Crónica de Alexandre Honrado – Levarei os meus olhos cheios do que não vi

Não tenho saudades do passado.

A minha terra, quando eu era pequeno, era um local cinzento e cheio de cicatrizes, assim uma espécie de sarjeta – dessas onde aquele deputado isolado do parlamento, a quem eu chamo o Menino Mussolini, gostava de ver de volta.

Não tenho saudades da ordem na ponta das espingardas e dos escândalos atrás das portas. Prefiro armas à vista, de preferência entregues para abate, e escândalos que possam ser julgados pelo Estado de direito, à vista e de preferência entregues à justiça, para abate.

Não tenho saudades do passado, mas sei que foi lá que ficou a minha juventude – dessa, em certos estranhos dias, tenho algumas saudades -, descobertas infinitas e sobretudo o nascimento para a cultura que, desde que o País se libertou dos Mussolinis de trazer por casa – por casa, pelos ministérios, pelos latifúndios, pela repressão, pela perseguição, pela proibição, pela guerra e pela descriminação sem escrúpulos nem limites – me foi possível apreciar: o tempo encheu-se-me então de livros e horizontes.

Não tenho saudades do passado mas também não fico contente e alarve com a impotência do presente. Temo pelo futuro.

O Menino Mussolini que estende a sua mãozinha de afaga falanges e mente descaradamente convencendo os outros de que transporta a Verdade, tem um grupo de seguidores temíveis. Alguns põem nas redes sociais que “aquele sim é um homem com sentido de estado”, provavelmente de estado novo, mas não lhes chega a língua para tanto. Não se esqueça que não há maior traidor do país em que nasceu do que aquele que usa a palavra pátria para enganar o seu semelhante.

Não tenho saudades do passado.

Recordo que descobri no passado algumas leituras que me arquitetavam e faziam crescer.

Descobri há pouco, numas caixas, obras de alguns autores que me fizeram. Tenho aqui agora o Correspondente de Guerra, de John Steinbeck, e espanto-me: como é que alguém conseguia escrever sobre coisas tão cruéis sempre à procura do lado mais doce dos humanos? Nas batalhas mais trágicas ele fazia ouvir o voo apaziguador das últimas aves sobreviventes.

Não tenho saudades do passado mas do jovem que eu era a aprender coisas assim, com uma disponibilidade altruísta que me impedia ainda de vomitar sempre que oiço o Menino Mussolini na nossa Assembleia.  Eu era um jovem ingénuo e disponível, acho.

Lembro-me de uma passagem do livro em que Steinbeck fala de um ator, um comediante, Bob Hope, um dos maiores no seu género e do seu tempo, e de como sofreu e viu coisas horríveis, fazendo diminuir aos outros o sofrimento e acrescentar-lhes dons do que pode ser no mundo, mesmo nos tempos mais cruéis, destacando o lado maravilhoso e doce da vida. E como terá sofrido, o ator. Steinbeck escreve uma frase inesquecível sobre ele: “Tendo-se convertido em símbolo, tem de levar uma vida simbólica”. Ainda hoje penso nisso, negando o passado como um antro de saudades e quimeras, que é a forma mais simbólica com que me liberto do que já passou.

Não tenho saudades do passado nem consideração por aqueles que o desejam.

Ainda há futuro há nossa espera. Marcamos encontro mais adiante. Levarei os olhos cheios do que ainda não vivi.

 

Alexandre Honrado


Pode ler (aqui) todos os artigos de Alexandre Honrado


Artigos Relacionados