, seria, “gozar com quem trabalha”.

Mafra, 18 de Outubro de 2020.

José Martinez
Membro da direção concelhia do PCP e deputado municipal pela CDU.

 


Pode ler (aqui) outros artigos de opinião de José Martinez


______________________________________________________________________________________________________

As opiniões expressas nesse e em todos os artigos de opinião são da responsabilidade exclusiva dos seus respectivos autores, não representando a orientação ou as posições do Jornal de Mafra

________________________________________________________________________________________________

 

   

Leia também