Crónica de Alexandre Honrado – Do abandonar ao acolher: Faz sentido ser humano nos dias de hoje?

[sg_popup id=”24045″ event=”onLoad”][/sg_popup]

Crónica de Alexandre Honrado – Do abandonar ao acolher: Faz sentido ser humano nos dias de hoje?

 

Do abandonar ao acolher:

Faz sentido ser humano nos dias de hoje?

 

Vivemos o tempo de ambiguidade, a começar pela forma como nos comunicamos e como erguemos muros à comunicação, escondendo-nos em grutas do incomunicável: a possibilidade de não sermos escutados, de sermos, produzirmos e partilharmos registos sem efeito, é imanente a cada momento que, de forma degradada, vivemos como ato de proximidade.

Isolados somos, mas não somos no outro. Isso tira-nos a confiança, a forma de sobreviver, o conceito completo do que é o humano: um exemplo de partilhas, de aceitações, de diferenças.

Vivemos, provavelmente, uma nova etapa construída a partir da cultura líquida: uma nova cultura sólida, difícil de moldar como um último veio de minério de ferro na rocha dura, que nos corre por dentro como um desejo de sangue.

A cultura da morte – do abandono em desespero do filho recém-nascido ao jogo milionário que se oferece à criança no natal para que na sua consola eletrónica desvalorize o que tem de mais elevado, a vida – é a essência de uma desconstrução do humano.

Perdemos a memória e substituímo-la por um sinistro esquecimento.

Não conhecemos o passado e ao perdê-lo perdemos os nossos antepassados. Ignoramos os momentos em que o mundo foi genocídio, o que é o mesmo que dizer, um parricídio que nos tornou a todos órfãos e carentes de um afeto capaz de alguma equidade. A riqueza – demanda pelo ouro, pelo petróleo, pela água, pelo desnível da balança social – impõe regras. Mas a pobreza – aceitação do que nos falta e da nossa ignorância mais tolhedora – não tem força para se opor, coibindo-se à existência. Lancemos o debate: do abandonar ao acolher, faz sentido ser humano nos dias de hoje? Mas que o debate se sobreponha.

Fartos de atos, queremos palavras. Palavras encantatórias e operatórias, que definam e estabeleçam a mudança urgente e necessária.

 

Alexandre Honrado

 


Pode ler (aqui) todos os artigos de Alexandre Honrado


 

 

Artigos Relacionados