Crónica de Alice Vieira | O cavalo de guerra

Crónica de Alice Vieira 

 

O CAVALO DE GUERRA
Alice Vieira

Há muitos anos, por esta altura, eu estava em Ypres.

Ypres é uma cidade flamenga, martirizada durante as duas guerras mundiais.

Na primeira, foi palco de cinco grandes batalhas, entre britânicos e alemães (em que estes, como vingança, lançaram um gás de cloro que, em 10 minutos, matou cinco mil pessoas)

Na segunda, foi totalmente destruída.

Ypres é um soco no estômago de quem lá vai

Porque toda a paisagem de Ypres é feita de cemitérios. Só se avistam cemitérios, com as campas todas brancas e todas iguais, só se visitam cemitérios, só se lêem placas das campas dos cemitérios. Quilómetros e quilómetros de cemitérios como, noutros países visitaríamos, decerto, castelos, jardins, quedas de água.

Cemitérios e campos de batalha.

Lembro-me de que estava lá num encontro promovido pela União Europeia, com mais alguns escritores da Bélgica e do Reino Unido, todos convidados porque todos tínhamos participado numa antologia sobre a guerra, intitulada “Lá Longe a Paz”. Em termos de língua portuguesa eu estava bem acompanhada com textos de Sophia, Ruy Belo, Mia Couto, Manuel Alegre e outros que agora não recordo, mas, vá-se lá saber porquê, só eu é que tinha sido convidada a estar presente.

Reuníamo-nos no belíssimo Town Hall (todo ele reconstruído, mas mantendo-se tal como era antes dos bombardeamentos) e criei logo amizade com um dos grandes escritores ingleses, chamado Michael Morpurgo.

Vimos tudo o que havia para ver, tirámos fotografias a todos os cemitérios e campos de batalha, e casas destruídas

E cada um de nós falou também—para amenizar um pouco—da sua terra e dos seus projectos. (Mais tarde Michael Morpurgo viria a ser uma ajuda preciosa na biografia que eu escrevi sobre a Enid Blyton…)

Um dia o grupo foi visitar o Museu da Guerra. (Sim, porque para lá de todos os cemitérios e campos de batalha, e casas destruídas ainda há mais um museu a falar da guerra…)

Salas e salas com fotografias, reconstituição de trincheiras, armas, retratos de mortos etc… Até que chegámos a uma sala pequena, totalmente ocupada por um cavalo, em tamanho natural, caído no chão.

Michael Morpurgo não saía dali. Olhava o cavalo, tomava notas, tirava fotografias. Por mais que o chamassem, nem ouvia. Saímos todos e ele ficou.

Chegou atrasado ao jantar, evidentemente.

E disse-me:

” Ainda hei-de escrever uma história sobre aquele cavalo, vais ver!”

Cumpriu a promessa — e o livro era publicado pouco tempo depois.

E Steven Spielberg pegou nessa história e fez dela “O Cavalo de Guerra”.

Já vi o filme não sei quantas vezes. E se agora me lembrei disto é porque há dias o vi novamente, num canal de cinema da televisão.

E a imagem que me vem sempre à cabeça é Michael Morpurgo, sem dizer uma palavra, alheio a tudo o mais, diante do cavalo caído, no museu.

Tenho a certeza de que já tinha o livro todo na cabeça quando saiu de lá.

 


Poder ler (aqui) as outras crónicas de Alice Vieira


Artigos Relacionados