Torres Vedras | Hospital sem pediatras no fim de semana gera muita contestação

Hospital Torres Vedras

A falta de médicos é um problema que tem vindo a afetar o funcionamento do serviço nacional de saúde em todo o país, com reflexos na falta de médicos de família, na falta de médicos nos serviços de atendimento permanente dos centros de saúde e com falta de especialistas.

Desta vez, embora, infelizmente, não constituindo uma novidade, o serviço afetado foi o serviço de pediatria do Hospital de Torres Vedras, no que se refere ao atendimento de crianças por médicos pediatras no serviço de urgência do Hospital daquela cidade.

Enquanto a ministra da saúde, Marta Temido afirma que “o reencaminhamento de utentes do serviço de pediatria de Torres Vedras para as Caldas da Rainha pode ou não ser definitivo”, uma afirmação que deixa espaço para todas as duvidas e para todas as soluções, três deputados socialistas,  João Nicolau, Alexandra Tavares de Moura e Vera Braz interpelaram a ministra relativamente aos prazos de abertura do concurso para colmatar a falta de pediatras no hospital de Torres Vedras, alertando para a “forte carência de médicos pediatras no Centro Hospitalar do Oeste [CHO], levando mesmo a graves constrangimentos e indisponibilidade do serviço de Urgência Pediátrica do Hospital de Torres Vedras, como se tem verificado nestes primeiros dias de janeiro“.

A concelhia de Torres Vedras do partido Aliança tomou entretanto posição relativamente a este tema. Depois de qualificar esta situação como “vergonhosa”, aquele partido recordou a perda da maternidade e do internamento de pediatria para as Caldas da Rainha, obrigando as crianças com problemas de saúde a deslocarem-se às Caldas da Rainha. O responsável da Aliança referiu depois que trabalham 14 pediatras no Centro Hospitalar do Oeste, só 3 deles estando colocados em Torres Vedras, mas só um deles estando ao serviço, referiu. Este partido exigiu ao governo que resolva este problema e à Câmara de Torres Vedras que “coloque os interesses das crianças de Torres Vedras à frente dos interesses partidários”.

A Câmara Municipal de Torres Vedras fez entretanto chegar às redações um comunicado onde afirma estar a acompanhar esta situação, referindo depois que “o Ministério da Saúde deu autorização ao CHO para a contratação de médicos pediatras em regime de prestação de serviços. A administração do CHO e o presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras, Carlos Bernardes, estão neste momento a desenvolver todos os esforços para encontrar médicos pediatras para prestar serviço nas urgências do Hospital de Torres Vedras“. A CMTV remete depois para a Ordem dos Médicos a responsabilidade para o atual estado de coisas, afirmando que “o presidente da Câmara Municipal lamenta que durante anos a Ordem dos Médicos tenha pressionado no sentido de não ser aumentado o número de vagas para Medicina nas várias universidades e especialidades, nomeadamente anestesia e pediatria”.

O Jornal de Mafra tentou conhecer a posição do PSD Torres Vedras a propósito deste caso, mas não foi possível contactar a estrutura local daquela força política.

   

Leia também