Instalação de elevadores no Palácio Nacional de Mafra

Foram retirados todos os andaimes exteriores que serviram a obra de requalificação dos carrilhões da Basílica do Palácio Nacional de Mafra.

Este é um sinal de que a obra se encontra na sua fase final e de que, em breve, a vila será novamente brindada com a música caída lá no alto da torre sul, encerrando-se assim um importante capítulo da requalificação do centro da vila.

Saiba-se agora aproveitar a ocasião para potenciar turística e culturalmente esta obra e para criar sinergias entre o palácio e a Tapada Nacional e entre estas e os monumentos e as paisagens de Sintra, assegurando assim – a ligação viária entre Sintra e Mafra é estratégica, e devia merecer mais atenção por parte das estruturas do poder local  – um fluxo turístico mais consistente e duradouro.

Terminada a obra principal, faltava informação acerca da já anunciada, e tão importante,  instalação de elevadores no Palácio Nacional de Mafra. Embora anunciada, a instalação dos elevadores não ocorreu até ao momento, assim sendo, o Jornal de Mafra perguntou à DGPC (Direção Geral do Património Cultural) pelo andamento deste projeto.

Responde assim a DGPC:

O processo para concurso de instalação do elevador para acesso a todos os pisos do Palácio Nacional de Mafra (PNM) está concluído estimando-se para breve o lançamento do procedimento concursal. Também está prevista a instalação de uma plataforma elevatória para acesso à Basílica pela porta Norte do transepto. Este procedimento terá que aguardar a retirada do estaleiro da obra em curso.

As acessibilidades são aqui de reconhecida importância, permitindo que todos os visitantes possam  fruir os espaços. Assim, perguntámos ainda, se para além do elevador, estariam a ser considerados outros elementos relacionados com as acessibilidades.

A isto, respondeu a Direção Geral do Património Cultural:

Pretendendo garantir uma acessibilidade para todos, a DGPC tem em curso uma candidatura a fundos comunitários relativa a comunicação acessível em cinco imóveis afetos, um dos quais é o Palácio Nacional Mafra. Esta candidatura tem duas componentes, uma relativa à produção de materiais táteis e outra relativa a sinalética acessível.

Tudo parece, pois, conjugar-se para que a reabilitação dos carrilhões possa vir a contribuir para um novo impulso da atividade cultural e turística do concelho. A futura instalação do Museu da Música poderá vir a constituir-se na finalização desta fase de ressurgimento musical do concelho.

Ficará ainda muito por fazer. No entanto, este lado musical do concelho e a sua potenciação cultural e turística, não deixarão de ser justamente averbadas a favor da maioria que governa o concelho, embora também as oposições tenham sempre secundado este desígnio.

   

Leia também